A disfunção diastólica é mais perigosa do que se pensava!

A morte súbita cardíaca é uma causa comum de morte em pacientes com função de ejeção sistólica reduzida. Como parte de um estudo observacional de longo prazo, os pesquisadores da Divisão de Cardiologia da MedUni Vienna, Austria, agora demonstraram a importância da função de enchimento diastólico: quanto menos o coração se enche quando há disfunção diastólica, maior a probabilidade de os pacientes morrerem repentinamente de doenças cardíacas. arritmia.

Disfunção diastólica

Pessoas com doença miocárdica isquêmica (estreitamento das artérias coronárias) ou não isquêmica têm um risco inerentemente maior de arritmia cardíaca. Onde a função de ejeção do coração é significativamente reduzida (insuficiência cardíaca sistólica), a prática atual é considerar também um desfibrilador implantável (CDI). O CDI emite um pulso elétrico quando há arritmia ventricular rápida e / ou fibrilação ventricular, até que um ritmo cardíaco normal seja retomado.

No entanto, todo segundo paciente com insuficiência cardíaca sofre da forma diastólica (função de enchimento reduzida) da insuficiência cardíaca: o ventrículo esquerdo enrijecido não pode se expandir suficientemente e é preenchido contra alta resistência. Isso significa que menos sangue pode fluir para o ventrículo esquerdo, mas tudo é bombeado para o sistema circulatório. É até possível que a função de ejeção sistólica (também chamada fração de ejeção) seja mantida. Mulheres e mais idosos são mais propensos a sofrer desta forma de insuficiência cardíaca.

“Até agora, distinguimos entre essas duas formas quando se trata de avaliar o risco de morte cardíaca súbita, pacientes com insuficiência cardíaca não sistólica são avaliados como tendo um risco menor de morte cardíaca súbita e, portanto, raramente recebem um CDI preventivo primário”, diz o investigador principal Thomas Pezawas, da Divisão de Cardiologia da MedUni Vienna.

Disfunção diastólica também é perigosa

Para os propósitos do estudo, 210 pacientes em risco que não apresentavam arritmia cardíaca anteriormente, ou apenas apresentavam uma forma leve, foram investigados por um período de até 10 anos. “O número de casos potencialmente fatais é muito maior do que o esperado e a correlação com o nível de disfunção diastólica é impressionante. Infelizmente, a morte cardíaca súbita também afeta pacientes com apenas insuficiência cardíaca leve”, diz Pezawas.

A disfunção diastólica é perigosa mais do que se pensavaEsses resultados também serão importantes para outros centros, uma vez que os dados disponíveis neste campo eram anteriormente muito escassos, afirma o especialista da MedUni Vienna. O objetivo é alcançar um excelente nível de proteção contra morte súbita cardíaca e rastrear os pacientes certos. A recomendação feita pelos autores do estudo de incluir a função diastólica na avaliação de risco pode trazer uma mudança de paradigma no tratamento.

 

____________________________

Os achados foram publicados na revista Circulation.

* “Importance of Diastolic Function for the Prediction of Arrhythmic Death” – 2020.

Autores do estudo: Thomas Pezawas, Achim Leo Burger, Thomas Binder, André Diedrich – 10.1161/CIRCEP.119.007757

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.