Identificado um novo alvo no tratamento antiviral do COVID-19!

Em busca de cura, pesquisadores da Universidade de Cornell identificaram um possível alvo para o tratamento antiviral do COVID-19.

Tratamento antiviral do COVID-19

Os pesquisadores inicialmente se propuseram a analisar a estrutura e as características do SARS-CoV (coronavírus da síndrome respiratória aguda grave) e MERS-CoV (coronavírus da síndrome respiratória do Oriente Médio), com foco na proteína spike – especificamente no peptídeo de fusão – que permite esses vírus para infectar células transferindo seu genoma.

À medida que a pandemia atual aumentou, os pesquisadores compararam as sequências biológicas dos peptídeos de fusão do SARS-CoV com o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, e descobriram que eles correspondiam a 93%.

A Dra Susan Daniel’s é especializado em biofísica da membrana celular, e juntamente com o Dr Gary Whittaker estuda a entrada de influenza e coronavírus nas células hospedeiras. Seu grupo combinado está se aprofundando no intrincado procedimento de fusão de membranas – uma parte crítica do mecanismo pelo qual os coronavírus se espalham.

A fusão de membranas é um processo de várias etapas que começa com o vírus, reconhecendo que encontrou o tipo certo de célula para infectar. Para fazer isso, o vírus recebe feedback do ambiente químico, incluindo dicas como o receptor que a célula hospedeira apresenta. O vírus então se liga ao receptor da célula hospedeira por meio da proteína spike.

Em seguida, um pedaço da proteína spike, chamado peptídeo de fusão, interage diretamente com a membrana da célula hospedeira e facilita a fusão para formar um poro de fusão ou abertura. O vírus então transfere seu genoma para a célula hospedeira através desse poro. Essas instruções genômicas essencialmente comandam o maquinário da hospedeira para produzir mais vírus.

Identificado um novo alvo para o tratamento antiviral do COVID-19O grupo descobriu que os íons de cálcio que interagem com o peptídeo de fusão podem alterar a estrutura do peptídeo e como ele interage com as membranas de maneira a promover a infecção em MERS e SARS. Agora, os pesquisadores estão voltando sua atenção para o SARS-CoV-2 porque os peptídeos de fusão são consistentes nos três vírus.

A equipe está esperançosa de que a pesquisa possa esclarecer algumas das questões relacionadas à química em torno do COVID-19, como ele foi capaz de se modificar nos seres humanos, quais sinais químicos facilitaram esse processo e por que o vírus é capaz de se replicar tão facilmente no trato respiratório.

 

____________________________

O artigo foi publicado na revista científica Antiviral Research.

* “Coronavirus membrane fusion mechanism offers as a potential target for antiviral development” – 2020.

Autores do estudo: Tiffany Tang, Miya Bidon, Javier A.Jaimes, Gary R. Whittaker, Susan Daniel – 10.1016/j.antiviral.2020.104792

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.