Teste genético pode detectar pacientes com câncer de medula óssea!

Um novo teste genético pode ajudar os médicos a selecionar pacientes com mieloma múltiplo com câncer de medula óssea que apresentam “risco ultra alto” de seu câncer progredir agressivamente desde o início.

Os pesquisadores mostraram que os pacientes cujos cânceres apresentam padrões genéticos específicos têm uma sobrevida muito menor do que a média e é improvável que se beneficiem de um medicamento chamado lenalidomida por si só.

A seleção de pacientes cujos cânceres têm características genéticas de alto risco poderia, portanto, ajudar os médicos a perceber mais cedo se é improvável que respondam ao tratamento, permitindo que encontrem opções alternativas o mais cedo possível.

Novo teste para detectar o câncer de medula óssea

Cientistas do Instituto de Pesquisa do Câncer (ICR), em Londres, estudaram 329 pacientes nos hospitais do Reino Unido desde o estágio III do Cancer Research UK Myeloma XI, que analisou a eficácia de uma variedade de medicamentos direcionados, incluindo lenalidomida, em pessoas com diagnóstico recente de mieloma múltiplo.

Os pesquisadores procuraram pessoas em risco ultra-alto analisando padrões de atividade anormal dos genes e mutações genéticas de seus cânceres – com o objetivo de descobrir se essas ‘assinaturas’ poderiam fornecer pistas sobre o quão agressivo é o câncer, a velocidade com que ele se espalha e se é provável que responda sozinho ao tratamento com a lenalidomida.

Um quarto dos pacientes, 81 no total, tinha câncer com a chamada assinatura SKY92 – um padrão de atividade gênica envolvendo 92 genes ligados ao status de alto risco.

Em média, pacientes com câncer com a assinatura da expressão gênica de alto risco SKY92 tiveram um risco três vezes maior de seu câncer retornar mais cedo. Aqueles com mutações geneticamente modificadas – os chamados cânceres de “duplo golpe” – tiveram um risco duas vezes maior de morte.

A combinação de informações sobre esses dois recursos de risco, que antes eram considerados um teste de ‘ou’, melhorou a capacidade do pesquisador de prever o resultado da doença.

Cerca de 10% do grupo total de pacientes tinham tanto a assinatura SKY92 quanto as características genéticas de duplo golpe. As pessoas deste grupo corriam um risco extremamente alto de recaída precoce e agressiva da doença, com todos os cânceres desse grupo progredindo em quatro anos com as terapias padrão atuais – em oposição a respostas muito mais longas em outros grupos. Pacientes com doença de risco ultra alto tiveram um risco de morte 11 vezes maior em comparação com outros pacientes.

Os pesquisadores do ICR descobriram que é muito improvável que os pacientes desse grupo de alto risco se beneficiem da lenalidomida como terapia contínua ou de manutenção – um tratamento que pode ajudar muito eficientemente a impedir que o mieloma volte depois de ter respondido à terapia inicial em câncer com apenas alguns poucos ou nenhuma característica genética de alto risco.

Necessidades especiais

Pessoas com mieloma de alto risco têm uma necessidade não atendida de novas abordagens de tratamento, incluindo coquetéis de novos medicamentos para imunoterapia em combinação com quimioterapia. Os pesquisadores testarão diferentes combinações de medicamentos em um novo ensaio clínico, o OPTIMUM.

Em seguida, os pesquisadores planejam combinar as idéias deste estudo com o estudo OPTIMUM em andamento, que analisará 470 pacientes, a fim de encontrar opções alternativas de tratamento para pessoas com mieloma de alto risco.

O líder do estudo, Dr. Martin Kaiser, Líder da Equipe de Terapia Molecular do Mieloma do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, e Consultor de Hematologia da Fundação Royal Marsden NHS Foundation, disse:

“Nosso estudo mostra que pessoas cujos tumores têm uma combinação de características genéticas de ‘risco ultra alto’ têm uma doença particularmente agressiva, que não responde suficientemente ao tratamento padrão para manter o câncer sob controle. O teste de características genéticas de alto risco pode ajudar a direcionar o tratamento do mieloma, concentrando-se nas necessidades específicas de cada paciente. Nem todos os pacientes com mieloma são iguais, e sabemos que, ao entender melhor as características genéticas e moleculares do câncer, podemos personalizar tratamento com muito mais eficácia.

O próximo passo é combinar nossos resultados para este estudo com o estudo OPTIMUM em andamento, que nos fornecerá mais informações sobre como adaptar o tratamento para pacientes com risco ultra-alto, com base em informações genéticas”.

O professor Paul Workman, diretor executivo do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, disse:

“Esta nova e empolgante pesquisa mostra como é possível usar informações genéticas para dividir pacientes com câncer de medula óssea em diferentes subtipos de doenças e planejar o tratamento de acordo. novo tratamento pode melhorar a sobrevivência”.

Teste genético detecta pacientes com câncer de medula óssea

Sarah McDonald, diretora de pesquisa do Myeloma UK, disse:

“Estamos cientes de que o mieloma não é um câncer de ‘tamanho único’ e o tratamento precisa se tornar mais personalizado. Este artigo sobre a pesquisa inovadora realizada pela equipe de ICR é um grande passo à frente. A capacidade de identificar pacientes de alto risco significa que eles podem receber o tratamento intensivo de que precisam mais cedo e permite um estudo mais aprofundado dessa coorte para desenvolver novas abordagens de tratamento que possam melhorar a sobrevida do paciente”.

 

__________________________

O estudo completo com seus detalhes foi publicado na revista oncológica Leukemia.

* “Predicting ultrahigh risk multiple myeloma by molecular profiling: an analysis of newly diagnosed transplant eligible myeloma XI trial patients”- 2020.

Autores do estudo: Vallari Shah, Amy L. Sherborne, David C. Johnson, Sidra Ellis, Amy Price, Farzana Chowdhury, Jack Kendall, Matthew W. Jenner, Mark T. Drayson, Roger G. Owen, Walter M. Gregory, Gareth J. Morgan, Faith E. Davies, Gordon Cook, David A. Cairns, Richard S. Houlston, Graham Jackson, Martin F. Kaiser – 10.1038/s41375-020-0750-z

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.