Declínio cognitivo pode ser mais rápido em idosos com hipertensão

Os escores cognitivos globais caíram mais rápido entre adultos de meia-idade e idosos que tinham hipertensão ou pré-hipertensão do que aqueles que não tinham, sugeriu um estudo longitudinal.

Em pessoas com idade inferior e superior a 55 anos, tanto a hipertensão quanto a pré-hipertensão (pressão arterial sistólica entre 121-139 mm Hg ou pressão arterial diastólica entre 81-89 mm Hg) foram associadas ao declínio do desempenho cognitivo, após ajuste para variáveis ​​de confusão, relataram Sandhi Barreto, MD, PhD, da Universidade Federal de Minas Gerais em Belo Horizonte, Brasil, e colegas, no Hypertension.

A duração da hipertensão não foi um preditor independente do desempenho cognitivo longitudinal. A hipertensão controlada parece reduzir o ritmo de declínio cognitivo, disseram os pesquisadores.

“Inicialmente, antecipamos que os efeitos negativos da hipertensão na função cognitiva seriam mais críticos quando a hipertensão começou em uma idade mais jovem, no entanto, nossos resultados mostram declínio acelerado do desempenho cognitivo semelhante se a hipertensão começou na meia-idade ou em idades mais avançadas”, disse Barreto em uma afirmação.

“Também descobrimos que o tratamento eficaz da pressão alta em qualquer idade na idade adulta pode reduzir ou prevenir essa aceleração”, acrescentou Barreto. “Coletivamente, as descobertas sugerem que a hipertensão precisa ser prevenida, diagnosticada e tratada com eficácia em adultos de qualquer idade para preservar a função cognitiva”.

A pressão arterial que “muitos de nós consideraríamos apenas limítrofe pode estar associada a problemas de memória e outras deficiências cognitivas à medida que envelhecemos”, disse Roger Blumenthal, MD, do Hospital Johns Hopkins em Baltimore, que não estava envolvido no estudo.

“Frequentemente, os médicos e pacientes olham para as pressões limítrofes e pensam que está perto o suficiente e não é um grande problema”, disse ele ao MedPage Today. “Mas esses pesquisadores foram capazes de mostrar evidências de declínio cognitivo com o passar do tempo. Algumas dessas descobertas são mais sutis, mas são significativas.”

As descobertas se encaixam nos dados da coorte MESA, que mostrou que o risco de doença cardiovascular aterosclerótica começou a subir muito abaixo do limite para hipertensão, acrescentou Blumenthal.

Características do estudo

Em sua análise, Barreto e colegas avaliaram dados de 7.063 participantes da coorte ELSA-Brasil em duas visitas, a primeira em 2008-2010 e a segunda em 2012-2014. Mais da metade (55,2%) eram mulheres e 15,3% eram negros. Na primeira visita, os participantes tinham uma idade média de 58,9 anos.

A pressão arterial foi medida em cada visita, os participantes relataram sua idade no início da hipertensão quando entraram no estudo. O desempenho cognitivo foi avaliado em ambas as visitas e foi baseado na memória, fluência verbal, testes de trilha B (que avaliaram atenção, concentração e flexibilidade mental) e pontuações cognitivas globais. O intervalo médio entre as visitas foi de 3,8 anos.

No geral, 22,0% dos participantes tinham pré-hipertensão e 46,8% tinham hipertensão. Dos hipertensos, 29,8% foram diagnosticados na meia-idade e a mediana da duração da hipertensão foi de 7 anos. Dos participantes que referiram hipertensão na primeira consulta, 7,3% não usavam medicação anti-hipertensiva, dos hipertensos tratados, 31,2% apresentavam níveis pressóricos não controlados.

A pré-hipertensão foi um preditor independente de quedas na fluência verbal e escores cognitivos globais à medida que os participantes envelheciam da primeira para a segunda visita, em comparação com a pressão arterial normal.

A hipertensão foi associada aos maiores declínios na memória, fluência e escores cognitivos globais. A hipertensão na meia-idade (abaixo dos 55 anos) foi associada a uma queda nos escores dos testes de memória.

A hipertensão em idosos foi associada a declínios na memória e nos escores cognitivos globais. Participantes hipertensos com pressão arterial não controlada tiveram declínios mais acentuados na memória e escores cognitivos globais do que pessoas com hipertensão controlada.

Embora os dados não suportem uma ligação adversa entre a duração da hipertensão e o desempenho cognitivo, “outros estudos com acompanhamento de longo prazo podem muito bem identificar a duração como um contribuinte”, observou Blumenthal. “Portanto, embora eles não tenham encontrado em seu estudo de 7.000 participantes, é lógico que quanto mais tempo você tiver hipertensão leve, maior será o impacto que provavelmente terá.”

O desempenho cognitivo foi comparado em apenas duas visitas: esta foi uma limitação do estudo, Barreto e colegas reconheceram. A população do estudo também era relativamente jovem, tinha alto nível de escolaridade e era acompanhada por um período relativamente curto.

______________________________

O estudo original foi publicado no Hypertension

* “Hypertension, Prehypertension, and Hypertension Control: Association With Decline in Cognitive Performance in the ELSA-Brasil Cohort” – 2020

Autores do estudo: Sara Teles de Menezes, Luana Giatti, Luisa Campos Caldeira Brant, Rosane Harter Griep, Maria Inês Schmidt, Bruce Bartholow Duncan, Claudia Kimie Suemoto, Antonio Luiz Pinho Ribeiro, Sandhi Maria Barreto – doi/suppl/10.1161/HYPERTENSIONAHA.120.16080.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.