Novo anticorpo reconhece patógenos da doença de Alzheimer!

Os pesquisadores desevolveram um anticorpo que pode identificar patógenos da doença de Alzheimer, um avanço no tratamento da doença. Seu método é capaz de reconhecer essas partículas tóxicas, conhecidas como oligômeros beta-amilóides, que são a marca registrada da doença, levando à esperança de que novos métodos de diagnóstico possam ser desenvolvidos para a doença de Alzheimer e outras formas de demência.

Identificar os patógenos da doença de Alzheimer

A equipe, da Universidade de Cambridge, da University College London e da Lund University, projetou um anticorpo altamente preciso para detectar oligômeros tóxicos e quantificar seus números. Seus resultados são relatados nos Anais da Academia Nacional de Ciências (PNAS).

“Há uma necessidade urgente e não atendida de métodos quantitativos para reconhecer oligômeros – que desempenham um papel importante na doença de Alzheimer, mas são muito ilusórios para estratégias padrão de descoberta de anticorpos. Através de nossa estratégia de design inovador, agora descobrimos anticorpos para reconhecer essas partículas tóxicas”, disse a professora Michele Vendruscolo, do Centro de Doenças Dobradas de Cambridge, que liderou a pesquisa.

A demência é uma das principais causas de morte no Reino Unido e custa mais de 26 bilhões de libras a cada ano, número que deve dobrar nos próximos 25 anos. As estimativas colocam o custo atual para a economia global em quase 1 trilhão de libras por ano.

A doença de Alzheimer, a forma mais prevalente de demência, leva à morte de células nervosas e perda de tecido em todo o cérebro, resultando em falha de memória, alterações de personalidade e problemas nas atividades diárias.

Grupos anormais de proteínas chamadas oligômeros foram identificados pelos cientistas como a causa mais provável de demência. Embora as proteínas sejam normalmente responsáveis ​​por importantes processos celulares, de acordo com a hipótese amilóide, quando as pessoas têm a doença de Alzheimer, essas proteínas – incluindo especificamente as proteínas beta-amilóides – tornam-se desonestas e matam células nervosas saudáveis.

As proteínas precisam ser rigorosamente reguladas para funcionar corretamente. Quando esse processo de controle de qualidade falha, as proteínas se dobram, iniciando uma reação em cadeia que leva à morte das células cerebrais. Proteínas mal dobradas formam grupos anormais chamados placas que se acumulam entre as células do cérebro, impedindo-as de sinalizar adequadamente.

As células cerebrais agonizantes também contêm emaranhados, fios trançados de proteínas que destroem um sistema vital de transporte celular, o que significa que nutrientes e outros suprimentos essenciais não podem mais se mover através das células.

Os ensaios clínicos

Houve mais de 400 ensaios clínicos para a doença de Alzheimer, mas nenhum medicamento que possa modificar o curso da doença foi aprovado. No Reino Unido, a demência é a única condição entre as 10 principais causas de morte sem tratamento para prevenir, interromper ou retardar sua progressão.

“Embora a hipótese amilóide seja uma visão predominante, ela não foi totalmente validada em parte porque os oligômeros beta-amilóides são tão difíceis de detectar, por isso existem opiniões divergentes sobre o que causa a doença de Alzheimer. A descoberta de um anticorpo para atingir com precisão os oligômeros é, portanto, um passo importante para monitorar a progressão da doença, identificar sua causa e, eventualmente, mantê-la sob controle”, disse Vendruscolo.

A falta de métodos para detectar oligômeros tem sido um grande obstáculo no progresso das pesquisas sobre a doença de Alzheimer. Isso prejudicou o desenvolvimento de intervenções diagnósticas e terapêuticas eficazes e levou a incertezas sobre a hipótese amilóide.

“Os oligômeros são difíceis de detectar, isolar e estudar. Nosso método permite a geração de moléculas de anticorpo capazes de atingir oligômeros, apesar de sua heterogeneidade, e esperamos que possa ser um passo significativo para novas abordagens de diagnóstico”, disse Francesco Aprile, primeiro autor do estudo.

O método baseia-se em uma abordagem para descoberta de anticorpos desenvolvida nos últimos dez anos no Centro de Doenças Dobradas. Com base na montagem computacional das montagens anticorpo-antígeno, o método permite o desenho de anticorpos para antígenos que são altamente desafiadores, como aqueles que vivem apenas por um período muito curto.

Anticorpo reconhece patógenos da doença de AlzheimerAo usar uma estratégia de projeto racional que permite atingir regiões específicas, ou epítopos, dos oligômeros, e uma ampla gama de experimentos in vitro e in vivo, os pesquisadores projetaram um anticorpo com pelo menos três ordens de magnitude de maior afinidade para os oligômeros sobre outras formas de beta amilóide. Esta diferença é a característica principal que permite ao anticorpo quantificar especificamente oligômeros em amostras in vitro e in vivo.

A equipe espera que essa ferramenta permita a descoberta de melhores candidatos a medicamentos e o design de melhores ensaios clínicos para pessoas afetadas pela doença debilitante. Eles também co-fundaram a Wren Therapeutics, uma empresa de biotecnologia baseada na Incubadora de Química da Saúde, no recém-inaugurado edifício da Química da Saúde, cuja missão é pegar as idéias desenvolvidas na Universidade de Cambridge e traduzi-las para encontrar novos medicamentos para tratar a doença de Alzheimer e outros distúrbios de desdobramento de proteínas.

O anticorpo capaz de identificar os patógenos da doença de Alzheimer foi patenteado pela Cambridge Enterprise, o braço de comercialização da Universidade.

 

__________________________________

O estudo completo foi publicado na conceituada revista Nature (Scientific Reports).

* “A Rationally Designed Humanized Antibody Selective for Amyloid Beta Oligomers in Alzheimer’s Disease” – 2020.

Autores do estudo: Ebrima Gibbs, Judith M. Silverman, Beibei Zhao, Xubiao Peng, Jing Wang, Cheryl L. Wellington, Ian R. Mackenzie, Steven S. Plotkin, Johanne M. Kaplan e Neil R. Cashman – 10.1073/pnas.1919464117

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.