Estudo Revela: Novos neurônios se formam até 99 anos de idade!

Em um novo estudo da Universidade de Illinois (UIC), em Chicago, pesquisadores examinando tecido cerebral pós morte de pessoas com idades entre 79 e 99 anos, descobriram que novos neurônios continuam a se formar, mesmo na velhice.

O estudo sobre os novos neurônios

O estudo fornece evidências de que isso ocorre mesmo em pessoas com comprometimento cognitivo e doença de Alzheimer, embora a neurogênese seja significativamente reduzida nessas pessoas em comparação com adultos mais velhos com funcionamento cognitivo normal.

A ideia de que novos neurônios continuam a se formar na meia-idade, e muito menos na adolescência passada, é controversa, já que estudos anteriores mostraram resultados conflitantes. O estudo da UIC é o primeiro a encontrar evidências de um número significativo de células-tronco neurais e neurônios recém-desenvolvidos presentes no tecido hipocampal de adultos mais velhos, incluindo aqueles com distúrbios que afetam o hipocampo, que está envolvido na formação de memórias e na aprendizagem.

“Descobrimos que havia uma neurogênese ativa no hipocampo de adultos mais velhos até os 90 anos. O interessante é que também vimos alguns novos neurônios no cérebro de pessoas com doença de Alzheimer e comprometimento cognitivo. Também descobrimos que as pessoas que pontuaram melhor em medidas de função cognitiva tinham mais neurônios recém-desenvolvidos no hipocampo, em comparação com aqueles que tiveram menor pontuação nesses testes, independentemente dos níveis de patologia cerebral”, disse Orly Lazarov, Professor de anatomia e biologia celular na Faculdade de Medicina da UIC e principal autor do estudo.

Lazarov acredita que níveis mais baixos de neurogênese no hipocampo estão associados a sintomas de declínio cognitivo e redução da plasticidade sináptica, e não ao grau de patologia no cérebro. Para pacientes com doença de Alzheimer, marcas patológicas incluem depósitos de proteínas neurotóxicas no cérebro.

Novos neurônios se formam até 99 anos de idade

“Em cérebros de pessoas sem declínio cognitivo que tiveram boa pontuação em testes de função cognitiva, essas pessoas tendem a ter níveis mais elevados de desenvolvimento neural novo no momento de sua morte, independentemente de seu nível de patologia. A mistura dos efeitos da patologia e neurogênese é complexa e não entendemos exatamente como os dois se interconectam, mas há claramente muita variação de indivíduo para indivíduo”, disse Lazarov.

Lazarov está animado com as possibilidades terapêuticas de suas descobertas.

Agora os pesquisadores podem encontrar uma maneira de aumentar a neurogênese, por meio de uma pequena molécula, por exemplo, podem retardar ou prevenir declínio em adultos mais velhos, especialmente quando se inicia, que é quando as intervenções podem ser mais eficazes.

Eles publicam seus resultados na revista Cell Stem Cell.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *