Cientistas mostram que vacina para H1N1 não tem relação com autismo

Crianças nascidas de mulheres que receberam a vacina contra influenza H1N1 de 2009-2010 durante a gravidez não tinham maior probabilidade de desenvolver autismo mais tarde na vida, descobriu um estudo populacional com base na Suécia.

Bebês expostos à vacina da “gripe suína” durante a gravidez não apresentaram risco aumentado de desenvolver transtorno do espectro do autismo (TEA) ou transtorno autista (TA) em comparação com os nascidos de mulheres não vacinadas, relatou Jonas F. Ludvigsson, MD, PhD, do Karolinska Institutet em Estocolmo e colegas.

Em uma análise das exposições do primeiro trimestre – um período em que as vacinas poderiam ter o efeito mais profundo sobre o neurodesenvolvimento fetal – ainda não havia ligação entre a imunização e o risco de autismo, escreveram os pesquisadores no Annals of Internal Medicine.

“Ambas as nossas análises principais e várias análises adicionais mostram que a vacinação contra a gripe H1N1 durante a gravidez não está ligada ao autismo na prole”, disse Ludvigsson ao MedPage Today por e-mail.

Em um editorial anexo, Anders Hviid, MSc, DrMedSci, do Statens Serum Institut e da Universidade de Copenhagen na Dinamarca, afirmou que esta pesquisa “é uma contribuição rara e bem-vinda para uma avaliação de segurança mais abrangente, que vai muito além do período perinatal”.

Embora a plausibilidade biológica de que as vacinas da gripe possam prejudicar o desenvolvimento fetal seja fraca, Hviid enfatizou a necessidade de mais estudos observacionais que examinem os efeitos da vacinação não apenas durante a gravidez e imediatamente após o nascimento, mas também no final da infância.

Isso é crucial para determinar a segurança, mas também para refutar o ceticismo em torno das vacinas que podem inviabilizar os programas de imunização.

“Uma abordagem abrangente e pró-ativa para a segurança da vacina é necessária agora mais do que nunca com a chegada iminente das vacinas COVID-19”, escreveu Hviid.

Uma vez que a ligação sugerida entre a vacina MMR e o risco de autismo foi apresentada na retração de Wakefield e outros autores, vários estudos desmascararam a proposição de que as vacinações aumentam o risco de autismo. No entanto, alguns exames das vacinas contra a gripe e H1N1 durante a gravidez foram incapazes de rejeitar completamente a hipótese, disse Ludvigsson.

Usando dados do registro nacional sueco, Ludvigsson e colegas conduziram um estudo de coorte de base populacional para examinar o risco de autismo em crianças cujas mães receberam a vacinação contra a gripe suína de 2009-2010 durante a gravidez.

O grupo de Ludvigsson coletou dados sobre nascidos vivos únicos na Suécia, quando grande parte da população foi imunizada em uma campanha de vacinação contra a pandemia de gripe suína. Eles vincularam os dados de vacinação aos registros nacionais de pacientes, incluindo participantes de sete regiões de saúde na Suécia.

Em sua análise primária, os pesquisadores compararam o risco de transtorno do espectro do autismo em crianças que foram expostas à vacina contra a gripe suína no útero com aquelas que não foram expostas. O resultado secundário foi transtorno autista.

Os pesquisadores também compararam os riscos associados à vacinação no primeiro trimestre com outros períodos de gravidez e conduziram uma análise de sensibilidade examinando a epilepsia materna, doenças neurológicas e psiquiátricas.

O grupo foi controlado por idade materna no parto, IMC, paridade, tabagismo, país de nascimento, renda disponível, região de saúde, comorbidades, sexo infantil e tempo de estudo pré-natal.

Como o estudo foi conduzido

Em uma coorte de mais de 69.000 participantes do estudo, quase 40.000 crianças foram expostas no período pré-natal à vacina H1N1. As mães de bebês expostos à vacina eram mais velhas no parto e tinham uma renda disponível mais alta e eram menos propensas a ter um IMC mais alto, ter fumado ou ter nascido fora da Suécia.

Em um acompanhamento médio de sete anos, os pesquisadores descobriram que 1,0% (394) das crianças que foram expostas no pré-natal à vacina H1N1 foram diagnosticadas com transtorno do espectro do autismo, em comparação com 1,1% (330) das crianças que não foram expostas.

Em comparação com crianças não expostas, não houve aumento do risco de TEA naqueles expostos à vacina contra a gripe suína (razão de risco ajustada de 0,95, IC de 95% 0,81-1,12).

Também não houve aumento no risco para o resultado secundário, AD, em crianças expostas à vacina no pré-natal (aHR 0,96, IC 95% 0,80-1,16). As análises de sensibilidade não alteraram as estimativas de risco.

Conclusão dos autores

Ludvigsson e colegas reconheceram que sua análise pode ser limitada pela falta de informações sobre a infecção pelo H1N1 em mulheres grávidas e pode estar sujeita a confusão adicional não medida.

O pesquisador disse ainda que entender a segurança da vacina na população grávida é fundamental, principalmente durante a pandemia de COVID-19.

“Todas as pesquisas de vacinação agora são importantes, pois aumentam nossa compreensão sobre como as vacinas irão, ou não, influenciar o desenvolvimento fetal”, afirmou Ludvigsson. “Isso é crucial em antecipação às vacinas contra o COVID-19, quando provavelmente milhares, senão milhões de mulheres grávidas serão vacinadas”.

__________________________

O estudo original foi publicado no Annals of Internal Medicine

* “Maternal Influenza A(H1N1) Immunization During Pregnancy and Risk for Autism Spectrum Disorder in Offspring” – 2020

Autores do estudo: Jonas F. Ludvigsson, Henric Winell, Sven Sandin,Sven Cnattingius, Olof Stephansson, Björn Pasternak – https://doi.org/10.7326/M20-0167

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.