Micróbios retais influenciam a eficácia da vacina contra o HIV!

De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia (UC), micróbios que vivem no reto podem fazer a diferença na eficácia da vacina contra o HIV. Evidências de estudos em humanos e animais com outras vacinas sugerem que os suplementos de Lactobacillus podem aumentar a produção de anticorpos, enquanto o tratamento com antibióticos pode prejudicar respostas imunológicas benéficas, disse Smita Iyer, professor assistente do Centro de Imunologia e Doenças Infecciosas da UC .

Os pesquisadores queriam saber se os micróbios que vivem no reto e na vagina – locais de transmissão do HIV – interagiram com uma vacina experimental contra o HIV semelhante à vacina HVTN 111 atualmente em fase inicial de ensaios clínicos em humanos.

Vacina contra o HIV

O HVTN 111 inclui duas doses de fragmentos de DNA do HIV e um reforço final com uma proteína do HIV, todos dados através da pele. Acredita-se que uma vacina que produz anticorpos nas membranas mucosas onde ocorre a infecção seja importante na prevenção da infecção pelo HIV, disse Iyer.

A equipe estudou micróbios vaginais e retais de macacos Rhesus antes e depois da vacinação. Eles descobriram que os micróbios vaginais não mostraram muita diferença antes e depois da vacinação. No entanto, os micróbios retais mostraram alterações, com bactérias do tipo Bacteroidetes, especialmente Prevotella, diminuindo após a vacinação.

Bactérias Lactobacillus e melhor resposta imune

Micróbios retais influenciam na eficácia da vacina contra o HIVAs bactérias intestinais comuns Lactobacillus e Clostridia não mudaram com a vacinação, mas as quantidades desses micróbios no reto se correlacionaram com a resposta imune. Animais com altos níveis de Lactobacillus ou Clostridia produziram mais anticorpos para as proteínas gp120 e gp140 do HIV, descobriram os pesquisadores. As bactérias Prevotella mostraram o padrão oposto: altos níveis de Prevotella foram correlacionados com respostas imunológicas mais fracas.

“Não está claro qual seria o mecanismo para algumas bactérias aumentarem as respostas imunológicas locais em um local específico do corpo. No entanto, o direcionamento dessas bactérias pode ser importante para obter o melhor desempenho possível das vacinas que não induzem uma resposta imune particularmente forte, como é o caso do HIV. O microbioma também pode ser um fator importante, mas esquecido, a ser considerado na avaliação de vacinas em humanos ou animais”, disse ela.

 

_____________________

O trabalho foi publicado na revista mSphere.

* “Rectal Microbiome Composition Correlates with Humoral Immunity to HIV-1 in Vaccinated Rhesus Macaques” – 2019.

Autores do estudo: Sonny R. Elizaldi, Anil Verma, Korey A. Walter, Matthew Rolston, Ashok R. Dinasarapu, Blythe P. Durbin-Johnson, Matthew Settles, Pamela A. Kozlowski, Reben Raeman, Smita S. Iyer – 10.1128/mSphere.00824-19

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.