Raça e gênero podem ter influência nas doenças cardíacas

Resumo e perspectiva do estudo

Cerca de uma em cada cinco pessoas tem um risco de desenvolver insuficiência cardíaca ao longo da vida – uma condição que pode custar US$ 69,8 bilhões até 2030. Comparados com indivíduos brancos, os afro-americanos são diagnosticados desproporcionalmente com insuficiência cardíaca. Homens afro-americanos têm a maior taxa de mortalidade ajustada à idade por insuficiência cardíaca (118,2 por 100.000), seguidos por homens brancos não-hispânicos (111,3 por 100.000), mulheres afro-americanas (86,0 por 100.000) e mulheres brancas (80,4 por 100.000).

Pacientes afro-americanos também são menos propensos a receber desfibriladores e tratamento de um cardiologista em comparação com pacientes brancos. Esses fenômenos não são totalmente explicados por fatores socioeconômicos. Além disso, as razões para uma disparidade de gênero na alocação de terapias avançadas para insuficiência cardíaca não são conhecidas.

Gênero, raça e doenças cardíacas

Em um estudo qualitativo recentemente publicado no JAMA Network Open, Khadijah Breathett, MD, MS, do Sarver Heart Center da Universidade do Arizona em Tucson, e colegas avaliaram o potencial de viés no processo de tomada de decisão dos médicos para alocação de insuficiência cardíaca avançada, nomeadamente dispositivos de assistência ventricular (DAV) e transplante de coração.

Os clínicos foram randomizados para uma das quatro vinhetas, variando apenas por gênero e raça: uma mulher branca, uma mulher afro-americana, um homem branco e um homem afro-americano. Eles foram instruídos a discutir seus pensamentos sobre esse paciente com doença avançada e múltiplas contra-indicações relativas a terapias cardíacas avançadas e receberam fotografias, texto e o nome dessa pessoa.

Como o estudo foi conduzido

Os participantes do estudo foram 46 clínicos americanos que participaram da conferência da International Society for Heart and Lung Transplantation em abril de 2019. Aproximadamente metade eram mulheres e 43% eram minorias raciais.

A maioria dos participantes estava nos campos de cardiologia (67%) e cirurgia cardiotorácica (15%). Eles foram escolhidos intencionalmente por diversas características demográficas (ou seja, sexo, raça, geografia e anos de treinamento passado). Além disso, os pacientes foram mascarados para estudar os objetivos até a participação estar completa.

A randomização foi ponderada em 20:3 na análise das vinhetas das pacientes do sexo feminino.

Penteado e constituição física foram semelhantes dentro de cada gênero. Todas as quatro fotos foram previamente classificadas de forma semelhante para idade, atratividade, inteligência, saúde, expressão facial e confiabilidade em um estudo de normalização. As vinhetas clínicas eram idênticas, exceto as avaliações baseadas em gênero (mamografia normal e menor altura para as mulheres e níveis normais de antígeno prostático específico para os homens).

As entrevistas foram conduzidas usando o método de pensar em voz alta e os participantes também receberam pesquisas complementares para avaliar como cada seção da vinheta influenciou a adequação do paciente a terapias avançadas de insuficiência cardíaca.

Os pesquisadores reduziram as diferenças de alocação para os principais temas:

  • Os profissionais de saúde criticaram as mulheres com mais severidade, como parte de suas impressões gerais
  • A adequação dos cuidados prévios era mais uma preocupação para a mulher afro-americana do que para a mulher branca
  • O homem afro-americano foi percebido como tendo uma doença mais grave do que os outros
  • Também foram expressas preocupações maiores sobre a adequação do apoio social para as mulheres, especialmente a mulher afro-americana
  • A dinâmica e as finanças da família eram consideradas preocupações maiores para a mulher afro-americana; o cônjuge era considerado um apoio inadequado.

No final do estudo, os participantes recomendaram DAVs sobre o transplante para todos os pacientes, independentemente de raça ou sexo.

Conclusão dos autores do estudo

O uso de uma única vinheta clínica foi listado como uma limitação do estudo, uma vez que isso não representa todo o espectro de possíveis apresentações clínicas. Outras limitações incluíram o fato de que alguns dos participantes haviam estado anteriormente em um estudo semelhante avaliando a tomada de decisão sobre o tratamento de afro-americanos e homens brancos.

Alguns participantes também podem suspeitar dos objetivos do estudo e fornecer resultados socialmente desejáveis, Breathett e equipe reconheceram.

_________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network

* “Association of Gender and Race With Allocation of Advanced Heart Failure Therapies” – 2020

Autores do estudo: Khadijah Breathett, Erika Yee, Natalie Pool, Megan Hebdon, Janice D. Crist, Ryan H. Yee, Shannon M. Knapp, Sade Solola, Luis Luy7; Kathryn Herrera-Theut, Leanne Zabala, Jeff Stone, Marylyn M. McEwen, Elizabeth Calhoun, Nancy K. Sweitzer – 10.1001/jamanetworkopen.2020.11044

 

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.