Anticorpos contra açúcares: uma poderosa arma contra o câncer cervical!

O revestimento de açúcar nas células cancerígenas as ajuda a crescer e um novo estudo indica que pacientes com câncer cervical que possuem anticorpos contra esses açúcares tiveram bons resultados, uma espécie de radioterapia interna.

O câncer cervical

Os cientistas examinaram o sangue de 578 mulheres peruanas com doença nos estágios 2 e 3 antes de iniciarem o tratamento e descobriram que as que se saíram melhor tinham níveis naturalmente mais altos de anticorpos que têm como alvo 6 classes de açúcares ou glicanos associadas ao câncer do colo do útero. O tratamento daqueles que se saíram melhor incluiu uma forma de radiação interna chamada braquiterapia, conhecida por acelerar ainda mais a sua resposta imune.

“Todas as nossas células são revestidas de açúcar e as células cancerígenas, que usam glicanos para uma variedade de funções fundamentais como a proliferação celular, a disseminação de doenças e proteção imunológica. O fato de esses anticorpos poderem neutralizar os glicanos nas células cancerígenas para que não possam ser usados ​​pode ser a principal razão pela qual eles são benéficos para os pacientes com câncer”, diz o Dr. Jin-Xiong She, diretor do Centro de Biotecnologia e Medicina Genômica da Faculdade de Medicina da Geórgia, grande centro de estudos da Universidade de Augusta, EUA.

“É provável que altos níveis de anticorpos também indiquem um nível geralmente alto de competência imunológica, para que os pacientes possam combater melhor o câncer. É um marcador indireto da imunidade antitumoral”, afirma a Dra. Sharad Purohit, bioquímica Universidade de Augusta e uma das autoras da pesquisa.

O exame de Papanicolaou, que busca alterações cervicais pré-cancerígenas, resultou em grande parte na diminuição significativa do número de casos de câncer de colo uterino e mortes relacionadas nos EUA nos últimos 40 anos, de acordo com o Centers for Disease Control and Prevention.

Mas em países menos desenvolvidos como o Peru, onde a triagem, vacinas de prevenção e tratamento estão menos disponíveis, cerca de metade das mulheres tem pelo menos estágio 2 de câncer no diagnóstico, o que provavelmente exige uma combinação de cirurgia, radiação externa e interna e quimioterapia. Ainda menos da metade dos pacientes tem acesso a essas terapias, escrevem os cientistas.

O acesso limitado à terapia e o estágio mais avançado em que a doença geralmente é encontrada aumentam a necessidade de identificar tratamentos e biomarcadores ideais que podem ajudar a determinar o que são, dizem os cientistas. Eles acham que os níveis de anticorpos anti-glicanos podem fornecer essa resposta.

“Como todas as células, as células cancerígenas produzem glicanos complexos em sua superfície, mas esses açúcares modificam drasticamente a função das proteínas produzidas pela célula, para que atendam às exigências do câncer. Os anticorpos se ligam a esses glicanos, para que não estejam disponíveis para promover o tumor. A ligação atrai outras células imunológicas também. As proteínas do complemento se reúnem e atacam a célula, abrindo-a. A menos que você não produza os anticorpos”, diz a Dra Purohit.

“Como o coronavírus, quando algumas pessoas são infectadas, elas produzem anticorpos para neutralizar o vírus. Outras pessoas não fazem isso ou não fazem muito bem e podem ficar muito doentes e morrer. Aqui, é provavelmente um mecanismo muito semelhante, de modo que as células cancerígenas estão produzindo esses glicanos e os glicanos acionam a resposta de anticorpos e os anticorpos ajudam a neutralizar as células cancerígenas em alguns pacientes. No final, é um saldo de quem ganha”, acrescenta a Dra Purohit.

Embora a aparente sinergia dos anticorpos com a braquiterapia não seja totalmente clara, ela suspeita que a terapia promova ainda mais a produção de anticorpos – não necessariamente a produção de anticorpos anti-glicanos – e / ou a competência geral do sistema imunológico. A braquiterapia demonstrou aumentar a atividade das células T, outro fator determinante da resposta imune.

Os anticorpos

“Os pacientes que naturalmente produzem títulos mais altos de anticorpos têm um sistema imunológico mais competente e a braquiterapia entra e ativa ainda mais a resposta imune. Ele ainda suspeita que menos radiação externa direta não faça isso, ou pelo menos não tão bem”, diz ela.

Dependendo do tipo e dose, a radiação pode ser um bom parceiro para aumentar ou suprimir a imunidade, eles observam. A braquiterapia, na qual o material radioativo na forma de sementes, fitas ou cápsulas, é colocado próximo ou dentro de um tumor, é usado em uma variedade de cânceres em conjunto com e independente da radiação externa do feixe, e geralmente é considerado como tendo menos efeitos colaterais do que radiação externa. A maioria dos pacientes estudados recebeu radiação interna e externa.

“A braquiterapia é um bom tratamento, mas funciona melhor em pacientes que possuem anticorpos”, diz ela. Os objetivos de longo prazo da equipe incluem ajudar todos os pacientes a montar essa resposta imunológica natural da linha de frente ao câncer cervical e outros.

Os cientistas analisaram os níveis sanguíneos de anticorpos anti-glicanos em 276 pacientes com estágio 2 e 292 pacientes com câncer cervical em estágio 3 tratados no Instituto Nacional de Enfermedades Neoplasiacas em Lima, no Peru.

Eles examinaram 177 glicanos e, finalmente, encontraram 13 anticorpos anti-glicanos contra 6 classes de glicanos associados a uma sobrevivência significativamente melhor, e que os anticorpos tiveram um impacto maior na sobrevida em pacientes com o câncer cervical em estágio 3 mais avançado.

Os cientistas observam que, embora exista alguma sobreposição de anticorpos associados a diferentes tipos de câncer, provavelmente há também distintos. Níveis elevados de anticorpos anti-glicanos também demonstraram ser preditivos de sobrevivência em cânceres como melanoma e próstata.

Como o número de indivíduos tratados com radiação externa apenas no grupo de estudo era relativamente pequeno aos 88 anos, é necessária uma avaliação maior para determinar se o benefício dos anticorpos depende do tipo de tratamento. Mas o trabalho atual indica que a radiação externa sozinha não melhorou a sobrevivência, mesmo na presença desses anticorpos aparentemente úteis. De fato, havia evidências de que a radiação externa sozinha provavelmente piorou as taxas de sobrevivência de pacientes com câncer em estágio 3, eles relatam.

Ela agradeceu às mulheres do Peru e à clínica criada por elas pelo Dr. Daron Ferris, co-autor do estudo e professor do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do MCG e do Georgia Cancer Center, por permitir os estudos.

“Este trabalho é possibilitado pelo grande trabalho realizado pelo Dr. Daron Ferris, que anos atrás viu a necessidade de testes e tratamento para as mulheres do Peru e forneceu a elas. Ferris foi líder em ensaios clínicos das primeiras vacinas para o papilomavírus humano, a causa da grande maioria do câncer cervical. Em 2008, ele fundou a Clínica CerviCusco, sem fins lucrativos, para permitir triagem, vacinas e tratamento para mulheres peruanas que têm uma das maiores taxas de câncer de colo do útero do mundo. No processo de fornecer grande atendimento aos pacientes, ele também permitiu a coleta de amostras inestimáveis ​​que possibilitam pesquisas como essa que melhorarão ainda mais a prevenção e o tratamento”, enfatiza a Dra Purohit

Os cientistas do MCG relataram em 2018 que haviam desenvolvido uma maneira de identificar biomarcadores para uma ampla gama de doenças, avaliando os açúcares que revestem nossas células com uma matriz de glicanos multiplex Luminex altamente sensível e de alto volume, observando que não existem bons biomarcadores para muitos doenças que estão nos matando.

Anticorpos antiaçucaresO sistema usa o sangue ou soro de um paciente para descobrir quais açúcares um paciente está produzindo anticorpos. Ela e seus colegas esperam que a análise abrangente de glicanos possa um dia fazer parte de um exame anual como uma verificação do nível de colesterol. Os anticorpos glicanos já são utilizados para determinar boas combinações para transfusões de sangue e transplantes de órgãos.

A conclusão

Normalmente, o revestimento de açúcar ajuda as células a saber a que outras células se ligam e as ajuda a ficarem juntas, ajuda a garantir que o conteúdo das células permaneça no interior e até protege contra invasores, como vírus e bactérias. O câncer também pode usar glicanos para proteção, enviando-os para ajudar a suprimir a resposta imune e fertilizar essencialmente o microambiente do tumor, fazendo coisas como aumentar a sinalização que promove o crescimento dos vasos sanguíneos e outros itens essenciais necessários ao tumor.

 

______________________________

O estudo completo foi publicado na revista médica científica Gynecologic Oncology.

* “Better survival is observed in cervical cancer patients positive for specific anti-glycan antibodies and receiving brachytherapy” – 2020.

Autores do estudo: Sharad Purohita, Daron G. Ferris, Manual Alvarez, Paul M.H. Tran, Lynn K.H. Tran, David P. Mysona, Diane Hopkins, Wenbo Zhia, Boying Dun, John J. Wallbillich, Richard D. Cummings, Peng George Wang, Jin-Xiong She – 10.1016/j.ygyno.2020.01.014

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.