Neuroblastoma: novo tratamento para as crianças com a doença!

Um novo estudo pode melhorar a perspectiva e oferecer um tratamento precoce com uma terapia que estimula o sistema imunológico para crianças que sofrem de Neuroblastoma.

O estudo envolveu 43 crianças com neuroblastoma de alto risco, um câncer que começa em células nervosas imaturas. Os pesquisadores descobriram que uma nova abordagem de tratamento – envolvendo um anticorpo experimental dado logo de cara – começou a combater rapidamente o câncer na maioria das crianças.

Após dois anos, a maioria ainda estava livre de recaída ou progressão do câncer, de acordo com descobertas publicadas na revista Clinical Cancer Research.

O neuroblastoma é um câncer raro que afeta principalmente bebês e crianças com menos de 5 anos. Aproximadamente metade dessas crianças é diagnosticada após a propagação do câncer e é considerada “de alto risco”.

O tratamento nesses casos é agressivo: o regime típico começa com quimioterapia em altas doses, seguida de cirurgia para remover os tumores visíveis restantes. Em seguida, vem a quimioterapia adicional, seguida de um transplante de células-tronco para reconstruir o sistema imunológico e depois a radiação.

Novo tratamento para neuroblastoma

Nos anos mais recentes, os médicos acrescentaram outra arma ao final desse regime: o anticorpo monoclonal dinutuximab. A droga se prende ao GD2, uma proteína na superfície de muitas células do neuroblastoma.

Eles optaram por um anticorpo experimental semelhante ao dinutuximabe, atuando na mesma proteína GD2. A diferença é que o novo anticorpo foi projetado para causar menos reações alérgicas e menos dor, disseram os pesquisadores.

Neuroblastoma - novo tratamento para as crianças com a doençaAs crianças do estudo receberam seis rodadas de quimioterapia, juntamente com a terapia com anticorpos. Após apenas duas rodadas, 76% apresentaram pelo menos alguma regressão em seus tumores. Após a combinação inicial de quimioterapia/anticorpo, as crianças passaram para outros tratamentos padrão, incluindo uma rodada de terapia com anticorpos como etapa final.

Dois anos depois, quase 86% permaneceram livres de recaídas ou progressões. Isso se compara a uma taxa de 50% em um estudo anterior em que nenhuma terapia inicial com anticorpos foi usada, disseram os autores do estudo.

Esses dados são de interesse considerável para a comunidade de neuroblastomas. Eles aumentam o número crescente de evidências que sugerem que a combinação de quimioterapia e imunoterapia pode alterar os resultados de crianças com neuroblastoma de alto risco.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.