Pesquisadores: reaproveitar medicamentos existentes é uma alternativa rápida para o coronavirus!

O reaproveitamento de medicamentos existentes focados em alvos conhecidos de medicamentos provavelmente oferecerá uma alternativa rápida para o coronavirus do que desenvolver e fabricar uma vacina, argumentam uma equipe internacional de cientistas do British Journal of Pharmacology.

Uma alternativa rápida para o coronavirus

Desde o surgimento do vírus SARS-CoV-2 no final de 2019, sabe-se que mais de 3,5 milhões de pessoas foram infectadas, levando a mais de 240.000 mortes em todo o mundo por COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Começou a corrida para encontrar novos medicamentos para tratar pacientes com COVID-19 e desenvolver uma vacina para prevenir a infecção em primeiro lugar.

Uma equipe de pesquisadores que hoje representa a União Internacional de Farmacologia Básica e Clínica afirma que não haverá uma ‘bala mágica’ para tratar a doença e argumenta que é necessária uma abordagem multifacetada para encontrar novos medicamentos. Eles alertam que uma vacina eficaz e escalável provavelmente levará mais de um ano antes de ser usada para combater a pandemia global.

Quando um vírus entra em nosso corpo, a menos que já tenhamos desenvolvido imunidade contra infecções ou vacinas anteriores, ele invadirá nossas células, sequestrando suas máquinas e usando-as para replicar e se espalhar por todo o corpo. Frequentemente, os sintomas que vemos são o resultado de nosso sistema imunológico reagindo na tentativa de eliminar a infecção. Em casos graves, essa resposta imune pode se tornar hiperativa, potencialmente levando a uma chamada tempestade de citocinas, causando danos colaterais aos órgãos ao longo do termpo.

“Qualquer medicamento para tratar o COVID-19 precisará se concentrar nos três estágios principais da infecção: impedir que o vírus entre em nossas células em primeiro lugar, interromper a replicação se entrar no interior das células e reduzir os danos que ocorrem em nossos tecidos, neste caso, pulmões e coração”, disse o professor Anthony Davenport, da Universidade de Cambridge, um dos autores da revisão.

A revisão analisa possíveis alvos de medicamentos terapêuticos – as fendas na própria armadura do vírus ou pontos fracos nas defesas do corpo. Dois alvos principais parecem ser proteínas na superfície de nossas células, às quais o SARS-CoV-2 se liga, permitindo sua entrada – ACE2 e TMPRSS2.

O TMPRSS2 parece ser muito comum nas células, enquanto o ACE2 geralmente está presente em níveis baixos que aumentam dependendo do sexo, idade e histórico de tabagismo.

“Como sabemos que essas duas proteínas desempenham um papel nessa infecção por coronavírus, podemos nos concentrar em redirecionar medicamentos que já possuem aprovação regulatória ou estão nos estágios finais dos ensaios clínicos. Esses tratamentos já demonstraram ser seguros e, portanto, se agora puderem ser eficazes no COVID-19, poderão ser levados ao uso clínico relativamente rápido”, disse o professor Davenport.

Um candidato promissor é o Remdesivir, um medicamento originalmente desenvolvido para o Ebola. Embora os ensaios clínicos tenham considerado insuficientemente eficaz no tratamento do Ebola, os ensaios clínicos nos EUA sugeriram que o medicamento pode ser benéfico para o tratamento de pacientes hospitalizados com COVID-19, e o FDA (Equivalente a ANVISA no Brasil) agora o aprovou para uso emergencial. Também houve resultados promissores em estudos de anticorpos monoclonais, mas esse tipo de medicamento é caro para produzir e, portanto, menos provável de ser escalável.

“Enquanto esperamos uma vacina, os medicamentos atualmente em uso para tratar outras doenças podem ser investigados como alternativa rápida para o coronavirus – em outras palavras, reaproveitados. É improvável que exista uma única bala mágica – provavelmente precisaremos de vários medicamentos em nosso arsenal, alguns que precisarão ser usados ​​em combinação com outros. O importante é que esses medicamentos sejam baratos de produzir e fáceis de fabricar. Dessa forma, podemos garantir o acesso a medicamentos acessíveis em todo o mundo, não apenas para os países mais ricos”, disse o Dr. Steve Alexander, da Universidade de Nottingham.

Reaproveitar os medicamentos existentes

A equipe diz que precisamos agir rapidamente para identificar os medicamentos existentes que são eficazes em ensaios clínicos, para que possamos começar a tratar os pacientes o mais rápido possível, mas também porque os casos provavelmente cairão durante o verão, o que significa que haverá menos pessoas que podem ser recrutadas para ensaios clínicos antes de uma segunda onda antecipada da doença no outono.

Eles estimam que atualmente haja mais de 300 ensaios clínicos em todo o mundo, embora seja improvável que muitos desses medicamentos sejam eficazes para uso generalizado, porque ou não está claro qual parte do caminho da doença eles estão alvejando ou causam efeitos colaterais desagradáveis.

drogas existentes é uma alternativa rápida para o coronavirusEles também aconselham a paciência com a promessa de desenvolver uma vacina eficaz contra o vírus em breve. Mesmo depois que um novo candidato a vacina oferece imunidade contra o coronavírus em humanos, ele precisa ser testado em um número maior de pessoas para garantir que ele seja seguro. Fabricar e distribuir uma vacina na escala necessária para enfrentar essa pandemia também apresentará desafios significativos.

“Embora existam muitas vacinas sendo desenvolvidas em todo o mundo, que esperamos que sejam bem-sucedidas, ainda levará muito tempo até que essas vacinas se mostrem eficazes e possam ser fabricadas na escala necessária para causar impacto. Algumas das vacinas podem não funcionar, então, quanto mais medicamentos puderem ser testados e mais soubermos sobre os alvos, maior será a probabilidade de obtermos algo que seja eficaz. A própria especificidade das vacinas significa que elas são limitadas em quais vírus eles podem neutralizar. Esperamos que as lições que aprendemos e os medicamentos que geramos proporcionem um maior grau de proteção, não apenas contra o vírus COVID-19, mas também contra a próxima ameaça viral”, concluiu o Dr. Steve Alexander.

 

______________________________

A análise foi publicada na British Journal of Pharmacology.

* “A rational roadmap for SARS‐CoV‐2/COVID‐19 pharmacotherapeutic research and development. IUPHAR review “XXX” – 2020.

Autores da Análise: S.P.H. Alexander, J. Armstrong A.P. Davenport, J. Davies, E. Faccenda, S.D. Harding, F. Levi‐Schaffer, J.J. Maguire, A.J. Pawson, C. Southan, M.J. Spedding – 10.1111/bph.15094

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.