Opioides podem viciar pacientes que fizeram uso do medicamento

Em um estudo, pesquisadores relataram que entre os pacientes com câncer que foram tratados a longo prazo com opioides para alívio da dor, 19% desenvolveram comportamento de risco de uso não médico com o opioides (nonmedical opioid use [NMOU]).

O ensaio contou com mais de 1.500 pacientes que foram tratados em uma clínica de cuidados de suporte de um centro de câncer  abrangente, o comportamento mais normalizado do NMOU foi uma solicitação precoce de reabastecimento, em 29%, seguido por aumento de dose auto dirigido em 15% de uso conjunto de ilícitos ou medicamentos que foram prescritos em função diária prejudicada por conta de opioides em 11%, entre outros, de acordo com uma equipe de pesquisa liderada por Sriram Yennurajalingam, MD, MS, do MD Anderson Cancer Center de Câncer localizado em Houston.

“Esta descoberta destaca a necessidade de vigilância contínua e uso cuidadoso desses opioides nesta população”, afirmaram os autores no JAMA Oncology.

Na avaliação multivariada, diversos fatores foram associados de forma independente a um risco maior de comportamentos NMOU, incluindo estado civil solteiro (HR 1,58, IC 95% 1,15-2,18, P=0,005) ou estado civil divorciado (HR 1,43, IC 95% 1,01-2,03, P=0,04), nível de dor baseado na Escala de Avaliação de Sintomas de Edmonton (ESAS) (HR 1,11, IC 95% 1,06-1,16, P<0,001), Escore de Avaliação e Avaliação de Opioides para Pacientes com Dor (SOAPP) (HR positivo vs negativo HR 1,35, 95% CI 1,04-1,74, P=0,02), e dose diária que equivale a morfina (HR 1,003, IC 95% 1,002-1,004, P<0,001).

Em uma análise de partição recursiva, uma dose diária equivalente de morfina >50 mg, sendo único, e um escore SOAPP de 7 ou maior foram associados com um risco 56% maior de desenvolver comportamento NMOU.

“Com base nessas descobertas, uma triagem universal, estabelecendo limites para o uso de opioides, limitando o fornecimento, um acompanhamento mais intenso com uma equipe interdisciplinar para fornecer o uso ideal de medicamentos para o controle da dor e dos sintomas, e o fornecimento de aconselhamento e apoio aos pacientes e seus familiares podem ajudar a prevenir o desenvolvimento desses comportamentos NMOU “, disseram Yennurajalingam e coautores.

Características do estudo

O estudo avaliou os comportamentos do NMOU em 1.554 pacientes que tiveram câncer e fizeram uso consecutivo de opioides para tratar a dor, que foram direcionados para a clínica de cuidados de suporte

Os pacientes foram examinados com base na pontuação SOAPP, a pesquisa Cut Down, Annoyed, Guilty, Eye Opener-Adapted to Include Drugs (CAGE-AID) e nível de dor ESAS.

Ao total, 29,4% dos pacientes demonstraram o escore SOAPP de 7 ou superior. Na pesquisa CAGE-AID, 16,6% atingiram ao menos 2 de 4 pontos. A idade média da coorte foi de 61 anos, 52,5% eram mulheres, 72,3% eram brancos e 19,2% apresentavam um ou mais comportamentos NMOU, com 745 comportamentos que foram registrados entre os 299 pacientes.

Demais comportamentos NMOU acrescentaram resistência a mudança na prescrição de um opioide (7%), solicitação de um opioide específico (6%), compra de um médico (6%), relatos de perda de medicamento (4%), visitas frequentes ao departamento de emergência para opioides (3 %), um membro da família preocupado (3%), solicitando opioides por outras razões que não a dor (2%) e obtendo opioides de fontes não médicas (1%).

Outros comportamentos NMOU incluíram resistência à mudança na prescrição de um opioide (7%), solicitação de um opioide específico (6%), compra de um médico (6%), relatos de perda de medicamento (4%), visitas frequentes ao departamento de emergência para opioides (3 %), um membro da família preocupado (3%), solicitando opioides por outras que não eram a dor (2%) e obtendo opioides de fontes não médicas (1%).

________________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Oncology

“Frequency of and Factors Associated With Nonmedical Opioid Use Behavior Among Patients With Cancer Receiving Opioids for Cancer Pain” – 2021

Autores do estudo: Sriram Yennurajalingam, MD, MS; Joseph Arthur, MD; Suresh Reddy, MD; Tonya Edwards, MS, MSN, FNP-C; Zhanni Lu, Dr Ph; Aline Rozman de Moraes, MD; Susamma M. Wilson, RN, CDN; Elif Erdogan, MD, Manju P. Joy, MSN, BSN, RN, CMSRN; Shirley Darlene Ethridge, BSN, RN, CHPN; Leela Kuriakose, BSN, CHPN; Jimi S. Malik, MD, John M. Najera, MA, LPC; Saima Rashid, MD; Yu Qian, MD; Michal J. Kubiak, MD; Kristy Nguyen; PharmD; Jimin Wu, MS; David Hui, MD; Eduardo Bruera, MD – 10.1001/jamaoncol.2020.6789

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.