Benefícios da eletrocoagulação para pessoas com metástases hepáticas

Quando o câncer se espalha para outros locais do corpo, um dos locais mais comuns é o fígado. Além do câncer de fígado (câncer primário ou original do fígado), as metástases hepáticas (novos cânceres que se desenvolvem em partes do corpo além do câncer original) de câncer colorretal são os cânceres mais comuns que afetam o fígado.

Mais da metade das pessoas cujo câncer se espalhou para o fígado morrem de complicações. As metástases no fígado podem ser destruídas usando vários métodos diferentes, uma delas é a eletrocoagulação por diatermia. Este método requer que um eletrodo especial seja colocado no local do câncer ou próximo a ele.

O eletrodo é usado para transmitir correntes elétricas de alta frequência, que geram altas temperaturas. Isso faz com que as proteínas dentro do tecido coagulem ou coagulem, destruindo-o assim. O eletrodo é posicionado cortando o abdômen com uma laparotomia (cirurgia aberta) ou uma laparoscopia (cirurgia furada).

Métodos

Os autores buscaram ensaios clínicos randomizados que avaliaram o efeito da eletrocoagulação por diatermia, administrada sozinha ou com outra intervenção, versus nenhuma intervenção, ou qualquer outro tratamento, em pessoas com câncer de qualquer local que se espalhou para o fígado.

Eles observaram o efeito da eletrocoagulação sobre o risco de morte, qualidade de vida, eventos adversos (efeitos indesejados causados ​​pela intervenção), tempo de morte, falha em limpar metástases hepáticas ou recorrência de metástases hepáticas, tempo para progressão de metástases hepáticas, e resposta do tumor.

Características do estudo

A última busca por evidências foi em 6 de outubro de 2020. Foi identificado apenas um ensaio clínico randomizado. O estudo alocou os participantes aleatoriamente em quatro grupos de intervenção: eletrocoagulação (uso de diatermia) sozinha, eletrocoagulação mais dimetilsulfóxido, eletrocoagulação mais alopurinol, versus um grupo controle, que recebeu apenas solução de alopurinol por via oral.

O tratamento foi iniciado no quinto dia após a remoção cirúrgica do cólon sigmoide (última seção do intestino), e os participantes foram acompanhados por cinco anos. O ensaio incluiu 306 participantes, mas os dados foram coletados apenas em 223 participantes.

Principais resultados

Com base em um ensaio clínico randomizado, com alto risco de viés e poucos participantes, encontramos evidências insuficientes para detectar se a eletrocoagulação apenas por diatermia, em comparação com uma solução de alopurinol (controle), fez diferença no risco de morte e pós morte operatória para pessoas com metástases hepáticas de câncer de cólon, eletrocoagulação em combinação com alopurinol ou dimetilsulfóxido pode diminuir ligeiramente o risco de morte em comparação com a intervenção de controle, mas as evidências também são insuficientes e incertas.

É muito incerto se há uma diferença na morte pós-operatória entre o grupo de eletrocoagulação combinada com alopurinol ou dimetilsulfóxido em relação à intervenção de controle. Os dados sobre outros eventos adversos e complicações, recorrência de metástases hepáticas, tempo de progressão das metástases hepáticas, resposta do tumor e qualidade de vida relacionada à saúde estavam ausentes ou insuficientes para análise.

Qualidade da evidência

A equipe julgou as evidências como de certeza baixa a muito baixa porque o ensaio não foi realizado de forma adequada, colocando-o sob alto risco de viés em relação à confiabilidade dos dados obtidos.

O ensaio incluiu um número relativamente pequeno de participantes e descreveu poucos eventos gerais. Os resultados relatados foram insuficientes, pois apenas alguns resultados de interesse para pessoas com metástases hepáticas e seus médicos foram relatados.

A eletrocoagulação por diatermia não é mais usada da forma como é descrita no ensaio, pois foi substituída por outras técnicas. Esta pode ser a razão para a falta de novas tentativas.

Conclusão dos autores

As evidências sobre os efeitos benéficos e prejudiciais da eletrocoagulação isoladamente ou em combinação com alopurinol ou dimetilsulfóxido em pessoas com metástases hepáticas são insuficientes, pois se baseiam em um ensaio clínico randomizado com certeza baixa a muito baixa.

É muito incerto se existe uma diferença na mortalidade por todas as causas e na mortalidade pós-operatória entre eletrocoagulação isolada versus controle. Também é incerto se a eletrocoagulação em combinação com alopurinol ou dimetilsulfóxido pode resultar em uma ligeira redução da mortalidade por todas as causas em comparação com uma solução veículo de alopurinol (controle).

Não se sabe se há uma diferença na mortalidade pós-operatória entre o grupo de eletrocoagulação combinada com alopurinol ou dimetilsulfóxido em relação ao controle.

Dados sobre outros eventos adversos e complicações, falha em limpar metástases hepáticas ou recorrência de metástases hepáticas, tempo para progressão de metástases hepáticas, medidas de resposta do tumor e qualidade de vida relacionada à saúde foram mais ausentes ou insuficientemente relatados para análise.

A eletrocoagulação por diatermia não é mais usada da forma descrita, o que pode explicar a falta de novas tentativas.

__________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Electrocoagulation for liver metastases” – 2021

Autores do estudo: Storman D, Swierz MJ, Riemsma RP, Wolff R, Mitus JW, Pedziwiatr M, Kleijnen J, Bala MM – 10.1002/14651858.CD009497.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.