Transplante microbiano fecal para pacientes com doença hepática

O transplante microbiano fecal (FMT) pareceu ser seguro em pacientes com doença hepática relacionada ao álcool e também pode reduzir o desejo pela substância, relataram pesquisadores.

Em um estudo de fase I controlado por placebo com 20 homens com histórico de cirrose que continuaram consumindo álcool, o FMT não causou nenhum evento adverso após 31 dias – que era o objetivo principal – versus três pacientes com placebo que necessitaram de hospitalização, de acordo com Jasmohan Bajaj, MBBS, MD, da Virginia Commonwealth University e McGuire VA Medical Center em Richmond, em uma apresentação no congresso digital Internal Liver Congress, o encontro anual da Associação Europeia para o Estudo do Fígado (EASL).

“Este tratamento foi bem tolerado. Houve uma redução no desejo e na qualidade de vida total [QV]”, disse Bajaj.

Embora não tenha havido nenhuma mudança na QV física, ele acrescentou, a QV psicossocial melhorou durante o estudo e parecia confirmar uma conexão intestino-cérebro. “O intestino é um dos maiores produtores de neurotransmissores ricos, como dopamina, serotonina, ácidos graxos de cadeia curta, todos eles podem afetar o cérebro, o que poderia ser um mecanismo de ação. Estamos estudando isso ativamente”, Bajaj disse ao MedPage Today.

Ele observou que os pacientes do estudo estavam dispostos a tentar a FMT porque outros tratamentos que eles fizeram anteriormente não tiveram sucesso. “Todos os nossos pacientes falharam em alguma forma de terapia e estavam absolutamente indispostos, neste ponto, em tentar esses tratamentos novamente”, disse Bajaj.

“Todos esses pacientes pareciam bons candidatos para algo relativamente novo”, acrescentou ele, embora tenha notado que para alguns dos pacientes, a aplicação do enema foi mais difícil de aceitar do que a ideia de receber as fezes de outra pessoa.

Bajaj advertiu que esta abordagem de tratamento não está “pronta para o horário nobre … Esta é apenas a primeira salva em pessoas que já haviam atingido o estágio final. Claramente precisamos de mais estudos, talvez em pacientes que ainda não atingiram a cirrose”.

Em uma declaração à imprensa da EASL, Luca Valenti, MD, da Universidade de Milão, na Itália, observou que “A compreensão das interações entre o genoma humano e do microbioma (metagenoma) na saúde e na doença representou uma das principais áreas de progresso no últimos anos. Esses estudos estabelecem as bases para explorar esse novo conhecimento para o tratamento de doenças do fígado”.

Como o estudo foi conduzido

Bajaj e seus colegas recrutaram 31 homens da instituição Veterans Affairs e encontraram 20 que atendiam aos critérios do ensaio. Eles tinham cerca de 65 anos, um histórico de bebida de mais de 30 anos em média e haviam sido diagnosticados com cirrose por uma média de 9 anos.

“Escolhemos pessoas que já haviam atingido o ponto final da lesão orgânica e para as quais não tínhamos mais nada a oferecer porque haviam passado por várias tentativas infrutíferas de abstinência”, explicou Bajaj. “Excluímos pacientes cuja doença estava muito avançada.”

O placebo foi solução salina administrada por enema. “O FMT, também fornecido por enema, veio de um único doador saudável cujas fezes foram enriquecidas com bactérias Lachnospiraceae e Ruminococcaceae benéficas.” A segurança foi avaliada quatro vezes durante o estudo de 31 dias, disse ele.

Conclusão dos autores

“O transtorno por uso de álcool é o transtorno de dependência mais comum em todo o mundo”, afirmou Bajaj. “Pode causar danos a órgãos em várias partes do corpo, incluindo cérebro, intestino, pâncreas e fígado, o que acaba causando cirrose. Apesar de atingir danos aos órgãos finais, como a cirrose, vários pacientes continuam a fazer mau uso do álcool, que pode resultar no agravamento da doença. ”

“Esses pacientes que continuam fazendo uso indevido de álcool muitas vezes não recebem tratamentos farmacológicos, não os aceitam ou mesmo podem não tolerá-los, pois alguns desses medicamentos são realmente eliminados pelo fígado”, acrescentou. “Portanto, precisamos de outros alvos para tratar o vício nesses pacientes que estão sob risco especialmente alto”.

“Este e outros vícios podem estar associados a uma alteração do eixo intestino-cérebro e, portanto, alterar a microbiota intestinal pode ser um alvo atraente”, concluiu Bajaj.

__________________________

O estudo original foi publicado no European Association for the Study of the Liver

* “Fecal microbial transplant reduces short-term cravings, improves quality of life and microbial diversity in cirrhosis and alcohol use disorder: a randomized, placebo-controlled, clinical trial” – 2020

Autores do estudo: Baja J, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.