Mulheres obesas têm mais risco de hipertensão durante a gravidez

A pré-eclâmpsia – hipertensão e proteinúria ou trombocitopenia, insuficiência renal, insuficiência hepática, edema pulmonar ou sintomas cerebrais ou visuais – está associada a uma duplicação da taxa de eventos neonatais adversos nos países desenvolvidos e é responsável por 16% dos casos maternos de mortes.

São conhecidos os fatores de risco compartilhados por distúrbios hipertensivos de início precoce e tardio: nuliparidade, gestação múltipla, idade materna avançada, hipertensão crônica e diabetes mellitus. A obesidade também é um fator de risco estabelecido para distúrbios de início tardio, no entanto, existem incongruências na literatura em relação à obesidade e distúrbios hipertensivos de início precoce.

Mulheres obesas possuem mais riscos de apresentar distúrbios hipertensivos

Um estudo de coorte retrospectivo de base populacional publicado na Obstetrics & Gynecology mostrou que 5,9% das mulheres incluídas apresentaram distúrbios hipertensivos durante a gravidez. Além disso, as taxas observadas de distúrbios de início precoce (3,2/1.000) e de início tardio (55,7/1.000) foram consistentes com evidências anteriores da literatura, de acordo com Matthew Bicocca, MD, da McGovern Medical School da Universidade do Texas em Houston e colegas.

Curiosamente, o risco de distúrbios hipertensivos de início precoce durante a gravidez foi significativamente maior em mulheres com obesidade em comparação com as não obesas (IMC 18,5-29,9):

  • Obesidade classe 1 (IMC 30,0-34,9; razão de risco ajustada 1,13, IC 95% 1,10-1,16)
  • Obesidade classe 2 (IMC 35,0-39,9; razão de risco ajustada 1,57, IC 95% 1,53-1,620)
  • Obesidade classe 3 (IMC ≥40; razão de risco ajustada 2,18, 95% CI 2,12-2,24)

O aumento do risco de distúrbios hipertensivos era evidente da 24ª a 27ª semanas de gestação entre as mulheres com obesidade classe 2 e classe 3. Essa foi uma observação notável, uma vez que o IMC está associado principalmente a distúrbios hipertensivos de início tardio e seu papel nos distúrbios de início precoce é descrito de maneira inconsistente.

Como a pesquisa foi desenvolvida

O grupo de Bicocca analisou dados não identificados obtidos através do U.S. Vital Statistics (EUA), utilizando certidões de nascimento e óbito que foram emitidas durante os anos de 2014 a 2017. Hipertensão crônica, anomalias fetais importantes, falta de hipertensão e diabetes foram listados entre os critérios de exclusão.

Das 15,8 milhões de mulheres com nascidos vivos de gestações únicas que tiveram entre 24 e 41 semanas de gestação, 14,8 milhões (88,6%) foram elegíveis para o estudo.

Entre as mulheres elegíveis com nascidos vivos, 45,9% eram não obesas, 28,8% apresentavam obesidade classe 1, 14,9% apresentavam obesidade classe 2 e 10,3% apresentavam obesidade classe 3. Os pesquisadores dividiram a taxa geral de distúrbios hipertensivos (5,9%) entre distúrbios de início precoce (0,3%) e distúrbios de início tardio (5,6%).

As taxas de diabetes gestacional e pré-gestacional aumentaram progressivamente de 3,8% e 0,4% do grupo não obeso para 11% e 1,9% do grupo com obesidade classe 3, relataram os pesquisadores. Do mesmo modo, as taxas de ganho de peso gestacional acima das recomendações do Instituto de Medicina foram maiores em todas as classes de obesidade (74,1%, 73,4% e 68,2% nas classes 1, 2 e 3, respectivamente) em relação ao grupo não obeso (40,2%).

Conclusão dos autores do estudo

Os distúrbios hipertensivos com menos de 34 semanas de gestação (início precoce), 34 semanas ou mais (início tardio) serviram como desfechos primários. O ajuste para fatores de imprecisão incluiu idade materna, raça e etnia, educação, estado civil, pré-natal, tabagismo durante a gravidez, diabetes, ganho de peso materno e ano de nascimento.

O risco de distúrbios hipertensivos de início tardio também aumentou significativamente em mulheres com obesidade em comparação com mulheres não obesas:

  • Obesidade classe 1 (razão de risco ajustada 1,71, IC 95% 1,70-1,73)
  • Obesidade classe 2 (razão de risco ajustada 2,60, IC 95% 2,58-2,62)
  • Obesidade classe 3 (razão de risco ajustada 3,93, IC 95% 3,91-3,96)

O risco permaneceu após o ajuste para possíveis fatores de imprecisão, como idade materna, raça ou nulidade, e ao excluir pacientes com um processo sinérgico de doença como diabetes, de acordo com os autores.

Na pesquisa, a pré-eclâmpsia e a hipertensão gestacional não puderam ser analisadas separadamente, o que Bicocca e o restante da equipe reconheceram como uma limitação do seu trabalho.

Eles também observaram que, como sua análise era limitada à idade gestacional no parto e não podiam avaliar a idade gestacional no diagnóstico de distúrbios hipertensivos durante a gravidez, alguns distúrbios de início precoce podem ter sido erroneamente classificados como de início tardio nos resultados. A análise também foi limitada ao IMC materno no momento do parto.

_____________________________

O estudo original foi publicado no Obstetrics and Ginecology

* “Maternal Obesity and the Risk of Early-Onset and Late-Onset Hypertensive Disorders of Pregnancy” – 2020

Autores do estudo: Bicocca, Matthew J., Mendez-Figueroa, Hector, Chauhan, Suneet P., Hon DSc; Sibai, Baha M. – 10.1097/AOG.0000000000003901

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.