Descoberta pode acabar com a rejeição crônica de órgãos!

A rejeição crônica de órgãos transplantados é a principal causa de falha do transplante, e uma que o campo do transplante de órgãos não supera há quase seis décadas desde o advento dos medicamentos imunossupressores, permitindo que o campo floresça.

Agora, uma nova descoberta liderada por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh e do Hospital Metodista de Houston, sugerindo que o sistema imunológico inato pode se lembrar especificamente de que células estranhas podem abrir caminho para medicamentos que prolongam a sobrevivência a longo prazo de órgãos transplantados.

A rejeição crônica de órgãos

“A taxa de rejeição aguda dentro de um ano após um transplante diminuiu significativamente, mas muitas pessoas que recebem um transplante de órgão provavelmente precisarão de um segundo na vida devido à rejeição crônica. O elo perdido no campo do transplante de órgãos é uma maneira específica de impedir a rejeição, e esse achado nos leva um passo mais perto desse objetivo”, disse Fadi Lakkis e Athena Sarris, presidente em biologia de transplantes e diretora científica do Instituto de Transplantes Thomas E. Starzl, de Pitt.

O sistema imunológico é composto por ramos inatos e adaptativos. As células imunes inatas são as primeiras a detectar organismos estranhos no corpo e são necessárias para ativar o sistema imunológico adaptativo. A “memória” imunológica – que permite que nossos corpos se lembrem de invasores estrangeiros para que possam combatê-los mais rapidamente no futuro – era considerada exclusiva do sistema imunológico adaptativo.

As vacinas, por exemplo, aproveitam esse recurso para fornecer proteção a longo prazo contra bactérias ou vírus. Infelizmente, essa função muito crítica do sistema imunológico também é o motivo pelo qual os órgãos transplantados são eventualmente rejeitados, mesmo na presença de drogas supressoras da imunidade.

No novo estudo, Lakkis, juntamente com os co-autores Martin Oberbarnscheidt, professor assistente de cirurgia da Pitt, e Xian Li, diretor do Immunobiology & Transplant Science Center da O Houston Methodist Hospital, usou um modelo de transplante de órgão de camundongo geneticamente modificado para mostrar que as células imunes inatas, uma vez expostas a um tecido estranho, poderiam lembrar e iniciar uma resposta imune se expostas a esse tecido estranho no futuro.

“Células imunes inatas, como monócitos e macrófagos, nunca foram pensadas para ter memória. Descobrimos que a capacidade deles de lembrar tecidos estranhos é tão específica quanto as células imunes adaptativas, como as células T, o que é incrível”, disse Oberbarnscheidt.

Nova descoberta pode acabar com a rejeição crônica de órgãosOs pesquisadores usaram análises moleculares e genéticas para mostrar que uma molécula chamada receptor parecido com Ig-A (PIR-A) era necessária para esse reconhecimento e característica de memória das células imunes inatas dos hospedeiros. Quando o PIR-A foi bloqueado com uma proteína sintetizada ou removida geneticamente do animal hospedeiro, a resposta de memória foi eliminada, permitindo que os tecidos transplantados sobrevivessem por muito mais tempo.

“Saber exatamente como o sistema imunológico inato desempenha um papel abre as portas para o desenvolvimento de medicamentos muito específicos, o que nos permite deixar de lado os medicamentos amplamente imunossupressores que têm efeitos colaterais significativos”, disse Lakkis.

A descoberta tem implicações além do transplante, de acordo com Oberbarnscheidt. “Uma ampla gama de doenças, incluindo câncer e condições auto-imunes, poderia se beneficiar dessa percepção. Isso muda a maneira como pensamos sobre o sistema imunológico inato”.

 

___________________________

As descobertas foram publicadas esta semana na revista Science.

* “PIRs mediate innate myeloid cell memory to nonself MHC molecules” – 2020.

Autores do estudo: Hehua Dai, Peixiang Lan, Daqiang Zhao, Khodor Abou-Daya, Wentao Liu, Wenhao Chen, Andrew J. Friday, Amanda L. Williams, Tao Sun, Jianjiao Chen, Wei Chen, Steven Mortin-Toth, Jayne S. Danska, Chris Wiebe, Peter Nickerson, Tengfang Li, Lisa R. Mathews, Hêth R. Turnquist, Matthew L. Nicotra, Sebastien Gingras, Eiji Takayama, Hiromi Kubagawa, Mark J. Shlomchik, Martin H. Oberbarnscheidt, Xian C. Li, Fadi G. Lakkis – 10.1126/science.aax4040

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.