Tratamentos disponíveis para a asma aguda em crianças

A asma é uma doença infantil comum causada pelo estreitamento das pequenas passagens aéreas nos pulmões. Este estreitamento é devido ao inchaço e inflamação e aos músculos ao redor das passagens aéreas se tornando mais apertados. Um ataque agudo de asma resulta em falta de ar, tosse, chiado e aperto no peito.

Quando as crianças sofrem um ataque de asma, o tratamento padrão é administrar esteroides para reduzir a inflamação e o inchaço (geralmente administrados por via oral) e medicamentos inalados para relaxar os músculos das passagens aéreas (chamados “broncodilatadores”). Na revisão do estudo, os pesquisadores chamam esse tratamento padrão de “primeira linha”.

Alguns ataques de asma de crianças não melhoram com o tratamento de primeira linha e é necessário encontrar outros tratamentos – geralmente no departamento de emergência ou hospital, estes que foram chamados de tratamento de “segunda linha”. No entanto, o melhor tratamento de segunda linha para crianças que não respondem ao tratamento de primeira linha é pouco conhecido. Muitas opções estão disponíveis e o que é feito para crianças varia de hospital para hospital.

O objetivo foi analisar as revisões Cochrane existentes de tratamentos de segunda linha para crianças com ataques de asma. O foco era poder reunir essas informações em um documento útil e apresentar as evidências que ajudariam o profissional a tomar a melhor decisão de tratamento para cada criança com ataque de asma quando broncodilatadores inalatórios e esteroides orais não ajudassem com os sintomas.

Objetivo da revisão

Os autores quiseram analisar a eficácia e a segurança das opções de tratamento disponíveis para crianças com asma aguda que não melhoram com o tratamento de primeira linha padrão.

Características do estudo

Foram incluídas 13 revisões sistemáticas da Cochrane em várias opções de tratamento, incluindo medicamentos inalados, medicamentos intravenosos e outras terapias.

Esta visão geral fornece as evidências mais atualizadas de revisões sistemáticas com metanálises de ensaios clínicos randomizados sobre asma aguda grave em crianças. A visão geral está atualizada até dezembro de 2019.

Qualidade da evidência

A qualidade dessas revisões foi avaliada usando uma lista de verificação, o ajudou a analisar o risco de viés. Nove das 13 avaliações foram consideradas de alta qualidade. Quatro revisões foram consideradas em risco de viés devido a preocupações com a forma como os estudos foram identificados para inclusão nas revisões.

A maioria das revisões está desatualizada porque não foi atualizada desde 2016. A qualidade das evidências para comparações específicas variou de muito baixa a alta, com muitos resultados provenientes de pequenos estudos. É difícil ter confiança em fazer recomendações para a prática clínica.

Principais resultados

Para crianças com asma aguda grave que necessitam de tratamento adicional, os autores descobriram que:

– Sulfato de magnésio intravenoso (broncodilatador administrado através de uma veia) parece reduzir o tempo gasto no hospital.

– Nenhuma evidência sugere que qualquer tratamento reduzisse o risco de ser admitido em terapia intensiva.

– Alguns tratamentos parecem reduzir o risco de internação hospitalar. Isso incluiu a adição de um segundo tipo de tratamento com broncodilatador inalado (medicação anticolinérgica como o brometo de ipratrópio) ao tratamento inalado padrão (agonista beta como o salbutamol), fornecendo sulfato de magnésio intravenoso e respirando uma mistura de hélio e oxigênio.

– Eventos adversos graves podem ser reduzidos pelo sulfato de magnésio inalado.

– Náusea e/ou vômito são mais comuns com aminofilina (outro medicamento broncodilatador administrado através de uma veia).

– A adição de um segundo tipo de tratamento com broncodilatador inalado (medicamentos anticolinérgicos como o brometo de ipratrópio) reduz o risco de náusea e tremor, mas não de vômito.

Conclusão dos autores

Esta visão geral fornece as evidências mais atualizadas sobre intervenções para escalonamento da terapia para exacerbações agudas de asma em crianças das Revisões Cochrane de ensaios clínicos randomizados.

A grande maioria das comparações envolveu entre um e três estudos e menos de 100 participantes, dificultando a avaliação do equilíbrio entre benefícios e possíveis danos. Devido à falta de estudos comparativos entre várias opções de tratamento, não é possível fazer recomendações práticas firmes.

O sulfato de magnésio intravenoso parece reduzir o tempo de internação e o risco de internação. A internação hospitalar também é reduzida com a adição de agentes anticolinérgicos inalatórios aos beta2-agonistas inalados. No entanto, mais pesquisas são necessárias para determinar quais pacientes têm maior probabilidade de se beneficiar dessas terapias.

Devido à incidência relativamente rara de asma pediátrica grave e aguda, serão necessárias pesquisas multicêntricas para gerar evidências de alta qualidade. Várias revisões Cochrane existentes devem ser atualizadas, e o recomendado é que seja realizada uma nova revisão sobre o uso da oxigenoterapia nasal de alto fluxo.

As prioridades importantes incluem o desenvolvimento de um conjunto de resultados acordados internacionalmente para futuros ensaios em exacerbações agudas de asma grave e a determinação de diferenças clinicamente importantes nesses resultados, que podem informar ensaios futuros com alimentação adequada.

________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Interventions for acute severe asthma attacks in children: an overview of Cochrane Reviews” – 2020

Autores do estudo: Craig SS, Dalziel SR, Powell CVE, Graudins A, Babl FE, Lunny C – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.