Estudo confirma informações para combater o câncer de ovário!

O mecanismo celular desonesto que aciona a maioria dos cânceres de ovário permanece frustrantemente difícil de desativar. Um novo estudo comparando tecido canceroso com amostras normais de trompas de falópio avança com informações importantes sobre esse mecanismo e confirma as características biológicas da sobrevivência para combater o câncer de ovário.

O carcinoma seroso de alto grau é o tipo mais comum de câncer de ovário e possui a menor taxa de sobrevivência. Para entender melhor a doença e sua progressão, pesquisadores do Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico do Departamento de Energia dos EUA e seus colaboradores examinaram o proteoma – milhares de proteínas – em amostras de tecido de 83 pacientes em todo o mundo. Seus resultados, podem ajudar a identificar tratamentos mais direcionados.

Caça aos interruptores ‘Off’ do câncer de ovário

Combater o câncer de ovário envolve impedir que suas células anormais se repliquem e se espalhem. No caso do câncer de ovário – a quinta principal causa de morte por câncer em mulheres – os cientistas estão procurando as opções “desligadas” certas para atingir o alvo.

“As células são máquinas muito complexas. Existem várias maneiras de quebrar a maquinaria e acabar com o câncer. Se você não sabe o que está quebrado, não pode consertar”, disse Karin Rodland, uma cientista da PNNL e a autora correspondente do estudo.

Uma técnica de criação de perfil relativamente nova chamada proteogenômica fornece pistas. Desenvolvida nas últimas duas décadas, a proteogenômica examina não apenas a genética das células, mas também como elas se comunicam e funcionam através de milhares de proteínas. Embora os métodos de pesquisa anteriores tenham focado em como as mutações genéticas são expressas por meio do ácido ribonucleico, ou RNA, a análise proteômica revela ainda mais detalhes sobre o que acontece entre as células cancerígenas.

Agora, os cientistas estão trabalhando para entender esse universo de proteínas como parte do Consórcio de Análise de Tumores Proteômicos do National Cancer Institute. Como parte desse esforço, uma análise proteogenômica de referência de amostras de tumor arquivadas em 2016 identificou processos celulares específicos associados ao carcinoma seroso de alto grau ovariano.

O novo estudo confirma esses achados e oferece uma imagem ainda mais nítida, comparando tecido canceroso a amostras normais de trompas de falópio, apoiando a noção de que o câncer de ovário começa não na superfície do ovário, como se pensava anteriormente, mas no final da trompa de Falópio.

O estudo também ofereceu dados mais robustos, porque as amostras de tecido foram coletadas usando protocolos cirúrgicos rigorosos que eliminavam a resposta ao estresse do corpo à cirurgia como um potencial fator complicador.

“Para nosso conhecimento, esta é a primeira comparação realmente profunda em nível de proteína do tecido das trompas de falópio e do câncer de ovário. Ser capaz de replicar a descoberta de 2016 em uma segunda coorte de mulheres que eram racial e étnicamente diversas prova a força da observação inicial”, disse Rodland.

Acrescentou Tao Liu, cientista do PNNL e co-autor do estudo: “Esta coorte cuidadosamente obtida de amostras de tecido e a análise abrangente e simultânea de proteínas e proteínas fosforiladas nos permitem recapitular com precisão as atividades celulares, como resposta ao estresse e replicação no câncer e tecidos normais relevantes”.

A maquinaria quebrada por trás do câncer de ovário

Os pesquisadores vincularam dois processos especificamente ao carcinoma seroso de alto grau, que às vezes é chamado “a doença dos cromossomos quebrados”. O primeiro envolve a resposta ao estresse resultante da produção descontrolada de células tumorais. Esse efeito, conhecido como estresse de replicação induzido pela proliferação, cria instabilidade no genoma do tumor.

O segundo processo é a deficiência de reparo homólogo, uma incapacidade de reparar células danificadas. Os dois processos combinados são os que criam os padrões de crescimento obstinado e descontrolado do câncer de ovário.

“Não é apenas que as células tumorais estejam presas na posição ‘ligada’ para o crescimento. No câncer de ovário, também há um histórico de reparo deficiente do DNA. Portanto, sempre que a célula se replica, você introduz mutações e cromossomos quebrados”, disse Rodland.

Combater o câncer de ovário

O estudo, apoiado pelo CPTAC e pelos Institutos Nacionais de Saúde, também confirmou achados anteriores que associavam uma abundância de certas proteínas a maiores taxas de sobrevivência.

Estudo confirma mais informações para combater o câncer de ovárioA identificação de proteínas associadas aos processos que conduzem ao câncer de ovário e ao aumento das chances de sobrevivência abre possíveis estratégias de tratamento que visam vias específicas de proliferação, incluindo o uso de medicamentos atualmente no mercado.

“Os médicos poderiam usar esses dados para estratificar as opções de tratamento. Também podemos estudar as mulheres que têm tempos de sobrevivência mais curtos e, talvez, criar uma terapia alternativa que funcione melhor para combater o câncer de ovário”, concluiu Rodland.

 

_____________________________

O estudo completo foi publicado na revista Cell Reports Medicine.

* “Proteogenomic Characterization of Ovarian HGSC Implicates Mitotic Kinases, Replication Stress in Observed Chromosomal Instability” – 2020.

Autores do estudo: Jason E.McDermott1, Osama A.Arshad, Vladislav A. Petyuk, Yi Fu, Marina A.Gritsenko, Therese R. Clauss, Ronald J. Moore, Athena A. Schepmoes, Rui Zhao, Matthew E. Monroe, Michael Schnaubelt, Chia-Feng Tsai, Samuel H. Payne, Chen Huang, Liang-Bo Wang, Steven Foltz, Matthew Wyczalkowski, Yige Wu, Ehwang Song, Molly A. Brewer, Mathangi Thiagarajan, Christopher R. Kinsinger, Ana I. Robles, Emily S. Boja, Henry Rodriguez, Daniel W. Chan, Bing Zhang, Zhen Zhang, Li Ding, Richard D. Smith, Tao Liu, Karin D. Rodland – 10.1016/j.xcrm.2020.100004

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.