Novo caminho para o tratamento da fibrose hepática e diabetes tipo 2!

Em dois estudos relacionados, uma equipe de pesquisadores da Universidade Yale encontrou uma maneira de reverter o diabetes tipo 2 e fibrose hepática em camundongos, e mostrou que os processos subjacentes são conservados em seres humanos. Uma bom caminho especialmente no tratamento da fibrose hepática.

Objetivo: novo Tratamento da fibrose hepática e diabetes tipo 2

No estudo anterior, os pesquisadores descobriram uma conexão importante entre como o corpo responde ao jejum e ao diabetes tipo 2. O jejum “liga” um processo no corpo no qual duas proteínas específicas, TET3 e HNF4α, aumentam no fígado, aumentando a produção de glicose no sangue. No diabetes tipo 2, esse “interruptor” falha ao desligar quando o jejum termina, como faria em uma pessoa não diabética.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que, se pudessem “derrubar” os níveis dessas duas proteínas, poderiam impedir o desenvolvimento do diabetes. Eles injetaram camundongos com material genético conhecido como pequenos RNAs interferentes (siRNAs) compactados dentro de vírus direcionados ao TET3 ou HNF4β. Eles descobriram que a glicose no sangue e a insulina caíram significativamente – interrompendo efetivamente o diabetes.

No estudo recente

No novo estudo, os pesquisadores analisaram como o TET3 contribuiu para o desenvolvimento de fibrose no fígado e descobriram que a proteína estava envolvida na fibrose em vários níveis. Quase toda fibrose, independentemente do órgão envolvido, começa com a sinalização anormal de proteínas.

Os pesquisadores descobriram que o TET3 desempenha um papel na via de sinalização da fibrose em três locais diferentes – e atua como um importante regulador no desenvolvimento da fibrose. Isso significa que há oportunidades prováveis ​​de desenvolver drogas que inibem o TET3 para retardar ou reverter a fibrose, disse Da Li, cientista associado de genética e co-autor de ambos os estudos.

Ambas as doenças – diabetes tipo 2 e fibrose do fígado e outros órgãos – são comuns, mas têm poucas opções de tratamento. Cerca de 28 milhões de pessoas nos EUA têm diabetes tipo 2, caracterizada por altos níveis de açúcar no sangue, uma condição que pode levar a muitos outros problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas, derrames e insuficiência renal.

“A cirrose é uma das principais causas de morte no mundo e é marcada por fibrose hepática – um acúmulo de tecido cicatricial no fígado”, disse o co-autor James Boyer, professor e diretor emérito do Yale Liver Center.

Tratamento da fibrose hepática e diabetes tipo 2Os pesquisadores observaram que vários medicamentos, como a metformina, estão atualmente disponíveis para controlar os níveis de açúcar no sangue em pacientes com diabetes. Mas eles têm uma variedade de efeitos colaterais desagradáveis, e os pacientes podem desenvolver resistência a esses medicamentos.

“No momento, não existem medicamentos eficazes para o tratamento da fibrose”, disse Xuchen Zhang, professor associado de patologia e co-autor do estudo sobre fibrose.

O próximo passo, será identificar onde melhor direcionar o TET3 e o HNF4α e desenvolver os siRNAs ou moléculas menores mais eficazes para tratar o diabetes tipo 2 ou fibrose.

 

________________________

O primeiro estudo e seus resultados foram publicados na revista científica Cell Reports.

* “A Positive Feedback Loop of TET3 and TGF-β1 Promotes Liver Fibrosis”. – 2020.

Autores do estudo: Yetao Xu, Xiaoli Sun, Ruling Zhang, Xuchen Zhang, Da Li, Yingqun Huang – 10.1016/j.celrep.2019.12.092

O segundo estudo fo publicado na revista Nature Communications.

* “Hepatic TET3 contributes to type-2 diabetes by inducing the HNF4α fetal isoform” – 2020.

Autores do estudo: Da Li, Tiefeng Cao, Xiaoli Sun, Sungho Jin, Di Xie, Xinmei Huang, Xiaoyong Yang, Gordon G. Carmichael, Hugh S. Taylor, Sabrina Diano & Yingqun Huang – 10.1038/s41467-019-14185-z

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.