Você sabia que o açúcar muda a química do seu cérebro?

A ideia do vício em comida é um tópico muito controverso entre os cientistas. Pesquisadores da Universidade em Aarhus, na Dinamarca, se aprofundaram neste tópico e examinaram o que acontece no cérebro dos porcos quando bebem água com açúcar. A conclusão é clara: o açúcar influencia na química do cérebro, de maneiras semelhantes às observadas quando são consumidos medicamentos viciantes.

O açúcar na química do cérebro

Qualquer um que tenha procurado desesperadamente em seus armários de cozinha um pedaço de chocolate esquecido, sabe que o desejo por comida saborosa pode ser difícil de controlar. Mas isso é realmente um vício?

“Não há dúvida de que o açúcar tem vários efeitos fisiológicos, e há muitas razões pelas quais ele não é saudável. Mas eu tenho dúvidas sobre os efeitos que o açúcar tem no cérebro e no comportamento. Eu esperava poder matar um mito”, diz o Dr Michael Winterdahl, professor do Departamento de Medicina Clínica da Universidade de Aarhus e um dos principais autores da pesquisa.

A publicação é baseada em experimentos realizados com sete porcos que recebem dois litros de água açucarada diariamente durante um período de 12 dias. Para mapear as consequências da ingestão de açúcar, os pesquisadores imaginaram o cérebro dos porcos no início do experimento, após o primeiro dia e após o 12º dia de ingestão de açúcar.

“Após apenas 12 dias de ingestão de açúcar, pudemos ver grandes mudanças nos sistemas de dopamina e opióides do cérebro. De fato, o sistema opióide, que é a parte da química do cérebro associada ao bem-estar e ao prazer, já estava ativado após a primeira ingestão”, diz o Dr Winterdahl.

Quando experimentamos algo significativo, o cérebro nos recompensa com uma sensação de prazer, felicidade e bem-estar. Isso pode acontecer como resultado de estímulos naturais, como sexo ou socialização, ou do aprendizado de algo novo. Os estímulos “naturais” e “artificiais”, como as drogas, ativam o sistema de recompensa do cérebro, onde são liberados neurotransmissores como dopamina e opióides, explica o Dr Winterdahl.

Nós perseguimos a resposta

“Se o açúcar pode alterar o sistema de recompensa do cérebro após apenas doze dias, como vimos no caso dos porcos, você pode imaginar que estímulos naturais, como aprendizado ou interação social, são empurrados para segundo plano e substituídos por açúcar e / ou outros ‘ estímulos artificiais’. Estamos todos procurando a pressa da dopamina, e se algo nos der um chute melhor ou maior, é isso que escolhemos”, explica o pesquisador.

O açúcar muda a química do seu cérebroAo examinar se uma substância como o açúcar é viciante, normalmente se estuda os efeitos no cérebro dos roedores. Naturalmente, seria ideal se os estudos pudessem ser feitos nos próprios seres humanos, mas os humanos são difíceis de controlar e os níveis de dopamina podem ser modulados por vários fatores diferentes. Eles são influenciados pelo que comemos, se jogamos em nossos celulares ou se entramos em um novo relacionamento romântico, com potencial de grande variação nos dados.

O porco é uma boa alternativa porque seu cérebro é mais complexo que a de um roedor e funciona semelhante ao cérebro humano, além de ser grande o suficiente para criar imagens de estruturas cerebrais profundas usando scanners de cérebro humano, como a ressonância magnética.

 

________________________

Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports.

* “Sucrose intake lowers μ-opioid and dopamine D2/3 receptor availability in porcine brain” – 2020.

Autores da pesquisa: Michael Winterdahl, Ove Noer, Dariusz Orlowski, Anna C. Schacht, Steen Jakobsen, Aage K. O. Alstrup, Albert Gjedde, Anne M. Landau  – 10.1038 / s41598-019-53430-9

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.