Cientistas anunciaram uma potencial vacina contra o coronavírus!

Os cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh anunciaram hoje uma potencial vacina contra o coronavírus, que causa a pandemia de COVID-19. Quando testada em camundongos, a vacina, entregue através de um adesivo do tamanho de uma ponta do dedo, produz anticorpos específicos para SARS-CoV-2 em quantidades consideradas suficientes para neutralizar o vírus.

Uma candidata a vacina contra o coronavírus

Este é o primeiro estudo a ser publicado após críticas de colegas cientistas de instituições externas que descrevem uma vacina candidata ao COVID-19. Os pesquisadores foram capazes de agir rapidamente porque já haviam estabelecido as bases durante as epidemias anteriores de coronavírus.

“Tínhamos experiência anterior em SARS-CoV em 2003 e MERS-CoV em 2014. Esses dois vírus, que estão intimamente relacionados ao SARS-CoV-2, nos ensinam que uma proteína específica, chamada de proteína de pico, é importante para induzir imunidade contra o vírus. Sabíamos exatamente onde combater esse novo vírus. É por isso que é importante financiar a pesquisa de vacinas. Você nunca sabe de onde virá a próxima pandemia”, afirmou Andrea Gambotto, professor associado de cirurgia na Faculdade de Medicina da Pitt’s.

“Nossa capacidade de desenvolver rapidamente essa vacina foi resultado de cientistas com experiência em diversas áreas de pesquisa trabalhando em conjunto com um objetivo comum”, disse o co-autor sênior Louis Falo, professor e presidente de dermatologia da Faculdade de Medicina da Pitt’s, e UPMC.

Comparada ao candidato à vacina experimental de mRNA que acabou de entrar em ensaios clínicos, a vacina descrita neste artigo – que os autores estão chamando de PittCoVacc, abreviação de Pittsburgh Coronavirus Vaccine – segue uma abordagem mais estabelecida, usando pedaços de proteína viral fabricados em laboratório para criar imunidade. É da mesma forma que as vacinas contra a gripe atuais funcionam.

Cientistas anunciaram potencial vacina contra o coronavírus

Os pesquisadores também usaram uma nova abordagem para administrar a droga, denominada matriz de microagulhas, para aumentar a potência. Esse conjunto, é um adesivo do tamanho da ponta de um dedo com 400 agulhas minúsculas que liberam os fragmentos de proteína na pele, onde a reação imunológica é mais forte. O adesivo continua como um curativo e, em seguida, as agulhas – feitas inteiramente de açúcar e pedaços de proteínas – simplesmente se dissolvem na pele.

“Nós desenvolvemos isso para desenvolver o método original de rascunho usado para entregar a vacina contra a varíola à pele, mas como uma versão de alta tecnologia que é mais eficiente e reprodutível de paciente para paciente. E é realmente muito indolor – parece um tipo de velcro”, disse Falo.

O sistema também é altamente escalável. As peças de proteína são fabricadas por uma “fábrica de células” – camadas sobre células de cultura projetadas para expressar a proteína spike SARS-CoV-2 – que podem ser empilhadas ainda mais para multiplicar o rendimento. A purificação da proteína também pode ser feita em escala industrial. A produção em massa da matriz de microagulhas envolve a rotação da mistura proteína- açúcar em um molde usando uma centrífuga. Uma vez fabricada, a vacina pode permanecer em temperatura ambiente até ser necessária, eliminando a necessidade de refrigeração durante o transporte ou armazenamento.

“Para a maioria das vacinas, você não precisa lidar com a escalabilidade. Mas quando você tenta desenvolver uma vacina contra o coronavírus, esse é o primeiro requisito”, disse Gambotto.

Os testes em camundongos

Quando testado em camundongos, a PittCoVacc gerou um aumento de anticorpos contra o SARS-CoV-2 dentro de duas semanas após a aplicação do adesivo com as microagulhas.

Esses animais ainda não foram rastreados a longo prazo, mas os pesquisadores apontam que os camundongos que receberam a vacina MERS-CoV produziram um nível suficiente de anticorpos para neutralizar o vírus por pelo menos um ano, e até agora os níveis de anticorpos da SARS nos animais vacinados com CoV-2 parecem estar seguindo a mesma tendência.

É importante ressaltar que a vacina com microagulhas SARS-CoV-2 mantém sua potência mesmo após ser completamente esterilizada com radiação gama – um passo fundamental para a fabricação de um produto adequado para uso em humanos.

Os autores estão agora no processo de solicitação de aprovação de novos medicamentos sob investigação da Food and Drug Administration (FDA) uma espécie de ANVISA dos EUA, antecipando o início de um ensaio clínico em fase I em humanos nos próximos meses.

Cientistas anunciaram uma potencial vacina contra o coronavírus!
Dr Louis Falo, professor da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh. Crédito imagem: UPMC.

“Testes em pacientes normalmente requerem pelo menos um ano e provavelmente mais. Essa situação em particular é diferente de tudo o que já vimos, então não sabemos quanto tempo levará o processo de desenvolvimento clínico. Revisões recentemente anunciadas aos processos normais sugerem que podemos avançar mais rapidamente”, concluiu o Dr Falo.

 

____________________________

O artigo apareceu na edição do dia 02 de abril de 2020 no EBioMedicine, publicado pela The Lancet.

* “Microneedle array delivered recombinant coronavirus vaccines: Immunogenicity and rapid translational development” – 2020.

Autores do estudo: Eun Kim, Geza Erdos, Shaohua Huang, Thomas W. Kenniston, Stephen C. Balmert, Cara Donahue Carey, V. Stalin Raj, Michael W. Epperly, William B. Klimstra, Bart L. Haagmans, Emrullah Korkmaz, Louis D. Falo Jr, Andrea Gambotto – 10.1016/j.ebiom.2020.102743

Versão completa do estudo em PDF – PIIS2352-3964(20)30118-3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.