Exercícios físicos podem retardar a progressão da doença de Parkinson

Pessoas com doença de Parkinson precoce que se exercitaram regularmente por mais de 5 anos tiveram melhor desempenho em testes cognitivos e progressão mais lenta da doença em vários domínios, mostrou um estudo observacional de coorte.

Os níveis regulares de atividade física geral ao longo do tempo foram significativamente associados à deterioração mais lenta da instabilidade postural e escores de marcha, escores de atividades da vida diária e escores de velocidade de processamento, relatou Kazuto Tsukita, MD, da Universidade de Kyoto no Japão, e colegas.

O exercício moderado a vigoroso foi associado a um declínio mais lento na estabilidade postural e da marcha, enquanto a atividade física relacionada ao trabalho foi associada a uma deterioração mais lenta na velocidade de processamento, escreveram na Neurology. O nível de atividade basal, no entanto, não foi vinculado à progressão de Parkinson.

“Descobrimos que, para retardar a progressão da doença, era mais importante para as pessoas com Parkinson manter um programa de exercícios do que estar ativo no início da doença”, disse Tsukita em comunicado.

“Embora os medicamentos possam fornecer às pessoas com Parkinson algum alívio dos sintomas, eles não demonstraram retardar a progressão da doença”, acrescentou Tsukita. “Descobrimos que a atividade física regular, incluindo tarefas domésticas e exercícios moderados, pode realmente melhorar o curso da doença a longo prazo”.

As descobertas estendem as evidências de que a atividade e o exercício melhoram os resultados e retardam a incapacidade no Parkinson, observou Lisa Shulman, MD, da University of Maryland School of Medicine, em Baltimore, que não esteve envolvida na pesquisa.

“Uma intrigante questão restante é sobre o mecanismo”, disse Shulman. “Esses benefícios na doença de Parkinson estão relacionados à melhora em vários componentes, incluindo resistência, força e mobilidade, ou há um efeito mais fundamental nas vias extrapiramidais neurais?”.

Detalhes do estudo

Tsukita e colegas analisaram 237 pessoas com Parkinson em estágio inicial e uma idade média de 63 anos da Parkinson’s Progression Markers Initiative (PPMI), um estudo longitudinal internacional de história natural. Os participantes foram acompanhados por uma média de 5 anos.

O estudo PPMI incluiu avaliações longitudinais e abrangentes da função motora e cognitiva, bem como dos níveis regulares de atividade física avaliados pela Physical Activity Scale for the Elderly (PASE), um questionário autorrelatado que mede o tempo e a intensidade do lazer, da casa e da vida. atividades ocupacionais. A velocidade de processamento foi medida com o Symbol Digit Modalities Test.

Os participantes que se envolveram em 4 ou mais horas por semana de exercícios moderados a vigorosos apresentaram instabilidade mais lenta e declínio da marcha ao longo de 5 anos, descobriram os pesquisadores. Aqueles que participaram de pelo menos 15,5 horas semanais de trabalho remunerado ou voluntário que incluía atividade física tiveram melhores pontuações de velocidade de processamento ao longo do tempo.

“Acreditamos que nossas descobertas têm implicações importantes para a prática clínica diária e futuros ensaios clínicos”, observaram Tsukita e colegas. “Eles destacam a importância de apoiar os pacientes com doença de Parkinson na prática clínica diária para permitir que eles mantenham seus níveis de atividade física”.

“Para manter altos níveis de atividade física para pacientes com doença de Parkinson, é essencial que eles mesmos estejam convencidos dos benefícios de altos níveis de atividade física”, apontaram os pesquisadores.

As descobertas também podem orientar futuros ensaios controlados randomizados para demonstrar os efeitos modificadores da doença do exercício na doença de Parkinson, acrescentaram.

O estudo é observacional e as relações causais não puderam ser avaliadas, reconheceram Tsukita e colegas. Além disso, a atividade física regular foi quantificada usando dados do questionário PASE

.

______________________________

O estudo original foi publicado na Neurology

“Long-term Effect of Regular Physical Activity and Exercise Habits in Patients With Early Parkinson Disease” – 2021

Autores do estudo: Kazuto Tsukita, Haruhi Sakamaki-Tsukita, Ryosuke Takahashi – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.