Estudo diz: exercícios de alta intensidade melhoram a memória em idosos!

Pesquisadores da Universidade McMaster, que examinam o impacto do exercício no cérebro, descobriram que exercícios de alta intensidade melhoram a memória em idosos. O estudo tem implicações generalizadas no tratamento da demência, uma doença catastrófica que afeta milhões e deve aumentar drasticamente na próxima década.

Como funcionam a memória em idosos

Os pesquisadores sugerem que a intensidade é crítica. Os idosos que se exercitaram com atividades curtas e curtas viram uma melhora de até 30% no desempenho da memória, enquanto os participantes que se exercitaram moderadamente não tiveram melhora, em média.

“Há uma necessidade urgente de intervenções que reduzam o risco de demência em idosos saudáveis. Apenas recentemente começamos a apreciar o papel que o estilo de vida desempenha, e o maior fator de risco modificador de todos é a atividade física”, diz Jennifer Heisz, professora associada de Departamento de Cinesiologia da Universidade McMaster e principal autora do estudo.

“Este trabalho ajudará a informar o público sobre prescrições de exercícios para a saúde do cérebro, para que eles saibam exatamente que tipos de exercícios aumentam a memória e mantêm a demência afastada”, diz ela.

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram dezenas de idosos sedentários, mas saudáveis, com idades entre 60 e 88 anos, que foram monitorados por um período de 12 semanas e participaram de três sessões por semana. Alguns realizaram treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) ou treinamento contínuo de intensidade moderada (MICT) enquanto um grupo controle separado se envolvia apenas em alongamentos.

O protocolo HIIT incluiu quatro séries de exercícios de alta intensidade em esteira por quatro minutos, seguidos por um período de recuperação. O protocolo MICT incluiu um conjunto de exercícios aeróbicos de intensidade moderada por quase 50 minutos.

Para capturar melhorias na memória relacionadas ao exercício, os pesquisadores usaram um teste específico que explora a função dos neurônios recém-nascidos gerados pelo exercício, mais ativos que os maduros e ideais para formar novas conexões e criar novas memórias.

A descoberta

Eles descobriram que os adultos mais velhos no grupo HIIT tiveram um aumento substancial na memória de alta interferência em comparação aos grupos MICT ou controle. Essa forma de memória nos permite distinguir um carro de outro da mesma marca ou modelo, por exemplo.

Exercícios de alta intensidade melhoram a memória em idososOs pesquisadores também descobriram que as melhorias nos níveis de condicionamento se correlacionavam diretamente com a melhoria no desempenho da memória .

“Nunca é tarde para obter os benefícios de saúde do cérebro por estar fisicamente ativo, mas se você está começando tarde e deseja ver resultados rapidamente, nossa pesquisa sugere que você pode precisar aumentar a intensidade do seu exercício”, diz Heisz.

Ela adverte que é importante adaptar o exercício aos níveis atuais de condicionamento físico, mas adicionar intensidade pode ser tão simples quanto adicionar colinas a uma caminhada diária ou aumentar o ritmo entre as luzes da rua.

“O exercício é uma intervenção promissora para retardar o início da demência. No entanto, não existem diretrizes para uma prevenção eficaz. Nossa esperança é que essa pesquisa ajude a formar essas diretrizes”.

Este trabalho baseia-se em pesquisas anteriores do laboratório de Heisz, que descobriram que a inatividade física contribui tanto para o risco de demência quanto para a genética.

O estudo completo foi publicado na revista Fisiologia Aplicada, Nutrição e Metabolismo.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.