Cientistas testam com sucesso uma nova vacina contra o HIV!

Uma nova vacina contra o HIV desenvolvida por cientistas do laboratório Scripps Research e pela organização de pesquisa sem fins lucrativos IAVI alcançou um marco importante ao provocar anticorpos que podem neutralizar uma grande variedade de cepas de HIV.

A nova vacina contra o HIV

Os testes, em coelhos, mostraram que esses anticorpos “amplamente neutralizantes”, ou bnAbs, tinham como alvo pelo menos dois locais críticos do vírus. Os pesquisadores assumem amplamente que uma vacina deve extrair bnAbs para vários locais do HIV, a fim de fornecer proteção robusta contra esse vírus em constante mudança.

Os resultados promissores sugerem que os pesquisadores estão um passo mais perto do desenvolvimento de uma nova vacina contra o HIV mais eficaz – um dos principais objetivos da ciência médica desde que o vírus foi identificado em 1983.

“É uma prova de princípio inicial, mas importante, e agora estamos trabalhando para otimizar esse design da vacina”, diz o autor do estudo, Dr Richard Wyatt, professor do Departamento de Imunologia e Microbiologia do Scripps Research.

Segundo o UNAIDS, cerca de 35 milhões de pessoas em todo o mundo morreram da síndrome da imunodeficiência, a AIDS, causada pela infecção pelo HIV. Cerca de 38 milhões de outros estão agora vivendo com infecção pelo HIV. Os medicamentos antivirais podem manter vivos as pessoas infectadas pelo HIV e reduzir sua capacidade de transmitir o vírus a outras pessoas, mas esses medicamentos não eliminam a infecção e devem ser tomados indefinidamente. Os pesquisadores reconhecem há muito tempo que uma vacina preventiva, disponível a um baixo custo para pessoas não infectadas, será necessária para eliminar o HIV como uma grande ameaça à saúde pública.

A rápida taxa de mutação do HIV e outros mecanismos para evitar o ataque imunológico tornaram-no um alvo extremamente difícil para os projetistas de vacinas. Mas o teste realizado por Wyatt e sua equipe confirma que a vacinação pode provocar os tipos de anticorpos necessários para fornecer ampla proteção contra o HIV.

Esses bnAbs, como os especialistas em vacinas os chamam, podem neutralizar várias cepas de HIV porque se ligam a locais críticos do vírus que não variam muito de uma variedade para outra. Às vezes, pessoas infectadas pelo HIV produzem bnAbs como parte da resposta de anticorpos, mas raramente e geralmente após a infecção ter sido estabelecida há muito tempo.

O principal desafio para os projetistas de uma nova vacina contra o HIV tem sido encontrar maneiras de estimular o sistema imunológico – na maioria ou em todos os indivíduos – a produzir bnAbs que atingem vários locais vulneráveis ​​no vírus.

No coração do projeto da vacina, está uma proteína imitadora de vírus baseada na proteína “Env” do HIV. Normalmente, várias cópias de proteínas Env do tipo arbusto são espalhadas na superfície de cada partícula esférica do HIV. Cada proteína Env contém um mecanismo molecular que permite a ligação a um receptor nas células imunológicas conhecidas como CD4, e usa esse receptor como um portal para invadir a célula.

Os pesquisadores projetaram uma versão do Env que modela as estruturas essenciais no Env real, enquanto é estável o suficiente para ser usada como vacina. Para apresentá-lo de uma maneira que se assemelhasse a uma partícula real do vírus HIV, eles criaram esferas sintéticas do tamanho de vírus de moléculas relacionadas à gordura, “lipossomos”, que são cravejadas densamente com as proteínas Env projetadas.

Em uma proteína natural para o HIV Env, matagais de moléculas relacionadas ao açúcar chamadas glicanas normalmente ajudam a proteger o importante local de ligação ao CD4 do ataque imunológico. Como imunização inicial, os pesquisadores usaram versões do Env nas quais esse escudo de glicano em torno do local de ligação ao CD4 havia sido parcialmente removido.

As imunizações de reforço subsequentes ao longo de 48 semanas usaram proteínas Env com glicanos restaurados, para selecionar anticorpos que visam o local de ligação ao CD4, mas também podem passar por esse escudo. As proteínas Env nas tomadas de reforço também eram misturas baseadas em diferentes cepas do HIV, para geralmente promover respostas de anticorpos contra estruturas Env que não variam entre essas cepas.

Testada com sucesso uma nova vacina contra o HIVA equipe inoculou 12 coelhos seguindo sua estratégia de vacinação e comparou os resultados com um grupo de controle que recebeu apenas uma única versão do Env. Eles descobriram que sua estratégia de vacina teve uma resposta muito melhor, com cinco dos coelhos desenvolvendo anticorpos que poderiam neutralizar múltiplos isolados de HIV.

Os pesquisadores analisaram os anticorpos do coelho que responderam mais fortemente e identificaram dois tipos distintos de bnAb. Um deles, que eles chamaram de E70, bloqueia o local de ligação do CD4 como esperado, embora de uma maneira incomum – em parte agarrando um dos glicanos de proteção. O outro, 1C2, atinge um ponto vulnerável diferente, mas bem conhecido, no Env, na interface entre dois segmentos principais da proteína complexa.

A ligação do anticorpo 1C2 aparentemente desestabiliza o Env, para que ele não possa mais mediar a entrada do HIV nas células hospedeiras. Esse anticorpo também mostrou ter uma amplitude incomum de neutralização, bloqueando 87% de um painel de 208 isolados de HIV distintos.

A descoberta é uma demonstração importante de que a nova vacina contra o HIV, se realizada da maneira correta, pode atingir o objetivo de induzir bnAbs em vários locais do vírus.

A equipe de cientistas continua testando e aprimorando sua estratégia de vacinação em pequenos modelos animais e espera, eventualmente, testá-la em macacos e depois em humanos.

 

____________________

O estudo completo foi publicado na revista médica científica Immunity,

* “Vaccination with Glycan-Modified HIV NFL Envelope Trimer-Liposomes Elicits Broadly Neutralizing Antibodies to Multiple Sites of Vulnerability” – 2019.

Viktoriya Dubrovskaya, Karen Tran, Gabriel Ozorowski, John R. Mascola, Andrew B. Ward, Richard T. Wyat – 10.1016/j.immuni.2019.10.008

 

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.