COVID-19: Usuários de IBP podem ter risco aumentado de testar positivo

Tomar inibidores da bomba de prótons (IBP) diariamente foi associado a chances aumentadas de teste positivo para COVID-19, relatou uma pesquisa online baseada na população encontrada.

Em comparação com os não usuários, aqueles que tomavam IBP uma vez por dia tinham um odds ratio (OR) para positividade de 2,15 e em usuários duas vezes ao dia o OR subia para 3,67, relataram Christopher V. Almario, MD, MSHPM, do Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles, e colegas.

Relação do IBP com o COVID-19

O uso de antagonistas dos receptores da histamina-2, no entanto, não elevaram o risco, relatou a equipe em um manuscrito publicado pelo American Journal of Gastroenterology.

“Desenvolvemos essa hipótese no início da pandemia de COVID-19, quando começamos a ver uma alta incidência de sintomas gastrointestinais e descobrimos que o vírus se transforma em saliva, portanto, pode ser engolido pelo estômago”, explicou Almario. “Testamos a hipótese em um estudo rigoroso com mais de 50.000 americanos e descobrimos que ela é válida, embora ainda seja um estudo observacional”.

Se causal, o risco provavelmente está relacionado à hipocloridria induzida por PPI, especulou a equipe, destacando que os supressores de ácido estomacal também foram associados a um risco aumentado de gastroenterite viral durante surtos sazonais.

Almario e co-autores observaram que pesquisas anteriores indicaram que um pH intragástrico inferior a 3 inativa a infectividade do vírus irmão do COVID-19, o SARS-CoV-1, enquanto o vírus sobrevive em um pH mais neutro, como o induzido pelos IBP.

O SARS-CoV-2, o vírus COVID-19, usa os abundantes receptores da enzima conversora de angiotensina 2 do GI para se replicar rapidamente dentro dos enterócitos. Aumentos no pH do estômago de mais de 3 dos PPIs podem permitir que o vírus chegue ao trato GI facilmente, levando a enterite, colite e disseminação sistêmica para outros órgãos, incluindo os pulmões.

Detalhes do Estudo

A pesquisa, realizada de 3 de maio a 24 de junho de 2020, foi enviada por e-mail a um total de 264.058 adultos nos EUA, sendo informados que o questionário era uma “pesquisa nacional de saúde”.

Dos 86.602 entrevistados elegíveis que responderam à pesquisa, 53.130 (61,3%) relataram ter refluxo ácido e sintomas semelhantes, eles foram questionados sobre o uso de medicamentos anti-secretores. Nesse grupo, as idades variaram de 18 a 60 anos; 51% eram mulheres e 64,8% eram brancos não hispânicos. Entre eles, 3.386 (6,4%) relataram que testaram positivo para COVID-19, destes, 71,9% relataram uso diário ou menos de IBP, com 5,8% relatando uso duas vezes ao dia.

“Existe uma plausibilidade biológica para nossas descobertas, uma vez que o SARS-CoV-1 semelhante é sensível ao pH e permanece infeccioso em um pH>3”, explicaram os pesquisadores. “O uso duas vezes ao dia do PPI pode levar a um pH intragástrico mediano de 24 horas >6 e sustentar o pH>4 por mais de 20 horas (20-22).”

Em relação à descoberta de um risco dependente da dose, a equipe apontou para uma meta-análise de 2017 que mostrou que o uso duas vezes ao dia de IBPs não oferecia benefícios clinicamente significativos em relação à dosagem uma vez ao dia para a doença do refluxo gastroesofágico. “Nossas descobertas enfatizam ainda que os IBPs devem ser usados ​​apenas quando clinicamente indicados com a menor dose efetiva”, disseram Almario e co-autores.

Eles pediram mais estudos para esclarecer a associação entre IBPs e COVID-19 e seu possível potencial para aumentar o risco de doenças mais graves.

Questionado sobre sua perspectiva, Brooks Cash, MD, diretor da divisão de gastroenterologia, hepatologia e nutrição do  University of Texas Health Science Center at Houston, que não estava envolvido no estudo, disse: “Embora esses dados sejam intrigantes e provocativos, fazer alterações generalizadas no uso de IBPs ou outros medicamentos supressores de ácidos não é suportada por este relatório”.

Ele disse que os IBPs fornecem benefícios significativos quando usados ​​adequadamente e, embora os índices de chances relativamente modestos relatados no estudo sejam sugestivos de uma possível associação com o COVID-19, eles não devem ser interpretados como equivalentes a uma relação de causa e efeito.

“Portanto, eu não aprovaria a mudança de terapia para pacientes que estão se beneficiando de medicamentos supressores de ácido para condições apropriadas”, disse Cash ao MedPage Today. “De fato, existem agora vários relatórios sugerindo que alguns medicamentos supressores de ácido, como a famotidina, um antagonista do receptor de histamina-2, podem realmente ter um efeito benéfico em pacientes infectados com SARS-CoV-2”.

Uma vez que o ácido gástrico é importante para prevenir a infecção por muitos patógenos, “uma das possíveis preocupações com o amplo uso de medicamentos supressores de ácido e os IBPs em particular, é que seus efeitos no ácido gástrico podem predispor alguns indivíduos a infecções que ganham acesso ao corpo pelo trato gastrointestinal. O trato GI tem sido implicado como uma fonte potencial de entrada para a SARS- CoV-2”.

Conclusão dos autores

As limitações do estudo incluíram sua natureza observacional e suscetibilidade ao viés residual de confusão e seleção, uma vez que os pacientes gravemente doentes com COVID-19 provavelmente não teriam participado da pesquisa.

O estudo também foi sujeito a viés protopático (também chamado causalidade reversa), pois alguns entrevistados podem realmente ter iniciado um IBP em resposta a certos sintomas do COVID-19, como náusea e dor abdominal, ou para facilitar os efeitos de tratamentos relacionados, como anti-esteroides não esteroides.

Além disso, havia riscos em potencial de classificação incorreta, porque os dados dos medicamentos e dos testes de COVID-19 foram auto-relatados. Como a pesquisa foi administrada online, apenas em inglês e não avaliou a capacidade de leitura, os resultados podem não ser aplicáveis ​​a pessoas que não falam inglês ou àquelas com alfabetização limitada ou sem acesso à Internet.

_________________________

O estudo original foi publicado no American Journal of Gastroenterology

* “Increased Risk of COVID-19 Among Users of Proton Pump Inhibitors” – 2020

Autores do estudo: Christopher V. Almario, William D. Chey, Brennan M. R. Spiegel – Publicação

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.