Esponja marinha interrompe o crescimento de células cancerígenas!

De acordo com um estudo apresentado por pesquisadores da Universidade Médica da Carolina do Sul (MUSC), EUA, uma esponja encontrada na Baía de Manado, na Indonésia, produz uma molécula chamada Manzamina A, que interrompe o crescimento de células cancerígenas do colo do útero.

O crescimento de células cancerígenas

A American Cancer Society estima que haverá 13.800 novos diagnósticos de câncer do colo do útero e 4.290 mortes em 2020. Embora os testes de Papanicolaou e a vacinação contra o HPV tenham diminuído o número de mortes por câncer do colo do útero, este continua sendo o quarto câncer mais comum em mulheres.

O estudo MUSC-UofSC examinou os efeitos anti-crescimento e de morte de células cancerígenas da Manzamina A em quatro linhas celulares de câncer cervical diferentes. A Manzamina A interrompeu o crescimento das células cancerígenas do colo do útero e causou a morte de algumas células, mas não teve os mesmos efeitos nas células normais não cancerosas.

“Esta é uma nova aplicação altamente empolgante para uma molécula que anteriormente mostrou um potencial significativo para o controle da malária e tem boas propriedades semelhantes às drogas. Os produtos naturais levaram ao desenvolvimento da maioria de nossas terapias com antibióticos e anticâncer e muitos controles para a dor”, disse o Dr Mark T. Hamann, professor do Departamento de Descoberta de Drogas e Ciências Biomédicas da MUSC.

Em trabalhos anteriores, o grupo do Dr Hamann identificou compostos derivados de esponja eficazes contra o melanoma, bem como câncer de próstata e pancreático. A Manzamina A também é eficaz contra o parasita responsável pela malária, levando a uma dose única de cura em roedores. Alguns análogos dessa classe única de drogas são candidatos ao controle do COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

No presente relatório, a Manzamina A reduziu os níveis de expressão de uma proteína conhecida por ser altamente expressa em vários cânceres, incluindo o câncer do colo do útero, e por contribuir para os piores resultados dos pacientes.

A modelagem computacional mostrou que a Manzamina A compartilha estruturas semelhantes com inibidores conhecidos da proteína, mas a Manzamina A é 10 vezes mais potente no bloqueio das proteínas problemáticas.

“Os próximos passos são estabelecer sua relevância clínica. O objetivo agora é garantir que ela funcione em animais e tentar avançar em aplicações clínicas e desenvolvimento”, disse o Dr Hamann.

Embora essas moléculas possam ser sintetizadas em laboratório, o Dr Hamann não acha que esse seja o melhor processo.

“A maioria dos materiais de partida para a síntese em laboratório é derivada do petróleo. Por outro lado, esponjas em seu habitat natural podem ser cultivadas com sucesso e, diferentemente de outras formas de aquicultura, limpam o meio ambiente”, diz o Dr Hamann.

Esponja marinha para o crescimento de células cancerígenasPortanto, a produção dessas moléculas a partir de esponjas que crescem no meio ambiente provavelmente seria a melhor fonte e, ao mesmo tempo, proporcionaria oportunidades de desenvolvimento econômico na Indonésia rural.

No entanto, o potencial de encontrar novos usos terapêuticos como este para produtos naturais depende da diversidade de espécies, segundo o Dr Hamann.

“A preservação da diversidade de espécies é extremamente importante, assim como a diversidade de produtos químicos que elas produzem e as oportunidades de tratamento do câncer que elas oferecem. Se 50 anos de mudança climática permanecerem sem controle, as projeções são de que podemos perder um terço da diversidade global de espécies. Então, isso proporcionará oportunidades como essa”, concluiu o Dr Hamann.

 

________________________

O estudo completo foi publicado no períodico científico Journal of Natural Products.

* “The Marine Natural Product Manzamine A Inhibits Cervical Cancer by Targeting the SIX1 Protein” – 2020.

Autores do estudo: Dev Karan, Seema Dubey, Lucia Pirisi, Alexis Nagel, Ivett Pina, Yeun-Mun Choo, Mark T Hamann – 10.1021/acs.jnatprod.9b00577

 

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.