Bactérias mais resistentes até mesmo sem o uso de antibióticos!

Os pesquisadores concluem a partir de experimentos de laboratório que a resistência aos antibióticos não se espalha apenas onde e quando os antibióticos são usados ​​em grandes quantidades. Portanto, reduzir o uso de antibióticos por si só não é suficiente para reduzir a resistência e deve ser feito em conjunto com medidas para prevenir a infecção por germes resistentes.

Bactérias mais resistentes ao uso de antibióticos

Uma equipe de pesquisadores liderada por cientistas da ETH Zurich e da Universidade de Basel descobriu agora um mecanismo adicional, anteriormente desconhecido, que espalha a resistência nas bactérias intestinais, independente do uso de antibióticos. “Restringir o uso de antibióticos é importante e, de fato, a coisa certa a se fazer, mas essa medida por si só não é suficiente para impedir a disseminação da resistência”, diz Médéric Diard, Professor no Biozentrum da Universidade de Basileia. Ele continua: “Se você deseja controlar a disseminação dos genes de resistência, precisa começar pelos próprios microorganismos resistentes e impedir que eles se espalhem por, digamos, medidas de higiene ou vacinas mais eficazes”.

Dois mecanismos de resistência combinados

Os cientistas sabem há algum tempo que, assim como as bactérias que carregam genes de resistência, os persistentes podem sobreviver ao tratamento com antibióticos, elas caem em um estado temporário e inativo e podem reduzir ao mínimo seu metabolismo, o que impede que os antibióticos as matem.

No caso das salmonelas, as bactérias ficam adormecidas quando penetram no tecido do corpo a partir do interior do intestino. Uma vez que eles invadiram o tecido, os persistentes podem viver lá sem serem detectados por meses antes de acordarem de seu estado adormecido. Se as condições forem favoráveis ​​à sobrevivência bacteriana, a infecção poderá surgir novamente.

Mesmo que os persistentes não causem uma nova infecção, eles ainda podem ter um efeito adverso. Na salmonela, é comum uma combinação dos dois mecanismos de resistência: persistores que também carregam pequenas moléculas de DNA (plasmídeos) contendo genes de resistência.

Em experimentos com ratos, os pesquisadores demonstraram que a salmonela adormecida no intestino pode transmitir seus genes de resistência a outras bactérias individuais da mesma espécie e até a outras espécies, como E. coli, da flora intestinal normal. Seus experimentos mostraram que os persistores são muito eficientes em compartilhar seus genes de resistência assim que despertam de seu estado adormecido e encontram outras bactérias suscetíveis à transferência de genes.

Bactérias mais resistentes mesmo sem o uso de antibióticos

“Ao explorar a bactéria hospedeira persistente, os plasmídeos de resistência podem sobreviver por um período prolongado em um hospedeiro antes de serem transferidos para outras bactérias. Isso acelera a disseminação. É importante observar aqui que essa transferência ocorre independentemente de antibióticos estarem presentes ou não”, concluiu o Professor Médéric Diard.

Os pesquisadores agora querem levar suas descobertas em ratos e explorá-las mais de perto em animais que frequentemente sofrem de infecções por salmonela, como porcos. Os cientistas também querem investigar se é possível controlar a propagação da resistência nas populações de animais com probióticos ou com uma vacinação contra salmonelas.

Os resultados foram publicados na conceituada revista Nature.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *