Tratamento para câncer de mama: congelamento do tecido canceroso!

Um novo dispositivo reutilizável criado pela Universidade Johns Hopkins pode ajudar no tratamento para câncer de mama em países de baixa renda usando dióxido de carbono, um gás amplamente disponível e acessível, para alimentar uma sonda de congelamento de tecido de câncer em vez de argônio padrão da indústria.

Nova opção de tratamento para câncer de mama

“A inovação no tratamento de câncer de mama nem sempre significa que você precisa criar um tratamento inteiramente novo, às vezes significa inovar radicalmente em terapias comprovadas, de modo que sejam redesenhadas para serem acessíveis à maioria da população mundial”, disse o Dr Bailey Surtees, do setor de engenharia biomédica da Universidade Johns Hopkins e primeiro autor do estudo.

A maior causa de mortalidade por câncer em mulheres em todo o mundo, o câncer de mama afeta desproporcionalmente mulheres em países de baixa renda devido à falta de tratamento. Em países de baixa renda, as principais barreiras ao tratamento do câncer de mama são opções de tratamento inadequadas – com cirurgia, quimioterapia e radiação sendo impraticáveis ​​ou muito caras – e longos tempos de viagem para hospitais regionais, onde o tratamento eficiente está disponível.

A matança de tecido canceroso com resfriado ou crioablação é preferível à remoção cirúrgica de tumores nesses países, pois elimina a necessidade de uma sala cirúrgica estéril e anestesia, possibilitando assim que as clínicas locais realizem o procedimento. Também é minimamente invasivo, reduzindo assim complicações como dor, sangramento e tempo de recuperação prolongado.

Acima uma animação demonstrando como um novo dispositivo da Universidade Johns Hopkins usa dióxido de carbono para alimentar um dispositivo de congelamento de tecido cancerígeno em vez de argônio. Imagem gentilmente cedido ao 4Medic por: Johns Hopkins University.

As tecnologias atuais de crioablação, no entanto, são muito caras, com um único tratamento custando mais de US$ 10 mil dólares e são dependentes do gás argônio, que normalmente não está disponível em países de baixa renda, para formar cristais de gelo que matam tecidos.

Com essas barreiras em mente, a equipe de pesquisa liderada por estudantes, chamada Kubanda (que significa “frio” em zulu), queria criar uma ferramenta de congelamento de tecidos que usa dióxido de carbono, que já está amplamente disponível na maioria das áreas rurais graças ao popularidade de bebidas carbonatadas.

A equipe de pesquisa testou sua ferramenta em três experimentos para garantir que ela poderia permanecer fria o suficiente em condições semelhantes às da mama humana e matar com sucesso o tecido tumoral.

No primeiro experimento, a equipe usou a ferramenta em frascos de gel de ultrassom, que imita termodinamicamente o tecido mamário humano, para determinar se ele poderia atingir com sucesso as temperaturas normais de congelamento, matando os tecidos e formando bolas de gelo consistentes. Em todos os testes, o dispositivo formou bolas de gelo grandes o suficiente e atingiu temperaturas abaixo de -40 graus Celsius, que atende às temperaturas padrão de congelamento para a morte de tecidos para dispositivos semelhantes nos Estados Unidos.

Para o segundo experimento, a equipe tratou 9 ratos com 10 tumores mamários. Posteriormente, eles olharam para o tecido ao microscópio e confirmaram que a ferramenta matou com sucesso 85% ou mais de tecido para todos os tumores.

Finalmente, a equipe testou a capacidade da ferramenta em atingir temperaturas suficientemente baixas para a destruição de tecido no fígado normal de um porco, que tem uma temperatura semelhante a uma mama humana. O dispositivo foi capaz de permanecer frio o suficiente durante todo o experimento para matar o tecido alvo.

Embora os resultados sejam promissores, o dispositivo ainda requer experimentos adicionais antes de estar pronto para uso comercial. Principalmente, os próximos passos da equipe de pesquisa são garantir que ela possa matar de forma consistente o tecido canceroso sob as mesmas condições de calor que o tecido mamário humano.

Um estudo detalhando o sucesso da ferramenta em animais foi publicado na revista científica PLOS One.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *