Mão protética controlada pelo cérebro para se tornar realidade!

Imagine um paciente controlando o movimento de sua mão protética simplesmente pensando em comandos. Pode soar como ficção científica, mas logo se tornará realidade graças ao projeto DeTOP financiado pela União Europeia. Um consórcio de engenheiros, neurocientistas e clínicos deu grandes passos no desenvolvimento da tecnologia por trás de próteses mais naturais e funcionais.

A mão protética e as pesquisas

A equipe usa um gateway homem-máquina osseointegrado (OHMG) para desenvolver uma ligação física entre uma pessoa e uma prótese robótica. Um paciente na Suécia foi o primeiro receptor de implantes de titânio com o sistema OHMG.

O OHMG é montado diretamente nos ossos do usuário, dos quais eletrodos até nervos e músculos extraem sinais para controlar uma mão robótica e proporcionar sensações táteis. O paciente começará a usar uma prótese de treinamento nos próximos meses antes de ser equipado com a nova mão protética artificial desenvolvida pelos parceiros DeTOP.

Isso ajudará a equipe a avaliar todo o sistema, incluindo a interface implantada, a eletrônica, bem como as funções do pulso e da mão. Coordenação motora e força de preensão também serão avaliadas durante os testes.

Controle natural

Na mesma notícia, o coordenador do projeto, Christian Cipriani, da Escola de Estudos Avançados Sant Anna diz: “O implante nos dá uma oportunidade única de estudar como o cérebro se comunica com a nova mão. O controle deve ser muito natural – por exemplo, o paciente deve pensar em mover o dedo indicador e o dedo indicador deve se movimentar nesse comando. Mais pacientes estão alinhados para essa cirurgia com implantes OHMG que envolvem diferentes tipos de amputações do braço, para garantir que o sistema seja flexível o suficiente para atender a uma ampla gama de necessidades. O trabalho também continua no desenvolvimento de circuitos integrados capazes de coletar bio-sinais dos usuários. Esses circuitos são implantados em uma pessoa com o objetivo de tornar o elo humano-máquina ainda mais eficiente e responsivo”.

O objetivo do projeto DeTOP (Prótese Osseointegrada Dexterosa Transradial com controle neural e feedback sensorial) é “desenvolver a prótese transradial de próxima geração implementando clinicamente as tecnologias robóticas, sensoriais e de interface de longo prazo”, conforme indicado no CORDIS.

Próteses transradiais são dispositivos utilizados por amputados abaixo do cotovelo. O projeto em andamento demonstrou que as interfaces neuromusculares desenvolvidas décadas atrás podem melhorar significativamente o controle e a funcionalidade da prótese, se tornadas clinicamente viáveis ​​por terem uma OHMG estável em longo prazo.

Os resultados do projeto terão implicações para várias áreas, incluindo a indústria biomédica, neurociências, terapia ocupacional de membros superiores e produtos eletrônicos de consumo. Também terá um impacto nos procedimentos cirúrgicos para pessoas que sofrem de amputação de membros e para aqueles com déficits motores incapacitantes devido a outras doenças neurológicas, como acidente vascular cerebral, traumatismo cerebral e medular, plexo braquial ou lombossacral e lesões nervosas periféricas.

Os detalhes do projeto estão no site oficial do CORDIS.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *