Descoberta alta taxa de coágulos sanguíneos na COVID-19!

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Brighton and Sussex Medical School (BSMS), Reino Unido, existe uma alta taxa de coágulos sanguíneos na COVID-19.

Uma alta taxa de coágulos sanguíneos na COVID-19

Em uma série de 274 casos consecutivos de COVID-19 internados no hospital, uma porcentagem significativa (7,7%) foi diagnosticada com tromboembolismo venoso. O tipo mais comum de tromboembolismo venoso, observado em 76,2% desses casos, foi embolia pulmonar, um coágulo de sangue nos pulmões. A equipe de pesquisa descobriu que o exame de sangue com dímero D era útil para identificar os pacientes com maior risco de tromboembolismo venoso quando internados no hospital.

“Identificar quais pacientes têm risco e evidência clínica de um tromboembolismo venoso na COVID-19 é altamente importante por duas razões. Primeiro, porque o tromboembolismo venoso está associado a um risco de morte e, em segundo lugar, porque é tratável com medicamentos anticoagulantes”, disse o principal autor do estudo o Dr. Chi Eziefula, professor sênior de infecção no BSMS.

O Dr. Tim Chevassut, Leitor de Hematologia do BSMS, disse: “Este estudo sinaliza a importância de mais pesquisas para explorar os mecanismos patológicos específicos da COVID-19. Também destaca a necessidade urgente de ensaios clínicos para avaliar o papel do tratamento anticoagulante para a prevenção de mortes e morbidade por infecção por COVID-19”.

Antecedentes

Está surgindo na literatura uma possível associação entre infecção por COVID-19 e trombose, como consequência direta do vírus ou como complicação da inflamação. Os dados sobre a incidência de tromboembolismo venoso (TEV) são extremamente limitados.

Métodos

Descrevemos três casos de tromboembolismo refratário ao tratamento com heparina, a incidência de TEV em uma coorte de pacientes internados e um estudo de caso-controle para identificar fatores de risco associados ao TEV.

Alta taxa de coágulos sanguíneos na COVID-19Resultados

Identificamos 274 pacientes confirmados (208) ou prováveis ​​(66) com COVID-19. 21 (7,7%) foram diagnosticados com TEV. O dímero D foi elevado nos dois casos (TEV confirmado) e nos controles (TEV não confirmado), mas foram observados níveis mais altos nos casos de TEV confirmado (4,1 vs 1,2 μg / mL, P <0,001).

Conclusão

A incidência de TEV é alta em pacientes hospitalizados com COVID-19. Ensaios clínicos urgentes são necessários para avaliar o papel da anticoagulação na COVID-19. O monitoramento dos níveis de dímero D e anti-fator Xa pode ser benéfico para orientar o gerenciamento.

 

_______________________________

O artigo completo foi publicado no Clinical Medicine Journal.

* “Thrombotic risk in COVID-19: a case series and case–control study” – 2020.

Autores do estudo: Simon M Stoneham, Kate M Milne, Elisabeth Nuttal, Georgina H Frew, Beattie R Sturrock, Helena Sivaloganathan, Eleni E Ladikou, Stephen Drage, Barbara Phillips, Timothy JT Chevassut e Alice C Eziefula – 10.7861/clinmed.2020-0228

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.