Sangue masculino é mais vulnerável ​​a infecção da COVID-19!

Evidências de um grande estudo mostra que os homens têm concentrações mais elevadas de enzima conversora de angiotensina 2 (ECA2) no sangue do que as mulheres. Como o ECA2 permite que o coronavírus infecte células saudáveis, isso pode ajudar a explicar por que os homens são mais vulneráveis ​​a infecção da COVID-19 do que as mulheres.

Um estudo sobre a infecção da COVID-19

O estudo, também descobriu que pacientes com insuficiência cardíaca que tomavam medicamentos direcionados ao sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA), como inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA2) ou bloqueadores dos receptores da angiotensina (BRA), não apresentam concentrações mais elevadas de ECA2 no sangue.

O Dr. Adriaan Voors, Professor de Cardiologia do University Medical Center Groningen (Holanda), que liderou o estudo, disse: “Nossas descobertas não apoiam a descontinuação desses medicamentos em pacientes com COVID-19, conforme sugerido por relatórios anteriores”.

Algumas pesquisas recentes sugeriram que os inibidores do SRAA podem aumentar as concentrações de ECA2 no plasma – a parte líquida do sangue – aumentando assim o risco de COVID-19 para pacientes cardiovasculares que tomam esses medicamentos. O presente estudo indica que esse não é o caso, embora tenha analisado apenas as concentrações de ECA2 no plasma, e não em tecidos como o pulmão.

Além disso, o estudo não pode fornecer evidências definitivas sobre os efeitos dos inibidores do SRAA em pacientes com COVID-19. Suas conclusões são restritas principalmente a pacientes com insuficiência cardíaca e os pacientes não tinham COVID-19; portanto, os pesquisadores não podem fornecer uma ligação direta entre o curso da doença e as concentrações plasmáticas da ECA2.

O professor Voors disse: “O ECA2 é um receptor na superfície das células. Ele se liga ao coronavírus e permite que ele entre e infecte células saudáveis ​​depois que ele é modificado por outra proteína na superfície da célula, chamada TMPRSS2. Níveis altos da ECA2 estão presentes nos pulmões e, portanto, acredita-se que desempenhe um papel crucial na progressão de distúrbios pulmonares relacionados ao COVID-19″.

O professor Voors e seus colegas já estudavam diferenças nos marcadores de doenças no sangue entre homens e mulheres antes do surto de coronavírus. Os resultados ficaram disponíveis logo após o início da pandemia.

O primeiro autor do estudo, Dr. Iziah Sama, da UMC Groningen, disse: “Quando descobrimos que um dos biomarcadores mais fortes, o ECA2, era muito maior em homens do que em mulheres, percebi que isso tinha o potencial de explicar por que os homens eram mais propensos a morrer de COVID-19 do que mulheres”.

Os pesquisadores mediram as concentrações de ECA2 em amostras de sangue colhidas em dois grupos de pacientes com insuficiência cardíaca de 11 países europeus. Havia 1485 homens e 537 mulheres no primeiro grupo, a coorte índice, que foi projetada para testar as hipóteses dos pesquisadores e questões de pesquisa. Em seguida, os pesquisadores validaram suas descobertas em um segundo grupo de 1123 homens e 575 mulheres, a coorte de validação.

A mediana (média) de idade dos participantes da coorte índice foi de 69 anos para homens e 75 anos para mulheres, e na coorte de validação foi de 74 e 76 anos, respectivamente.

Quando os pesquisadores analisaram vários fatores clínicos que poderiam desempenhar um papel nas concentrações da ECA2, incluindo o uso de inibidores da ECA, BRA e antagonistas dos receptores mineralocorticóides (MR), além de uma história de doença pulmonar obstrutiva crônica, artéria coronária. Ao passar pelo enxerto e fibrilação atrial, eles descobriram que o sexo masculino era o mais forte preditor de concentrações elevadas de ECA2. Na coorte índice, inibidores da ECA, BRAs e MRAs não foram associados a maiores concentrações plasmáticas de ECA2, e na coorte de validação, inibidores da ECA e BRAs foram associados a menores concentrações de ECA2, enquanto MRAs foram apenas fracamente associados a concentrações mais elevadas.

“Até onde sabemos, este é o primeiro estudo substancial a examinar a associação entre as concentrações plasmáticas de ECA2 e o uso de bloqueadores do sistema renina-angiotensina-aldosterona em pacientes com doença cardiovascular. Não encontramos evidências de que inibidores da ECA e BRAs estavam ligadas ao aumento das concentrações de ECA2 no plasma. De fato, eles previram concentrações mais baixas de ECA2 na coorte de validação, embora não tenhamos visto isso na coorte de índice. O efeito de MRAs nas concentrações de ECA2 não é claro, pois o fraco aumento nas concentrações na coorte de validação não foi observado na coorte de índice. Nossos resultados não sugerem que as MRAs devam ser descontinuadas em pacientes com insuficiência cardíaca que desenvolvam COVID-19. Eles são um tratamento muito eficaz para a insuficiência cardíaca e os efeitos hipotéticos sobre a infecção viral devem ser avaliados com cuidado contra seus benefícios comprovados”, disse o professor Voors.

A ECA2 é encontrada não apenas nos pulmões, mas também no coração, rins e tecidos que revestem os vasos sanguíneos, e há níveis particularmente altos nos testículos. Os pesquisadores especulam que sua regulação nos testículos pode explicar parcialmente maiores concentrações de ECA2 nos homens e por que os homens são mais vulneráveis ​​a infecção da COVID-19.

Outras limitações do estudo incluem o fato de que os pesquisadores mediram apenas as concentrações de ECA2 no plasma, e não nos tecidos, de modo que não podem ter certeza de que as concentrações no sangue sejam semelhantes às observadas nos tecidos; considera-se que a ECA2 nos tecidos pulmonares é importante para a infecção viral dos pulmões, não as concentrações de ECA2 no sangue.

Homens mais propricios a infecção de covid-19Em um editorial de acompanhamento, o professor Gavin Oudit, da Universidade de Alberta, Canadá, e o professor Marc Pfeffer, do Brigham and Women’s Hospital, Harvard Medical School, EUA, escrevem: “Quando confrontados com a pandemia da COVID-19 em rápida expansão e no na ausência de dados definitivos, os resultados obtidos em pacientes com insuficiência cardíaca no período pré-COVID-19 oferecem evidências que sustentam a continuidade dos inibidores da ECA ou BRA nos pacientes em risco de infecção por SARS-CoV-2 nos movendo tão rapidamente que agora temos dois estudos observacionais sobre o uso de inibidores da BRA / ECA em pacientes hospitalizados com COVID-19, que não apresentam risco aumentado para pacientes com COVID-19 e até sugerem um possível benefício”.

O estudo é um dos vários trabalhos de pesquisa, revisões clínicas, editoriais e documentos de discussão sobre a infecção da COVID-19 e doenças cardiovasculares.

 

_______________________________

O estudo foi publicado no European Heart Journal.

* “Circulating plasma concentrations of angiotensin-converting enzyme 2 in men and women with heart failure and effects of renin–angiotensin–aldosterone inhibitors” – 2020.

Autores do estudo: Iziah E Sama, Alice Ravera, Bernadet T Santema, Harry van Goor, Jozine M ter Maaten, John G F Cleland, Michiel Rienstra, Alex W Friedrich, Nilesh J Samani, Leong L Ng, Kenneth Dickstein, Chim C Lang, Gerasimos Filippatos, Stefan D Anker, Piotr Ponikowski, Marco Metra, Dirk J van Veldhuisen, Adriaan A Voors – 10.1093/eurheartj/ehaa373

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.