Daratumumabe para pacientes com mieloma múltiplo recém-diagnosticado

Pacientes que sofrem com mieloma múltiplo recém-diagnosticado ou recidivante/refratário com citogenética de alto risco derivam de sobrevida livre de progressão (PFS) com a adição do medicamento daratumumabe (Darzalex) a uma variedade de regimes de base, de acordo com os resultados de uma meta-análise.

A meta-análise incluiu dados de seis estudos de fase III e fizeram a comparação de regimes de mieloma múltiplo de backbone com ou sem o daratumumabe em pacientes com citogenética de alto risco definida como a presença de t (4;14), t (14;16) ou del (17p).

A adição de daratumumabe resultou em melhora da PFS para pacientes com a doença recém-diagnosticada e aqueles com doença recidivante ou refratária, relatou Smith Giri, MD, MHS, da University of Alabama em Birmingham e seus colegas para o JAMA Oncology.

O efeito positivo do daratumumabe não foi enfraquecido pelos três ensaios com diferentes regimes de backbone e diferentes grupos de idade, observaram os pesquisadores. A meta-análise encontrou poucas evidências de heterogeneidade.

Como o estudo foi conduzido pela equipe

Para a doença diagnosticada recentemente, a análise incluiu dados dos estudos publicados ALCYONE, MAIA e CASSIOPEIA. Em cada estudo individual, a adição de daratumumabe não melhorou significativamente a PFS entre os pacientes com citogenética de alto risco. Nesses ensaios, 15,9%, 14,3% e 15,5% dos pacientes apresentavam citogenética de alto risco, respectivamente.

“É possível que o benefício do daratumumabe para mieloma múltiplo de alto risco não tenha sido identificado nesses estudos devido ao tamanho relativamente pequeno das amostras”, escreveram os pesquisadores. “A meta-análise atual combinou vários estudos com desenho semelhante para aumentar o poder de responder a uma questão científica e clinicamente relevante.”

Para doença recidivante/refratária, foram incluídos dados dos estudos CASTOR, POLLUX e CANDOR. Em contraste com os ensaios de doença recém-diagnosticada, CASTOR e POLLUX mostraram um benefício relevante para o daratumumabe em termos de PFS entre pacientes com citogenética de alto risco; apenas CANDOR não o fez. Novamente, não houve heterogeneidade significativa.

Os pesquisadores também fizeram uma análise dos resultados de pacientes com mieloma múltiplo de risco padrão. Entre aqueles com doença recém-diagnosticada de risco padrão, todos os três estudos mostraram uma melhora significativa na PFS nos regimes contendo daratumumabe.

Na meta-análise, a adição de daratumumabe também mostrou um benefício de PFS para doença recém-diagnosticada. Benefícios semelhantes foram observados em cada um dos três estudos para pacientes com doença recidivante ou refratária. Novamente, a meta-análise mostrou um benefício semelhante.

Conclusão dos autores sobre o estudo

Várias limitações foram observadas por Giri e o restante da equipe, incluindo a falta de análise de outros subconjuntos de doenças de alto risco, como aqueles com doença extramedular ou mutações de P53.

“A presente análise forneceu evidências de que, quando combinado com o inibidor de proteassoma de base e regimes baseados em agentes imunomoduladores, o daratumumabe foi associado a melhora da PFS entre pacientes com mieloma múltiplo de alto risco e mieloma múltiplo de risco padrão no contexto de recém-diagnosticado e recidiva ou doença refratária”, escreveram os pesquisadores.

“No entanto, ele não forneceu uma comparação entre os regimes baseados em daratumumabe e não baseados em daratumumabe”, eles continuaram. “A identificação do melhor regime e estratégia terapêutica para pacientes com mieloma múltiplo de alto risco pode ser alcançada por meta-análise de rede, preferencialmente usando dados de pacientes individuais e por futuros ensaios clínicos randomizados bem planejados”.

__________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Oncology

* “Evaluation of Daratumumab for the Treatment of Multiple Myeloma in Patients With High-risk Cytogenetic Factors: A Systematic Review and Meta-analysis” – 2020

Autores do estudo: Smith Giri, MD, MHS1,2; Alyssa Grimshaw, MSLIS3; Susan Bal, MD2; Kelly Godby, MD2; Prakash Kharel, MD4; Benjamin Djulbegovic, MD, PhD5; Meletios A. Dimopoulos, MD6; Thierry Facon, MD7; Saad Z. Usmani, MD8; María-Victoria Mateos, MD, PhD9; Luciano J. Costa, MD, PhD2 – 10.1001/jamaoncol.2020.4338

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.