Vida saudável pode reduzir o riscos cardiovasculares em jovens

Sobreviventes de câncer que são adolescentes e adultos jovens (adolescent and young adult [AYA]) estão em maior risco de complicações cardiovasculares tardias e de longo prazo, e os provedores devem encorajar exames regulares e comportamentos modificadores de risco, disseram pesquisadores.

Essa foi a conclusão de duas revisões de literatura conduzidas por Rebecca Hoover, RN, BSN, e Deborah Mayer, PhD, RN, ambas da University of North Carolina em Chapel Hill, durante uma apresentação no encontro anual virtual da Oncology Nursing Society.

“Melhorias nos tratamentos de câncer aumentaram as taxas de sobreviventes de câncer, mas os tratamentos de câncer estão associados a efeitos tardios e de longo prazo”, disse Hoover durante sua apresentação sobre complicações cardiovasculares relacionadas ao tratamento de sobreviventes de câncer AYA. “A quimioterapia cardiotóxica e a radiação torácica aumentam o risco de complicações cardiovasculares, fatores de risco cardiovascular e doenças cardiovasculares na população exposta a eles”.

Este grupo de pacientes está particularmente em risco, considerando que eles recebem esses tratamentos mais cedo na vida e são propensos a receber vários tratamentos cardiotóxicos ao longo de suas vidas, explicou ela.

Detalhes do estudo

Para a análise, Hoover e Mayer conduziram uma revisão da literatura das complicações relacionadas ao tratamento de sobreviventes de câncer de AYA, identificando cinco estudos que preencheram os critérios de inclusão, todos eles estudos de coorte retrospectivos.

Uma associação foi evidente entre o tratamento do câncer e os efeitos cardiovasculares latentes nos sobreviventes, como segue:

  • Um estudo indicou um aumento da taxa de mortalidade padronizada (SMR) de 1,55 para sobreviventes de câncer AYA, com um SMR de 4,44 para doença cardiovascular na população de linfoma de Hodgkin sobrevivente de câncer
  • Outro estudo constatou que o risco de insuficiência cardíaca em pacientes com leucemia AYA tratados com antraciclinas em uma dose de mais de 300 mg/m2 é 12 vezes maior do que aqueles tratados com uma dose menor
  • Um terceiro estudo mostrou que pacientes com câncer AYA tinham duas vezes mais chances de desenvolver doenças cardiovasculares em comparação com pacientes sem câncer, com o maior risco entre sobreviventes de leucemia e câncer de mama
  • Um quarto estudo mostrou que os sobreviventes do câncer AYA que desenvolvem doenças cardiovasculares têm um risco oito vezes ou maior de morrer em comparação com os sobreviventes do câncer AYA sem doença cardiovascular

Além disso, os autores encontraram uma associação positiva entre o aumento da dosagem de quimioterapia cardiotóxica e/ou o aumento dos fatores de risco cardiovascular com o potencial de aumento da morbidade e mortalidade relacionadas ao cardiovascular.

“Essas descobertas destacam que os sobreviventes do câncer de AYA correm o risco de complicações cardiovasculares tardias e de longo prazo devido ao tratamento”, concluiu Hoover em sua apresentação. A vigilância contínua é necessária para fatores de risco cardiovascular e doença cardiovascular na população AYA de sobreviventes do câncer.

Uma vez que essa população também está em maior risco de efeitos de saúde de curto e longo prazo relacionados a tratamentos de câncer, os pesquisadores avaliaram como esse grupo de sobreviventes estava se saindo em aderir a comportamentos de saúde que podem ajudar a mitigar os efeitos, como físicos atividade física, parar de fumar, evitar o álcool e manter uma dieta saudável.

A segunda revisão da literatura incluiu estudos revisados ​​por pares sobre a participação de sobreviventes do câncer em comportamentos de saúde, bem como dados sobre resultados de bem-estar, facilitadores e barreiras à participação.

Nos nove estudos que atenderam aos critérios de inclusão, Hoover e Mayer descobriram que a participação em comportamentos saudáveis ​​estava associada a resultados positivos de bem-estar, como diminuição dos escores de depressão e humor, bem como melhora do humor, autoestima e qualidade de vida.

A revisão também mostrou, no entanto, que os sobreviventes do câncer AYA eram menos propensos a se envolver em comportamentos como seguir uma dieta saudável, evitar o álcool ou ser fisicamente ativos.

Em sua apresentação deste estudo, Hoover sugeriu que esses jovens sobreviventes do câncer deveriam ser educados sobre o impacto negativo que o câncer pode ter em sua vida pós-tratamento e a necessidade de se engajar em comportamentos saudáveis. Além disso, estes pacientes devem receber orientação sobre como adotar esses comportamentos saudáveis ​​e também qualquer apoio necessário para manter a adesão a esses comportamentos.

____________________________

O estudo original foi publicado no Oncology Nursing Society

* “A literature review of health behaviors in adolescent and young adult (AYA) cancer survivors: adherence and barriers” – 2021

Autores do estudo: Hoover R, Mayer D – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.