Baixo peso em adultos pode estar associado à dispepsia funcional

O baixo peso foi associado à dispepsia funcional (DF) em adultos, independentemente da presença de ansiedade, constatou um estudo transversal asiático, embora a ansiedade também estivesse associada à DF.

Nenhuma relação foi encontrada entre alto índice de massa corporal (IMC) e outros distúrbios gastrointestinais funcionais (FGIDs), de acordo com Kee Huat Chuah, MD, da Universidade da Malásia em Kuala Lumpur, e colegas.

Os resultados, publicados online na PLoS One, mostraram que em diferentes FGIDs, incluindo a síndrome do intestino irritável (SCI) e diarreia funcional e constipação, dispepsia funcional afetou mais adultos com baixo peso (definido como IMC menor que 18,5) em comparação com um grupo de controle não FGID.

Na análise multivariável, o baixo peso manteve uma associação independente com a DF, para um odds ratio (OR) de 3,648, relataram os pesquisadores.

Quando a morbidade psicológica foi explorada em uma segunda fase do estudo, a ansiedade, mas não a depressão, foi independentemente associada com a DF. Além disso, um IMC menor que 18,5 também foi independentemente associado com a dispepsia funcional.

Detalhes do estudo

O estudo baseado em um questionário que contou com 1.002 adultos, conduzido no ambiente de atenção primária em uma unidade de saúde da equipe durante 2019-2020, descobriu que a prevalência baseada nos critérios de Roma III de FGIDs comuns era de 20,7%, uma taxa muito semelhante à de 2020 Estudo global da Fundação Roma, que encontrou uma prevalência de FGID de 20,9%.

A idade média dos participantes no novo estudo para aqueles com (207 pacientes) e sem (795 pacientes) esses distúrbios era de 32, e havia predominância do sexo feminino (65% dos participantes no geral). Mais de 90% eram de etnia malaia.

Uma grande proporção dos participantes eram obesos (39,2%) – a equipe observou que a obesidade é um problema de saúde crescente na Malásia – e destes, 51,7% tinham obesidade “central” (51,7%), enquanto 6,1% tinham síndrome metabólica. A grande maioria dos participantes era não fumante e não consumia bebidas alcoólicas.

Por diferentes tipos de FGID, a coorte do estudo mostrou as seguintes taxas de prevalência:

  • FD: 7,5% (75 pacientes)
  • SCI: 4,0% (40 pacientes)
  • Diarreia funcional: 1,2% (12 pacientes)
  • Constipação funcional: 10,5% (105 pacientes)

No geral, a prevalência de IMC baixo ou alto foi semelhante em indivíduos com e sem FGIDs:

  • Abaixo do peso: 6,3% vs 3,5%
  • Obeso: 35,7% vs 40,1%

Nem a obesidade central nem a síndrome metabólica se correlacionaram com os FGIDs.

Os pesquisadores notaram que as descobertas também são consistentes com as de um grande estudo populacional da França, no qual estar abaixo do peso foi independentemente associado com DF em mulheres.

O estudo da Malásia também sugeriu que a diarreia funcional pode estar associada à obesidade central, mas essa associação não pôde ser confirmada por análise multivariada, uma vez que apenas um pequeno número de indivíduos tinha diarreia funcional. Um grande estudo populacional de 2019 nos EUA relatou que a obesidade estava positivamente associada à diarreia crônica.

O que vem primeiro?

Transtornos alimentares, frequentemente associados à neurose de ansiedade, foram relatados em associação bidirecional com IMC baixo e DF simultaneamente. “Portanto, pode ser postulado que os indivíduos com DF com baixo IMC em nosso estudo podem ter resultado de ansiedade e/ou transtornos alimentares”, escreveram Chuah e os coautores. “Alternativamente, as restrições dietéticas por parte dos indivíduos devido a sintomas persistentes de DF podem ter levado a um baixo IMC e ansiedade.”

A equipe pediu mais estudos de desenho longitudinal para explorar se a ansiedade causa um baixo IMC no DF ou vice-versa.

William D. Chey, MD, da Michigan Medicine em Ann Arbor, que não esteve envolvido com a pesquisa, considerou os resultados interessantes e disse que eles podem ser aplicáveis ​​à população dos EUA, uma vez que as taxas de obesidade são comparáveis ​​às da Malásia.

“Mas concordo que é importante considerar se essas observações são causa ou efeito”, comentou. “Em outras palavras, o DF pode fazer com que as pessoas percam peso ou pessoas magras podem ser mais propensas a desenvolver DF. Eu acho que essas observações têm validade aparente. Lembre-se de que pacientes com dispepsia funcional que apresentam sintomas de plenitude e saciedade precoce relacionados às refeições são incapazes de comer muito sem se sentirem mal.”

Estudos anteriores mostraram que os pacientes com síndrome de angústia pós-prandial geralmente perdem peso com a doença, continuou Chey. “Por outro lado, os pacientes com anorexia costumam ter anormalidades mensuráveis ​​no esvaziamento gástrico, mas isso não quer dizer que todos os pacientes com DF têm transtornos alimentares. Meu ponto é que certas condições não gastrointestinais associadas à perda de peso também podem estar associadas à função GI anormal.”

Em última análise, no entanto, um estudo observacional como este não pode responder a perguntas sobre causa e efeito, mas deve levar a hipóteses que podem ser testadas mais formalmente em estudos posteriores, disse ele.

Gerard E. Mullin, MD, MS, da Escola de Medicina da Universidade John Hopkins em Baltimore, que também não envolvido na pesquisa, concordou que a ansiedade pode limitar a ingestão calórica e resultar em IMC mais baixo.

“Além disso, o microbioma intestinal pode ter efeitos negativos no comportamento e no humor e é alterado nos distúrbios intestinais funcionais”, disse ele ao MedPage Today.

Seu grupo publicou recentemente uma revisão sistemática e meta-análise do microbioma intestinal desordenado em doenças intestinais funcionais – em particular em pacientes com diarreia e SCI – e concluiu que a SCI é caracterizada por disbiose microbiana intestinal. Além disso, a obesidade tem sido associada a comunidades desordenadas de micróbios intestinais, disse ele.

As limitações do estudo, observaram os pesquisadores, incluíam o fato de não ter uma base populacional, com a coorte consistindo principalmente de hospitais bem-educados e funcionários universitários recebendo atendimento primário.

Além disso, os dados sobre transtornos psicológicos foram obtidos apenas de um subgrupo de participantes originais na segunda fase do estudo, que o número de participantes com diarreia funcional era baixo, o desenho transversal não permitiu avaliar a causalidade das associações do IMC com FGID. O questionário do estudo perguntou sobre hábitos alimentares.

__________________________

O estudo original foi publicado no PLoS One

* “The association of body mass index with functional dyspepsia is independent of psychological morbidity: A cross-sectional study” – 2021

Autores do estudo: Keng Hau Beh, Kee Huat Chuah, Nurul Azmi Mahamad Rappek, Sanjiv Mahadeva – 10.1371/journal.pone.0245511

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.