Qual a intensidade da dor? Estudo revela como o cérebro regula a dor!

Ao contrário dos mecanismos nervosos da dor, a sensação da dor não é um fenômeno estável. Pode ser amplificado, atenuado, agudo, crônico, pode durar muito tempo, ocorrer esporadicamente. Em suma, a sensação de dor não é um fenômeno homogêneo. Mas os cientistas acabaram de apontar qual a intensidade da dor e quais os mecanismos a regulam.

Qual a intensidade da dor?

A dor é essencial para a nossa sobrevivência. Diz-nos qual parte do nosso corpo está danificada ou existe um problema. Todos nós notamos que o estresse ou a ansiedade tinham a capacidade de amplificar essa dor enquanto se concentravam em outra tarefa, para se distrair em resumo, poderia levar ao alívio da dor. De acordo com o trabalho de Yarimar Carrasquillo, principal autor do estudo e cientista do Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa (NCCIH ), EUA, e sua equipe – os mecanismos levar a essas sensações são melhor descriptografadas.

Uma história de expressão proteica

É a amígdala central que é responsável pela evolução da dor. Dependendo do comportamento adotado – estresse ou distração – as células da amígdala central não expressam os mesmos neurotransmissores. Em situações estressantes, uma proteína chamada quinase C delta amplificará a sensação de dor, enquanto se você se concentrar em outra tarefa, será a somatostatina que será liberada e reduzirá essa sensação.

Para responder sobre qual a intensidade da dor, é preciso saber que a sensação de dor pode, portanto, ser modulada. Mas esta informação não é útil para todos. De fato, quando ocorre uma dor, é melhor tentar identificar a causa para fazê-la desaparecer do que não levar em consideração. Lembre-se, a dor é uma mensagem de aviso. Se persistir sem causa identificável, é melhor fazer exames médicos. Por outro lado, onde essa descoberta pode ser interessante é no tratamento da dor crônica.

Faixas contra dor crônica

Um número significativo de franceses sofre de dor crônica mais ou menos intensa que afeta sua qualidade de vida. Esse tipo de dor não parece útil. De fato, uma dor informa um perigo. Se alguém puder continuar a viver enquanto está sentindo essa dor, é provável que o sistema de controle e modulação da dor esteja disfuncional. Graças a este estudo, podemos imaginar a identificação de vias de drogas, a fim de fazer com que os neurônios expressem mais somatostatina. Por fim, lembre-se de que a atividade física às vezes pode ser uma solução contra a dor crônica.

Os 30 neurônios que podem acalmar nossa dor

Os 30 neurônios que podem acalmar nossa dorUm grupo modesto de trinta neurônios é uma espécie de centro de controle da dor em nossos cérebros: foi o que os pesquisadores franceses acabaram de descobrir. Uma maneira interessante para futuros tratamentos contra a dor crônica.

Um golpe de martelo na mão de um trabalhador machuca, mas seria ainda pior se a ocitocina, um peptídeo sintetizado por uma região do cérebro chamada hipotálamo, não interferisse muito cedo nos processos cerebrais que modulavam a resposta à dor.

Desde a contração do útero no momento do parto, até a ejeção do leite materno após o nascimento, até seu envolvimento na regulação das interações sociais, ansiedade ou dor, a ocitocina é um mensageiro essencial, mas, no momento, bastante misterioso. De fato, os mecanismos que levam à sua difusão até agora não foram descriptografados.

Uma equipe internacional de pesquisadores, coordenada por Alexandre Charlet, do Instituto de Neurociência Celular e Integrativa (CNRS), na França, examinou o processo de liberação de ocitocina quando a dor é percebida para descobrir qual a intensidade da dor. Ele descobriu que o centro de controle no cérebro que coordena a liberação de ocitocina consiste em apenas cerca de trinta neurônios do hipotálamo.

Durante a dor aguda ou a sensibilização inflamatória (queimação, beliscão, corte, etc.), as informações são transmitidas pelos nervos periféricos aos neurônios da medula espinhal. Eles interpretam a intensidade da mensagem e a codificam de acordo.

A informação é então enviada a outros neurônios, dentre os quais uma pequena população de pequenas células do núcleo paraventricular do hipotálamo, identificada pela equipe de Alexandre Charlet. Por sua vez, eles ativam uma família de grandes neurônios, os neurônios magnocelulares, em outra região do hipotálamo, que libera ocitocina na corrente sanguínea. O alvo: os neurônios periféricos (aqueles dispersos no corpo) que continuam a enviar ao cérebro a mensagem responsável pela sensação dolorosa. A ocitocina chega a “colocá-los para dormir” e, assim, reduz a dor.

Ocitocina, um analgésico

Qual a intensidade da dor - Ocitocina, um analgésicoMas os trinta neurônios não param por aí. Paralelamente, a extensão dessas células, chamada axônio, que mede até um metro em humanos, atinge as camadas profundas do corno dorsal da medula espinhal. É precisamente aqui, onde a mensagem sensorial é codificada em intensidade, que eles liberam ocitocina. Assim, diminuem, de duas maneiras simultâneas, a renovação da mensagem dolorosa no cérebro.

O trabalho da equipe ajudou a explicar qual a intensidade da dor e como diferentes populações de neurônios da ocitocina se coordenam para controlar a interpretação da mensagem de “dor” pelo sistema nervoso. A descoberta desse centro de controle analgésico é promissora para o tratamento da dor patológica.

Visar esse punhado de neurônios de fato limitaria os efeitos colaterais de um potencial tratamento. Por enquanto, a equipe continua a estudá-los, desta vez para descobrir seu envolvimento na liberação de ocitocina para a lactação e certos comportamentos sexuais.

Os resultados completos foram publicados na revista Neuron.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.