Vomocitose: como nosso sistema imunológico lida com infecções fúngicas e virais!

A resposta imune do organismo a infecções fúngicas muda quando um paciente também é infectado por um vírus, de acordo com uma nova pesquisa que investigou os dois tipos de infecção juntos pela primeira vez. O estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Birmingham, The Pirbright Institute e University College London,  Inglaterra, lança uma nova luz sobre a capacidade do sistema imunológico de lidar com a co-infecção, através de um processo chamado vomocitose.

Infecções fúngicas

As infecções fúngicas são as principais causas de morte de pacientes com imunidade comprometida, como pacientes com AIDS ou receptores de transplante, mas geralmente ocorrem ao lado de uma infecção viral secundária. Embora os médicos entendam como o sistema imunológico responde a cada um desses tipos de patógenos, muito menos se sabe sobre o que acontece quando os dois ocorrem juntos.

Tipicamente, as células brancas do sangue irá atacar agentes patogênicos através de um processo chamado-fagocitose onde um agente patogênico é engolido pelo glóbulo branco. Nas infecções fúngicas, no entanto, esse processo às vezes ‘reverte’ – ejeta o fungo de volta ao glóbulo branco através de um processo chamado vomocitose.

Em um novo estudo, os pesquisadores conseguiram mostrar que esse processo de expulsão é acelerado rapidamente quando o glóbulo branco detecta um vírus.

A equipe usou técnicas avançadas de microscopia para estudar glóbulos brancos vivos expostos a dois tipos diferentes de vírus, HIV e sarampo, ao lado do fungo patogênico, Cryptococcus neoformans. Esse patógeno oportunista é particularmente mortal entre os pacientes HIV positivos, onde causa cerca de 200.000 mortes por ano em todo o mundo.

Os pesquisadores descobriram que, em vez de se tornarem menos capazes de lidar com o fungo, os glóbulos brancos começaram a expelir as células do fungo muito mais rapidamente.

O autor principal do estudo, o Professor Robin May, Diretor do Instituto de Microbiologia e Infecção da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, explica: “Descobrimos que os macrófagos ejetavam suas presas – as células fúngicas – muito mais rapidamente quando o vírus estava presente. Isso foi muito inesperado, mas poderia ser uma tentativa de “liberar” esses glóbulos brancos para lidar com os novos invasores virais”.

A vomocitose

Como a vomocitose ocorreu com os dois vírus, os pesquisadores concluíram que o efeito provavelmente seria uma resposta geral à co-infecção viral.

O professor Robin May acrescenta: “Esta é a primeira vez que os cientistas estudam a resposta do nosso sistema imunológico à infecção por fungos no cenário muito mais realista de uma infecção secundária (viral). Ainda não sabemos se esse mecanismo torna os glóbulos brancos mais ou menos eficazes no combate a qualquer infecção. Embora a expulsão da célula fúngica libere o macrófago para atacar o vírus, ela também libera a célula fúngica para continuar se espalhando pelo corpo”.

Vomocitose e as infecções fúngicas e viraisO Dr. Dalan Bailey, chefe do grupo de glicoproteínas virais da Pirbright, comenta: “Este é outro exemplo interessante de interações entre transdomínios entre micróbios, desta vez fungos e vírus. Estamos apenas começando a entender a complexidade das interações entre micróbios no hospedeiro e essa colaboração lança uma nova luz sobre essa nova e empolgante área de pesquisa”.

Investigar esses processos em modelos animais será o próximo passo para a equipe, com um objetivo a longo prazo de aproveitar os mecanismos usados ​​para desencadear a expulsão de fungos e usá-los para ajudar a eliminar esses patógenos do corpo.

 

__________________________

O estudo completo foi publicado no periódico médico PLOS Pathogens.

* “Viral infection triggers interferon-induced expulsion of live Cryptococcus neoformans by macrophages” – 2020.

Autores do estudo: Paula I. Seoane, Leanne M. Taylor-Smith, David Stirling, Lucy C. K. Bell, Mahdad Noursadeghi, Dalan Bailey, Robin C. May – 10.1371/journal.ppat.1008240

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.