Proteína muscular pode piorar os efeitos do ataque cardíaco!

Uma proteína cardíaca predominante conhecida como miosina cardíaca, que é liberada no corpo quando uma pessoa sofre um ataque cardíaco, pode causar espessamento ou coagulação do sangue – piorando os danos ao tecido cardíaco, aumentando os efeitos do ataque cardíaco.

Os efeitos do ataque cardíaco

Uma equipe liderada por John H. Griffin, professor do Departamento de Medicina Molecular da Scripps Research,  EUA, fez a descoberta inesperada após uma série de experimentos que duraram três anos e envolveu pesquisadores de várias instituições colaboradoras.

Embora a coagulação do sangue seja a causa raiz de muitos eventos cardíacos com risco de vida, incluindo ataque cardíaco e derrame, os cientistas não sabiam até agora que a miosina cardíaca estava implicada nesse processo. O trabalho principal da proteína é fornecer a ação motor-muscular que bombeia o sangue.

“O verdadeiro avanço deste estudo é que descobrimos outra importante atividade biológica da miosina cardíaca. Ninguém suspeitava que estivesse agindo como um fator procoagulante. Nossas descobertas fazem uma ponte entre pesquisas em hematologia e cardiologia, mostrando que há outro fator potencialmente muito importante que influencia os resultados de saúde de pessoas com doenças cardíacas”, diz Griffin.

A coagulação sanguínea é essencial para evitar sangramentos após uma lesão. A proteína procoagulante mais abundante no corpo humano é o colágeno, mas geralmente não é exposta ao sangue. Após danos nos vasos sanguíneos e nos tecidos, muitos fatores procoagulantes, incluindo colágenos, fazem com que o sangue se transforme de líquido em gel, formando um coágulo e reduzindo a perda de sangue.

No entanto, os procoagulantes devem atingir o equilíbrio certo entre interromper o sangramento e impedir a coagulação excessiva, como ocorre em condições como trombose venosa profunda ou quando um coágulo sanguíneo causa estocagem.

“Assim como na inflamação, um pouco de coagulação é boa, mas muita é perigosa. Embora uma pequena quantidade de miosina cardíaca possa ajudar a reduzir o sangramento no coração, um excesso de proteína pode piorar a lesão, promovendo coágulos sanguíneos que cortam o oxigênio e exacerbam os danos ao tecido cardíaco”, diz Griffin.

De fato, Griffin e seus colaboradores, incluindo Tobias Eckle, Médico da Universidade do Colorado, descobriram que o excesso de miosina cardíaca dobrou o dano cardíaco quando administrado a camundongos que sofreram ataques cardíacos controlados.

Os medicamentos

Griffin e sua equipe estão agora trabalhando com cientistas da Calibr, a divisão de descoberta e desenvolvimento de medicamentos da Scripps Research, para criar um composto terapêutico que visa a atividade procoagulante da miosina cardíaca, reduzindo os danos nos tecidos causados ​​por um ataque cardíaco.

Os medicamentos anticoagulantes já existem, variando de medicamentos vendidos sem receita, como aspirina, a medicamentos amplamente prescritos, como coumadina e varfarina. Uma nova classe de medicamentos, conhecida como anticoagulantes orais diretos (comumente chamados de NOACs), também surgiu para atender à grande necessidade de medicamentos para coagulação do sangue. Mas muitos desses medicamentos existentes podem causar sangramento excessivo ou outros efeitos colaterais, porque agem no sistema de coagulação do corpo inteiro, não apenas na coagulação do sangue no coração.

Proteína pode piorar os efeitos do ataque cardíacoGriffin prevê um medicamento anticoagulante que visa apenas a coagulação cardíaca controlada por miosina. Teoricamente, esse medicamento poderia ser administrado a pacientes no hospital imediatamente após um evento cardíaco agudo.

“As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte para homens, mulheres e pessoas da maioria dos grupos raciais e étnicos no mundo. São necessários medicamentos novos e melhores para aqueles em risco de doença, e a miosina cardíaca nos dá um caminho promissor a seguir”, diz Griffin.

 

____________________________

O estudo fo publicado na conceituada revista American Heart Association Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology.

* “Cardiac Myosin Promotes Thrombin Generation and Coagulation In Vitro and In Vivo” – 2020.

Autores do estudo: Jevgenia Zilberman-Rudenko, Hiroshi Deguchi, Meenal Shukla, Yoshimasa Oyama, Jennifer N. Orje, Zihan Guo, Tine Wyseure, Laurent O. Mosnier, Owen J.T. McCarty, Zaverio M. Ruggeri, Tobias Eckle, John H. Griffin – 10.1161/ATVBAHA.120.313990

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.