Uma nova pesquisa revela o risco do uso de antibióticos por idosos!

Uma nova pesquisa descobriu quão arriscado é o uso de antibióticos por idosos, ainda mais aqueles que costumam se automedicar, esta pesquisa abre caminhos para que os profissionais de saúde possam melhorar suas formas de prescrever tais medicamentos.

O uso de antibióticos por idosos

De acordo com a pesquisa realizada entre os americanos, um em cada cinco diz que, no passado, eles se envolveram em uma prática arriscada: tomar antibióticos restantes sem consultar um profissional médico.

Enquanto isso, dois em cada cinco disseram esperar que seus médicos prescrevessem antibióticos para um resfriado – mesmo que os medicamentos não funcionem em resfriados e outras doenças causadas por vírus.

Apesar dessas práticas e expectativas, 89% dos adultos entre 50 e 80 anos que responderam à Pesquisa Nacional sobre Envelhecimento Saudável entenderam que o uso excessivo de antibióticos pode significar que os medicamentos não funcionarão contra infecções no futuro.

“Obviamente, temos trabalho a fazer para ajudar os idosos a entender o uso seguro e adequado desses medicamentos, a fim de preservar a eficácia dos antibióticos para os pacientes que mais precisam deles. Essas descobertas devem ser um lembrete para médicos, enfermeiros, farmacêuticos e outros profissionais de saúde para intensificar suas práticas de prescrição sábia e a educação do paciente”, diz o diretor da pesquisa o Dr Preeti Malani, especialista em doenças infecciosas e no cuidado com idosos.

A pesquisa, realizada pelo Instituto de Política e Inovação em Saúde da Universidade de Michigan, com apoio da AARP e Michigan Medicine, Centro Médico Acadêmico da UM, envolveu uma amostra nacional de mais de 2.256 adultos com idades entre 50 e 80 anos. Eles responderam perguntas sobre muitos aspectos da uso de antibióticos.

Duas formas de uso arriscado

Um em cada oito idosos entrevistados disse que havia tomado pílulas sobra sua última prescrição de antibióticos, mesmo que os antibióticos devam ser tomados conforme prescrito, geralmente até a última ser engolida.

Para os 13% que restaram antibióticos nos últimos dois anos, apenas um em cada cinco os descartou com segurança, sugerindo uma oportunidade para a educação. Mas a maioria dos demais disse que se apegou às sobras, caso eles ou um membro da família desenvolvessem uma infecção mais tarde.

Os resultados da pesquisa sugerem que esses antibióticos restantes são usados ​​com mais frequência do que os prestadores de serviços de saúde podem querer acreditar, especialmente por pessoas na faixa dos 50 e início dos 60 anos, em comparação com aqueles com mais de 65 anos.

Aqueles que pararam de tomar antibióticos precocemente tinham muito mais probabilidade de usar as sobras de pílulas – próprias ou de outras pessoas – sem orientação. De fato, metade dos que tiveram sobras nos últimos dois anos disseram ter tomado antibióticos sem conversar com um profissional de saúde pelo menos uma vez na vida, em comparação com 19% de todos os entrevistados.

Atitudes divididas

A pesquisa também investigou as atitudes dos idosos em relação à prescrição de antibióticos. Enquanto 56% dos entrevistados disseram que acham que os médicos prescrevem antibióticos em excesso, 23% disseram que os médicos não prescrevem os remédios quando deveriam.

Pesquisa revela o risco do uso de antibióticos por idososOs prestadores de serviços de saúde receberam muito mais atenção na última década em relação à prescrição de antibióticos do que no passado, à medida que sistemas de saúde, seguradoras e governo federal trabalham para tornar a prescrição mais apropriada.

Apesar desses esforços, o número de “erros ruins” que desenvolveram resistência a antibióticos comuns continua a aumentar. Bactérias resistentes a medicamentos são agora consideradas uma ameaça máxima pela Organização Mundial da Saúde e pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Os resultados da pesquisa sugerem que atualmente existem milhões de doses de antibióticos nos fundos dos armários de remédios em todo o país, cabe aos profissionais de saúde ajudar a evitar o uso de antibióticos por idosos já no momento da consulta ou do atendimento, antes que vire caso de saúde pública. Os dados da pesquisa servirão como base para outras organizações mundo afora que não possuem números precisos sobre o uso de tais drogas por pessoas com mais idade.

Um relatório completo das descobertas e metodologia juntamente com os relatórios anteriores da Pesquisa Nacional sobre Envelhecimento Saudável está disponível no site oficial da Universidade Michigan.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.