Estudo de anticorpos traz respostas sobre imunidade para COVID-19!

Novas pesquisas da Universidade Emory, em Atlanta, EUA, indicam que quase todas as pessoas hospitalizadas com SARS-CoV-2 desenvolvem anticorpos neutralizantes de vírus dentro de seis dias após o teste positivo. As descobertas serão fundamentais para ajudar os pesquisadores a entender a imunidade para Covid-19 e para informar o desenvolvimento da vacina.

Imunidade para Covid-19

O teste que os pesquisadores da Emory desenvolveram também pode ajudar a determinar se o plasma convalescente dos sobreviventes do Covid-19 pode fornecer imunidade a outros e qual o plasma dos doadores que deve ser usado.

O teste de anticorpos desenvolvido por Emory e validado com amostras de pacientes diagnosticados demonstrou que nem todos os testes de anticorpos são criados iguais – e que os anticorpos neutralizantes, que fornecem imunidade, têm características específicas. O estudo de Emory concentrou-se nos anticorpos neutralizantes, que podem impedir o vírus de infectar outras células.

No estudo, os pesquisadores analisaram anticorpos contra o domínio de ligação ao receptor (RBD), parte da proteína spike na parte externa do vírus. O RBD é o que agarra as células humanas e permite que o vírus as introduza. Os pesquisadores se concentraram nos anticorpos contra o RBD, porque a sequência do RBD no SARS-CoV-2 o diferencia de outros coronavírus que causam o resfriado comum.

As 44 amostras iniciais de sangue de pacientes usadas neste estudo foram de pacientes tratados com Covis-19 no Emory University Hospital e no Emory University Hospital Midtown.

“Essas descobertas têm implicações importantes para o nosso entendimento da imunidade protetora contra a SARS-CoV-2, o uso do plasma imune como terapia e o desenvolvimento de vacinas muito necessárias”, diz Mehul S. Suthar, autor principal do estudo e professor assistente de pediatria na Faculdade de Medicina da Universidade de Emory e no Centro de Vacinas Emory. Este estudo serve como o passo inicial em um esforço sorológico muito maior.

“Poucas equipes de pesquisa fizeram isso – analisando as respostas de anticorpos neutralizantes de pessoas que estão atualmente no hospital. Este estudo fornece um instantâneo da resposta imune enquanto ela está acontecendo, não depois que a batalha termina”, diz Suthar, virologista e imunologista especializado no estudo da imunidade a infecções virais emergentes.

O co-autor do estudo, Jens Wrammert, professor assistente de pediatria da Emory School of Medicine, diz que as informações sobre anticorpos específicos para RBD ajudam a informar o desenvolvimento da vacina, uma vez que os cientistas podem testar o sangue dos participantes do estudo, anticorpos específicos, como um indicador da eficácia prevista. Também ajuda a determinar os melhores usos potenciais do plasma convalescente do sangue de pessoas doentes com COVID-19.

O uso dos dados faz a diferença

Wrammert diz que os pesquisadores agora usariam esses dados para ver como eles se correlacionam com o plasma de pacientes convalescentes com COVID-19. “O fato de estarmos vendo uma boa neutralização de vírus tão cedo durante a infecção significa que podemos usar a ligação ao RBD como uma maneira de rastrear possíveis doadores de plasma”, diz ele.

Além disso, os pesquisadores da Emory conseguiram transferir rapidamente a ciência para o espaço clínico e validar o teste de anticorpos para uso clínico de alto rendimento com 231 amostras de pacientes adicionais dos dois hospitais. Liderada por John Roback, vice-presidente executivo de operações clínicas do Departamento de Patologia e Medicina Laboratorial e diretor médico da Emory Medical Laboratories, uma equipe multidisciplinar desenvolveu um teste altamente sensível e preciso, que normalmente seria necessário seis a nove meses, em questão de semanas.

A Marcus Foundation forneceu uma contribuição revolucionária para o desenvolvimento do teste de alto rendimento e foi um fator chave na rapidez com que os laboratórios foram capazes de processar amostras.

Estudo de anticorpos traz respostas sobre imunidade para COVID-19“Falamos muito sobre essa situação ideal em que você passa do laboratório para o atendimento clínico real. Este é o melhor exemplo disso na minha carreira. O desenvolvimento desse processamento de alto rendimento tem sido uma tremenda colaboração e um esforço monumental envolvendo dezenas de clínicos, cientistas e pesquisadores da Emory”, diz Roback.

“A rápida implantação pelo Emory Medical Laboratories de um teste validado e altamente sensível desenvolvido em nosso laboratório foi realmente surpreendente. Isso representa um tremendo esforço conjunto entre vários médicos e cientistas da Emory”, diz Wrammert.

“O que eu acho mais emocionante nessas descobertas sobre a imunidade para COVID-19 é em termos de não apenas prevenir a infecção, mas também tratar a infecção. A Emory montou um arsenal muito bom de testes que podem ser implantados no laboratório clínico”, concluiu Roback.

 

______________________________

As descobertas estão agora disponíveis no MedRxiv, o servidor de pré-impressão para ciências da saúde, e ainda não foram revisadas por pares.

* “Rapid generation of neutralizing antibody responses in COVID-19 patients” – 2020.

Autores do estudo: Mehul S Suthar, Matthew Zimmerman, Robert Kauffman, Grace Mantus, Susanne Linderman, Abigail Vanderheiden, Lindsay Nyhoff, Carl Davis, Seyi Adekunle, Maurizio Affer, Melanie Sherman, Stacian Reynolds, Hans Verkerke, David N Alter, Jeannette Guarner, Janetta Bryksin, Michael Horwath, Connie Arthur, Natia Saakadze, Geoffrey Hughes Smith, Srilatha Edupuganti, Erin M Scherer, Kieffer Hellmeister, Andrew Cheng, Juliet A Morales, Andrew S Neish, Sean R Stowell, Filipp Frank, Eric Ortlund, Evan Anderson, Vineet Menachery, Nadine Rouphael, Aneesh Metha, David S Stephens, Rafi Ahmed, John Roback, Jens Wrammert – 10.1101/2020.05.03.20084442

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.