Tratamento de plasma convalescente falhou em pacientes com COVID-19

Nem o estado clínico nem a mortalidade geral melhoraram em pacientes com COVID-19 com pneumonia grave tratados com plasma convalescente em um ensaio randomizado, disseram pesquisadores na Argentina.

Aos 30 dias no estudo de 333 pacientes, o grupo de plasma convalescente e o grupo de placebo não mostraram diferença significativa na distribuição dos resultados clínicos em uma escala ordinal de 6 pontos variando de recuperação à morte, relatou Ventura Simonovich, MD, do Hospital Italiano de Buenos Aires, e colegas no New England Journal of Medicine.

Razões de chances menores que um nesta análise refletem resultados piores com plasma convalescente versus placebo.

Além disso, não houve diferença significativa nas taxas de mortalidade entre os grupos (10,96% com plasma versus 11,43% com placebo), escreveram os autores em uma das primeiras edições do New England Journal of Medicine.

O FDA autorizou o plasma convalescente em agosto para tratar pacientes hospitalizados com COVID-19 com base em dados observacionais.

Desde então, os autores das diretrizes têm sido cautelosos quanto ao tratamento: o National Institutes of Health chamou os dados então atuais de “insuficientes” para recomendar a favor ou contra seu uso, devido à falta de “ensaios clínicos randomizados bem controlados, com potência adequada”.

A Infectious Diseases Society of America (IDSA) recomendou limitar o uso de plasma convalescente para pacientes com COVID-19 no contexto de um ensaio clínico. A IDSA observou que apenas um estudo randomizado havia sido concluído até o momento, não mostrando nenhum benefício.

Dois outros estudos randomizados chegaram a conclusões opostas, um indicando um benefício, enquanto o outro não encontrou nenhum, ambos foram interrompidos mais cedo.

O estudo atual, PlasmAr, foi um ensaio multicêntrico duplo-cego, controlado por placebo em 12 locais na Argentina, onde os participantes foram designados 2:1 para receber plasma convalescente ou placebo.

Os adultos hospitalizados eram elegíveis se testassem positivo para SARS-CoV-2, tivessem pneumonia confirmada radiologicamente e nenhuma diretiva anterior rejeitando suporte avançado de vida e pelo menos um dos critérios de gravidade, como saturação de oxigênio abaixo de 93%. Os dados foram coletados de 28 de maio a 27 de agosto.

O desfecho primário foi o estado clínico 30 dias após a intervenção, medido por uma versão adaptada da escala clínica da Organização Mundial da Saúde (OMS), variando de 1 (óbito) a 6 (alta com retorno total à função física basal).

Como o estudo foi conduzido

No geral, 228 pacientes foram randomizados para receber plasma convalescente, enquanto 105 foram randomizados para receber placebo.

A idade média dos pacientes era de 62 anos, cerca de 68% dos pacientes eram homens e 65% tinham uma condição pré-existente no início do estudo. O tempo médio de início dos sintomas de COVID-19 até a inscrição foi de 8 dias. Mais de 90% dos pacientes estavam recebendo oxigênio e glicocorticoides no início do estudo.

Além de não haver diferenças entre os grupos no estado clínico no dia 30, não houve diferença no estado clínico no dia 7 ou dia 14. O tempo médio desde a inscrição até a alta hospitalar foi de 13 dias no grupo de plasma e de 12 dias no grupo de placebo .

Examinando a segurança, os eventos adversos relacionados à infusão foram mais comuns com plasma do que com placebo (4,8% vs 1,9%, respectivamente), e cinco pacientes no grupo de plasma tiveram reações febris não hemolíticas. No entanto, não houve diferença significativa entre os grupos na incidência de eventos adversos ou eventos adversos graves.

“Nosso estudo garantiu que mais de 95% das unidades de plasma transfundidas tinham um título total de anticorpos anti-SARS-CoV-2 de pelo menos 1: 800”, escreveram os autores.

Conclusão dos autores

As limitações aos dados incluem que todos os pacientes inscritos tinham pneumonia COVID-19 grave, portanto, as conclusões não podem ser extrapoladas para casos leves e moderados.

Eles também observaram que era difícil diferenciar as reações pós-infusão, incluindo sobrecarga cardíaca associada à transfusão e lesão pulmonar aguda relacionada à transfusão, da progressão de COVID-19.

Eles sugeriram pesquisas adicionais em outras populações ou intervenções alternativas, como imunoglobulina intravenosa ou anticorpos monoclonais anti-SARS-CoV-2.

____________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “A Randomized Trial of Convalescent Plasma in Covid-19 Severe Pneumonia” – 2020

Autores do estudo: Ventura A. Simonovich, Leandro D. Burgos Pratx, Paula Scibona, María V. Beruto, Marcelo G. Vallone, Carolina Vázquez, Nadia Savoy, Diego H. Giunta, Lucía G. Pérez, Marisa del L. Sánchez, Andrea Vanesa Gamarnik, Diego S. Ojeda, Diego M. Santoro, Pablo J. Camino, Sebastian Antelo, Karina Rainero, Gabriela P. Vidiella, Erica A. Miyazaki, Wanda Cornistein, Omar A. Trabadelo, Fernando M. Ross, Mariano Spotti, Gabriel Funtowicz, Walter E. Scordo, Marcelo H. Losso, Inés Ferniot, Pablo E. Pardo, Eulalia Rodriguez, Pablo Rucci, Julieta Pasquali, Nora A. Fuentes, Mariano Esperatti, Gerardo A. Speroni, Esteban C. Nannini, Alejandra Matteaccio, Hernán G. Michelangelo, Dean Follmann, H. Clifford Lane, Waldo H. Belloso – 10.1056/NEJMoa2031304

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.