A desfostatina pode tratar com eficácia a bactéria Salmonella!

Pesquisadores da Universidade McMaster, em Hamilton no Canadá, descobriram uma forma eficiente para tratar infecções resistentes a medicamentos, o que mostra promessas com base em testes em camundongos. Os pesquisadores descobriram que um produto natural chamado desfostatina é um parceiro eficaz para o antibiótico colistina no tratamento de infecções causadas pela bactéria Salmonella.

A bactéria Salmonella e a defostatina

A colistina é considerada um antibiótico de último recurso para infecções bacterianas multirresistentes devido ao seu efeito tóxico no organismo, o que limitou seu uso na medicina. No entanto, quando emparelhados, a defostatina em concentrações mais baixas de colistina, mostrou-se eficiente no tratamento de camundongos com infecções causadas pela bactéria Salmonella, aumentando a eficácia do antibiótico.

“O aumento da resistência aos antibióticos deu início à era pós-antibiótica, e são urgentemente necessárias alternativas aos antibióticos. Resolver a crise de resistência aos antibióticos exigirá que nos afastemos da visão tradicional da descoberta de antibióticos”, disse a Dra Caressa Tsai, primeira autora do estudo e Ph.D. de bioquímica e ciências biomédicas no laboratório Coombes em McMaster.

A Organização Mundial da Saúde classificou a bactéria Salmonella resistente a antibióticos, que pode causar infecção por ingestão de alimentos contaminados, como um patógeno de alta prioridade.

O estudo

Em seu estudo, os pesquisadores descobriram que a desfostatina não mata Salmonella ou impede que ela cresça. Em vez disso, a desfostatina impede a salmonella de causar infecção de duas maneiras: ela bloqueia sua capacidade de resistir à morte por células imunológicas e aumenta sua sensibilidade à colistina.

Enquanto as descobertas iniciais foram feitas usando um método de experimentação chamado triagem de alto rendimento, os pesquisadores ficaram entusiasmados ao descobrir que a coadministração de desfostatina e colistina em camundongos com uma infecção letal por Salmonella, prolongou significativamente a sobrevivência dos animais e utilizou uma concentração mais baixa de colistina do que é normalmente necessário para o tratamento, reduzindo assim seu efeito tóxico.

Pelos números, o tratamento apenas com colistina estendeu a sobrevivência de quase 88% dos camundongos para aproximadamente cinco dias após a infecção e 25% dos camundongos sobreviveram até o final do experimento. No entanto, mais de 62% dos camundongos tratados com desfostatina e colistina sobreviveram à infecção, indicando uma melhora significativa em relação à terapia com um antibiótico.

“Todos os antibióticos tradicionais funcionam de maneira semelhante – eles eliminam infecções matando bactérias. Aqui, estávamos interessados ​​em uma abordagem diferente – manter as bactérias vivas, mas inativar quimicamente caminhos importantes para impedir que causassem infecção”, disse a Dra Tsai.

A desfostatina pode tratar com eficácia a bactéria SalmonellaOs pesquisadores continuam suas pesquisas para entender como a desfostatina funciona contra a Salmonella. Seu trabalho contínuo explorará a atividade da desfostatina sozinha e em terapias combinadas durante o tratamento de animais infectados.

“A desfostatina parece derrubar duas importantes vias reguladoras que controlam a virulência de Salmonella e os mecanismos de resistência a antibióticos. Esta pesquisa destaca as oportunidades de adotar uma abordagem diferente da descoberta tradicional de antibióticos e está permitindo o surgimento de novas combinações de medicamentos”, concluiu o Dr Brian K. Coombes, autor correspondente e professor do Departamento de Bioquímica e Ciências Biomédicas da Universidade McMaster. Ele ocupa a cadeira de pesquisa do Canadá em Patogênese de doenças infecciosas.

 

______________________________

Os detalhes do estudo foram publicados na Cell Chemical Biology.

* “Targeting Two-Component Systems Uncovers a Small-Molecule Inhibitor of Salmonella Virulence” – 2020.

Autores do estudo: Caressa N. Tsai, Craig R. MacNair, My P.T. Cao, Jakob Magolan, Eric D. Brown e Brian K. Coombes – 10.1016/j.chembiol.2020.04.005

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.