Estudo: sal em excesso enfraquece o sistema imunológico!

Uma dieta rica em sal não é apenas ruim para a pressão sanguínea, mas também para o sistema imunológico. Esta é a conclusão de um estudo atual sob a liderança do Hospital Universitário de Bonn, na Alemanha. Verificou-se que camundongos alimentados com uma dieta rica em sal sofrem de infecções bacterianas muito mais graves.

Voluntários humanos que consumiram seis gramas adicionais de sal por dia também apresentaram deficiências imunológicas pronunciadas. Esse valor corresponde ao teor de sal de duas refeições de fast food.

O cloreto de sódio

Cinco gramas por dia, não mais: essa é a quantidade máxima de sal que os adultos devem consumir, de acordo com as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Corresponde aproximadamente a uma colher de chá de nível. Na realidade, porém, muitos alemães excedem consideravelmente esse limite: os números do Instituto Robert Koch sugerem que, em média, os homens consomem dez, mulheres, mais de oito gramas por dia.

“O cloreto de sódio, seu nome químico, aumenta a pressão sanguínea e, portanto, aumenta o risco de ataque cardíaco ou derrame. Mas não é só isso: Agora conseguimos provar pela primeira vez que a ingestão excessiva de sal também enfraquece significativamente um importante braço do sistema imunológico”, explica o Dr. Christian Kurts, do Instituto de Imunologia Experimental da Universidade de Bonn.

Esse achado é inesperado, como alguns estudos apontam na direção oposta. Por exemplo, infecções por certos parasitas da pele em animais de laboratório curam-se significativamente mais rapidamente se consumirem uma dieta rica em sal: os macrófagos, que são células imunes que atacam, comem e digerem parasitas, são particularmente ativos na presença de sal. Vários médicos concluíram a partir dessa observação que o cloreto de sódio tem um efeito geralmente melhorador da imunidade.

A pele serve como reservatório de sal

“Nossos resultados mostram que essa generalização não é precisa. Há duas razões para isso: primeiro, o corpo mantém a concentração de sal no sangue e nos vários órgãos em grande parte constante. Caso contrário, processos biológicos importantes seriam prejudicados. A única grande exceção é a pele: ela funciona como um reservatório de sal do corpo. É por isso que a ingestão adicional de cloreto de sódio funciona tão bem em algumas doenças de pele”, diz Katarzyna Jobin, principal autora do estudo.

No entanto, outras partes do corpo não são expostas ao sal adicional consumido com os alimentos. Em vez disso, é filtrada pelos rins e excretada na urina. E é aí que o segundo mecanismo entra em ação: os rins têm um sensor de cloreto de sódio que ativa a função de excreção de sal. Como efeito colateral indesejável, no entanto, esse sensor também faz com que os chamados glicocorticóides se acumulem no corpo. E estes, por sua vez, inibem a função dos granulócitos, o tipo mais comum de célula imune no sangue.

Granulócitos, como macrófagos, são células sequestradoras. No entanto, eles não atacam parasitas, mas principalmente bactérias. Se eles não fizerem isso em um grau suficiente, as infecções ocorrerão muito mais severamente.

“Fomos capazes de mostrar isso em camundongos com infecção por listeria. Anteriormente, colocamos alguns deles em uma dieta rica em sal. No baço e no fígado desses animais, contávamos de 100 a 1.000 vezes o número de patógenos causadores de doenças”, explica o Dr. Jobin. As listerias são bactérias encontradas, por exemplo, em alimentos contaminados e podem causar febre, vômito e sepse. As infecções do trato urinário também se curaram muito mais lentamente em camundongos de laboratório alimentados com uma dieta rica em sal.

Sal em excesso enfraquece o sistema imunológicoO cloreto de sódio também parece ter um efeito negativo no sistema imunológico humano. “Examinamos voluntários que consumiram seis gramas de sal, além da ingestão diária. Esta é aproximadamente a quantidade contida em duas refeições de fast food, ou seja, dois hambúrgueres e duas porções de batatas fritas”, diz o Dr Kurts. Depois de uma semana, os cientistas tiraram sangue de seus pacientes e examinaram os granulócitos. As células imunológicas lidaram muito pior com as bactérias depois que os participantes começaram a comer uma dieta rica em sal.

Em voluntários humanos, a ingestão excessiva de sal também resultou em aumento dos níveis de glicocorticóides. Que isso iniba o sistema imunológico não é surpreendente: a cortisona glicocorticóide mais conhecida é tradicionalmente usada para suprimir a inflamação. “Somente através de investigações em um organismo inteiro fomos capazes de descobrir os complexos circuitos de controle que levam da ingestão de sal a essa imunodeficiência. Nosso trabalho, portanto, também ilustra as limitações de experimentos puramente com culturas de células”, concluiu o Dr Kurts.

 

________________________

Os resultados são publicados na revista Science Translational Medicine.

* “A high-salt diet compromises antibacterial neutrophil responses through hormonal perturbation” – 2020.

Autores do estudo: Katarzyna Jobin, Natascha E. Stumpf, Sebastian Schwab, Melanie Eichler, Patrick Neubert, Manfred Rauh, Marek Adamowski, Olena Babyak, Daniel Hinze, Sugirthan Sivalingam, Christina Weisheit, Katharina Hochheiser, Susanne Schmidt, Mirjam Meissner, Natalio Garbi, Zeinab Abdullah, Ulrich Wenzel, Michael Hölzel, Jonathan Jantsch, Christian Kurts – 10.1126/scitranslmed.aay3850

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.