Descoberta nova arma para o tratamento da leucemia mielóide aguda!

Segundo pesquisadores da Universidade Rice, EUA, uma combinação de medicamentos que afetam as mitocôndrias – as usinas de energia dentro das células – pode se tornar a melhor arma para tratamento da leucemia mielóide aguda.

Nova esperança no tratamento da leucemia mielóide aguda

Um estudo liderado pela biocientista Dra Natasha Kirienko e pela pesquisadora de pós-doutorado Svetlana Panina descobriu que os “Mitocanos”, medicamentos anticancerígenos direcionados às mitocôndrias, são particularmente hábeis em matar células de leucemia, especialmente quando combinados com um inibidor glicolítico, enquanto deixam células sanguíneas saudáveis na mesma amostra. praticamente inalterado.

“Começamos com a idéia de encontrar uma conexão subjacente entre os tipos de câncer e sua sensibilidade a tipos específicos de quimioterapêuticos, medicamentos direcionados às mitocôndrias. Nossa análise bioinformática, que incluiu 60 linhas celulares de nove tipos diferentes de câncer, mostrou que as células de leucemia são particularmente sensíveis a danos mitocondriais”, afirmou a Dra Kirienko.

Os pesquisadores expuseram as linhas celulares a múltiplas moléculas Mitocanas conhecidas. Eles descobriram que doses baixas de um coquetel de Mitocan/inibidor glicolítico mataram todas as linhas celulares de leucemia testadas em concentrações menores do que o necessário para matar células saudáveis. Por outro lado, eles relataram que células tumorais sólidas, como câncer de ovário, mostraram-se altamente resistentes aos mitocanos. As células de glioblastoma eram sensíveis aos mitocanos, mas infelizmente mais resistentes que as células sanguíneas saudáveis.

Nos seus melhores resultados experimentais, 86% das células alvo de leucemia foram mortas, em comparação com apenas 30% das células saudáveis ​​do sangue. “Vários medicamentos atualmente usados ​​na clínica têm alguma preferência por câncer, mas aqui estamos falando de uma diferença de cinco vezes na sobrevivência”, disse a Dra Kirienko.

Os pesquisadores também mostraram uma correlação significativa entre a eficiência com que as mitocôndrias podem transformar a energia do oxigênio recebido em adenosina trifosfato útil (ATP) e o quão resistentes são ao tratamento.

“Quanto mais eficientes forem, mais resistentes serão às drogas que atingem as mitocôndrias. Se isso for verdade, os médicos podem realizar um teste relativamente simples desse parâmetro específico de saúde mitocondrial a partir da amostra de um paciente e prever se o tratamento seria eficaz”, afirmou Kirienko.

Panina disse que os modelos computacionais os levaram a pensar que o caminho da glicólise poderia ser alistado para ajudar os mitocanos. “A glicólise também fornece ATP, de forma a atingir metas que diminuirão a energia e bloquearão o precursor da produção de energia nas mitocôndrias, que as mitocanas irão exacerbar ainda mais. Isso nos levou a acreditar que essa combinação teria um efeito sinérgico. As células cancerígenas são geralmente mais metabolicamente ativas do que as células normais, então previmos que elas podem ser mais sensíveis a esse ataque combinado, e são”, afirmou Panina.

Novas expectativas para o futuro

A Dra Kirienko disse que uma apresentação da pesquisa que ela e Panina fizeram no recente Simpósio sobre Metabolismo no MD Anderson Cancer Center deu uma grande resposta. “As pessoas estavam muito interessadas e imediatamente começaram a perguntar: ‘Você testou minha droga ou combinação favorita?’ e ‘Você vai testá-lo em um painel mais amplo de câncer?’ “.

Tratamento da leucemia mielóide aguda - Natasha Kirienko e Svetlana Panina
As biocientistas da Universidade Rice, Natasha Kirienko, à esquerda, e Svetlana Panina. Crédito: Universidade de Rice.

“Esse trabalho está em andamento, atualmente, estamos fazendo uma triagem de alto rendimento dessas possíveis combinações sinérgicas de drogas para o tratamento da leucemia mielóide aguda. Passamos por 36 combinações até agora, construindo paisagens para cada uma”, disse Panina.

“E descobrimos alguns que são mais eficazes do que o relatado neste artigo. Mas também descobrimos alguns antagônicos – dois medicamentos que negam os efeitos um do outro -, por isso também é importante saber quais coquetéis terapêuticos não devem andar juntos”, concluiu a Dra Kirienko.

O artigo completo com todos os detalhes sobre o tratamento da leucemia mielóide aguda foram publicados na renomada revista científica Nature.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.