Identificada proteína que prevenir neuropatia da quimioterapia!

Uma equipe de pesquisadores da Escola de Medicina NUS Yong Loo Lin, Singapura, identificou uma nova proteína que impediria o desenvolvimento de neuropatia em pacientes com câncer que recebem quimioterapia.

A quimioterapia é um dos tratamentos mais comumente recomendados para muitas formas de câncer. Um efeito colateral importante, no entanto, é a neuropatia periférica ou o dano ou disfunção de um ou mais nervos que normalmente resulta em dormência, formigamento, fraqueza muscular e dor na área afetada. Começa frequentemente nas mãos e pés de um paciente, embora outras regiões e partes do corpo também possam ser afetadas.

No momento, não há como prevenir ou tratar a neuropatia causada por medicamentos quimioterápicos. A única opção é limitar ou interromper o tratamento quimioterápico. Como resultado, muitos pacientes não conseguem tolerar bem a quimioterapia.

Prevenir a neuropatia da quimioterapia

Em um estudo recente uma equipe de pesquisadores liderada em conjunto pelo professor Raymond Deron Herr e pelo professor Raghav Sundar da Escola de Medicina NUS Yong Loo Lin se propôs a examinar se o S1P2, uma proteína receptora que reside na superfície das células do sistema nervoso, é um alvo potencial no tratamento da neuropatia induzida por quimioterapia.

A equipe analisou primeiro os efeitos dos medicamentos quimioterápicos à base de platina, como a cisplatina, na regulação do S1P2 e descobriu que a quimioterapia altera a atividade do S1P2. A equipe demonstrou ainda que a ativação do S1P2 com um composto semelhante ao medicamento pode proteger as células nervosas de danos e dores. Isso contrasta com o acúmulo de radicais livres nos nervos, levando à degeneração nervosa quando o receptor é removido. A equipe concluiu que é possível bloquear tanto a lesão do nervo quanto a dor quando o S1P2 é ativado com um medicamento enquanto se administra a cisplatina.

Existem três classes principais de medicamentos que causam neuropatia: compostos de platina (cisplatina e oxaliplatina), taxanos (paclitaxel) e um medicamento específico conhecido como bortezomibe.

“Embora o estudo tenha focado nos efeitos da cisplatina, com base no que sabemos sobre os processos moleculares, é provável que um medicamento S1P2 funcione em todos os casos de neuropatia induzida por quimioterapia. Além disso, é possível que esse medicamento possa tratar muitas outras formas de neuropatia, como as causadas por lesão nervosa, doença auto-imune ou diabetes”, disse o Dr. Herr.

Identificada proteína que prevenir neuropatia“A neuropatia ou dormência da quimioterapia é um efeito colateral comum e debilitante enfrentado pelos pacientes, com poucos tratamentos comprovados. Nosso estudo fornece uma compreensão mais profunda da biologia dessa condição, permitindo o desenvolvimento de tratamentos em potencial para reduzir a neuropatia induzida pela quimioterapia. Nós atualmente estão explorando novas moléculas de medicamentos que permitiriam a ativação do S1P2 de maneira mais eficaz e estável”, acrescentou o Dr Sundar, que também é consultor do Departamento de Hematologia-Oncologia do Instituto Nacional de Câncer da Universidade de Singapura (NCIS).

 

___________________________

O estudo completo foi publicado no periódico científico Journal of Biological Chemistry.

* “Activation of sphingosine 1-phosphate receptor 2 attenuates chemotherapy-induced neuropathy” – 2020.

Autores do estudo: Wei Wang, Ping Xiang, Wee Siong Chew, Federico Torta, Aishwarya Bandla, Violeta Lopez, Wei Lun Seow, Brenda Wan Shing Lam, Jing Kai Chang, Peiyan Wong, Kanokporn Chayaburakul, Wei-Yi Ong, Markus R. Wenk, Raghav Sundar, Deron R. Herr – 10.1074 / jbc.RA119.011699

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.