Medicamento pode aumentar o risco de tumores cerebrais em mulheres

Mulheres que tomam o acetato de ciproterona de progestágeno sintético correm maior risco de tumores cerebrais, descobriu um estudo francês.

A análise de dados sobre mais de 250.000 mulheres que receberam uma receita de acetato de ciproterona mostrou que elas tinham um risco seis vezes maior de desenvolver meningiomas intracranianos em comparação com mulheres que não usavam o hormônio, relatou Alain Weill, MD, do EPI-PHARE Scientific Interest Group na França e colegas no BMJ.

O acetato de ciproterona, um progestagênio sintético com efeitos antiandrogênicos, está atualmente aprovado na maioria dos países europeus, mas não nos EUA. Em toda a Europa, a droga tem várias indicações, incluindo hirsutismo ou espectro de hiperandrogenismo em mulheres e câncer de próstata inoperável e parafilias em homens.

Além disso, dadas as propriedades antiandrogênicas, o acetato de ciproterona também é usado como terapia hormonal feminizante para mulheres trans.

Weill e colegas também descobriram que a relação era dependente da dose, com mulheres expostas a uma dose cumulativa de mais de 60g de acetato de ciproterona – o grupo de maior exposição – apresentando um risco aumentado de quase 22 vezes.

Embora o risco absoluto de meningiomas intracranianos que requerem cirurgia ou radioterapia seja baixo, foram 69 casos de meningiomas relatados em mulheres expostas ao hormônio (289.544 pessoas-ano de acompanhamento) em comparação com 20 casos no grupo de controle não exposto (439.949 pessoas por anos de acompanhamento).

Este risco aumentado diminuiu rapidamente após a interrupção do acetato de ciproterona. Depois que o hormônio foi interrompido por 1 ano, o risco de meningioma caiu para apenas 1,8 vezes maior do que o de mulheres nunca expostas. No entanto, o risco ainda era mais de quatro vezes maior se a dose cumulativa antes da descontinuação fosse de 12g ou mais.

Esses novos casos de meningioma especificamente ligados ao acetato de ciproterona tendiam a estar localizados na base anterior e média do crânio – principalmente no terço medial da base média do crânio envolvendo a região esfeno-orbital, observaram os pesquisadores. Em particular, houve um risco 47 vezes maior de meningiomas na base anterior do crânio devido ao uso prolongado de acetato de ciproterona.

Quase todos foram tratados com um procedimento neurocirúrgico, enquanto poucos receberam apenas radioterapia.

“A maioria dos participantes com meningioma havia tomado acetato de ciproterona para indicações off-label, e cerca de 30% continuaram ou retomaram o acetato de ciproterona após o tratamento do meningioma, que foi formalmente contraindicado desde 2011″, escreveu a equipe.

Características do estudo

A análise observacional incluiu dados de 253.777 mulheres com idades entre 7 e 70 anos do SNDS, um banco de dados de saúde administrativo francês que cobre toda a população do país.

Todos foram registradas como tendo pelo menos um reembolso de acetato de ciproterona entre 2007 e 2014, a maioria foi prescrita a terapia por um ginecologista (57%), seguido por um clínico geral (18%), dermatologista (12%) ou endocrinologista (10%).

Descobertas semelhantes foram observadas em uma análise separada olhando apenas para pacientes trans que receberam o agente. O risco de meningioma foi elevado entre esses pacientes, com incidência de 20,7 casos por 100.000 pessoas ao ano.

Notavelmente, essas pacientes tendem a receber doses diárias muito mais altas em comparação com outras populações de pacientes, com todos os casos de meningioma ocorrendo naqueles que tomam doses diárias de 100-150mg, disseram os pesquisadores.

“Pessoas que usam acetato de ciproterona em altas doses por pelo menos 3 a 5 anos devem ser informadas sobre o risco aumentado de meningioma intracraniano”, escreveu o grupo de Weill. “A indicação do acetato de ciproterona deve ser claramente definida e a menor dose diária possível deve ser usada”.

No entanto, se o uso prolongado de altas doses for necessário, os pacientes devem ser examinados para meningioma por meio de ressonância magnética, aconselharam os pesquisadores.

“Em pacientes com meningioma documentado, o acetato de ciproterona deve ser descontinuado, porque o meningioma pode regredir em resposta à descontinuação do tratamento e o tratamento invasivo pode ser evitado”, concluiu a equipe.

_________________________

O estudo original foi publicado no The BMJ

* “Use of high dose cyproterone acetate and risk of intracranial meningioma in women: cohort study” – 2021

Autores do estudo: Alain Weill, Pierre Nguyen, epidemiologist23, Moujahed Labidi, Benjamin Cadier, Thibault Passeri, Lise Duranteau, Anne-Laure Bernat, Isabelle Yoldjian, Sylvie Fontanel, Sébastien Froelich, Joël Coste – 10.1136/bmj.n37

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.