Melatonina para melhorar a função cerebral em crianças

Uma das frustrações em ajudar as crianças a se recuperarem de concussões é descobrir quais tratamentos podem melhorar seus sintomas – especialmente quando as crianças têm dificuldade em articular o que parece diferente após uma lesão cerebral.

Problemas de sono estão entre os sintomas de concussão mais comuns em crianças, e elas precisam dormir bem para ajudar o cérebro a se recuperar desses ferimentos.

Um novo estudo de imagem cerebral publicado online em setembro de 2020 no Journal of Neurotrauma oferece novas evidências de que a melatonina pode ajudar a melhorar a função cerebral relacionada à qualidade do sono em crianças que sofreram concussões.

Os pesquisadores estudaram os efeitos da melatonina em 62 crianças com idades entre 8 e 18 anos. Começando quatro a seis semanas após as crianças sofrerem concussões, os pesquisadores designaram aleatoriamente os participantes para receber um mês de tratamento com melatonina em doses de 3 miligramas (mg) ou 10mg ou para receber um placebo.

A equipe fez exames de imagem por ressonância magnética (MRI) e avaliações para problemas de sono no início do estudo e novamente após 28 dias de tratamento.

Em comparação com crianças que receberam um placebo, aquelas que tomaram melatonina tiveram um sono melhor e men os períodos de vigília noturna após o tratamento.

As ressonâncias magnéticas também mostraram que as crianças que tomaram melatonina tiveram melhora nas regiões do cérebro que regulam o sono e a função cognitiva, auxiliando na recuperação, disse o autor do estudo Kartik Iyer, PhD, do Child Health Research Centre da University of Queensland, na Austrália.

A seção específica do cérebro em que os pesquisadores se concentraram é conhecida como rede de modo padrão, uma área que está ativa durante os períodos de relaxamento e descanso. “Nossos resultados indicaram que a rede de modo padrão aumentou as funções em crianças com concussão tomando melatonina”, diz o Dr. Iyer. “Este resultado sugere que quando crianças com concussão tomam melatonina, isso facilita alguma compensação direta das funções de rede do modo padrão que podem ter sido perdidas devido a lesões.”

Limitações do estudo da melatonina

Além de seu pequeno tamanho, outra limitação do estudo é que cerca de um terço dos participantes não retornou para exames de ressonância magnética após o tratamento.

Embora a melatonina tenha sido associada a melhorias no sono, este tratamento falhou em alcançar o objetivo principal testado no estudo – reduzir os sintomas gerais pós-concussão.

“É importante observar que a melatonina não é um tratamento para concussão em si”, diz Anthony Kontos, PhD, diretor de pesquisa do programa de concussão em medicina esportiva do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh.

Em vez disso, a melatonina deve ser considerada como um tratamento potencial a ser usado para melhorar o sono em crianças com problemas após sofrer uma concussão, diz o Dr. Kontos, acrescentando que, ao ajudar essas crianças a dormirem melhor, a melatonina pode auxiliar indiretamente na recuperação da concussão ao longo do tempo.

Os especialistas em concussão recomendam rotineiramente a melatonina como uma das várias intervenções para ajudar a melhorar o sono em crianças que têm problemas de sono após uma concussão, acrescenta Kontos, os resultados do estudo atual não devem mudar essa prática.

Mais pesquisas são necessárias, no entanto, para determinar se a melatonina pode ajudar na recuperação de concussões em crianças que não parecem ter dificuldades para dormir.

Pesquisa anterior sobre melatonina e recuperação de concussão

Em um estudo anterior, a mesma equipe de pesquisa examinou imagens do cérebro de crianças se recuperando de concussões e descobriu que a dificuldade em permanecer e adormecer, exaustão e déficits de atenção nas primeiras semanas após a lesão estavam associados à redução da massa cinzenta e diminuição da função cerebral.

Este estudo, publicado em dezembro de 2019 na revista Annals of Clinical and Translational Neurology, descobriu que crianças com sintomas persistentes quatro a seis semanas após a lesão tiveram pior sono e um volume menor de tecido cerebral total, substância cinzenta e branca do que crianças que haviam se recuperado de suas concussões.

Mais recentemente, um estudo publicado online em setembro de 2020 no Journal of Neurotrauma examinou o impacto de duas doses de melatonina, 3mg e 10mg, na melhora dos sintomas de concussão relacionados ao sono, bem como medidas objetivas do sono com base em actígrafos (dispositivos usados à noite para ver com que facilidade as pessoas caem e permanecem dormindo e o descanso que elas conseguem ter).

As crianças observaram melhorias nos problemas relacionados ao sono com a dose mais alta do que com a dose mais baixa, embora ambas as doses tenham sido mais eficazes do que o placebo.

Qual é o papel certo para a melatonina

A maioria das crianças com problemas de sono após uma concussão deve ser capaz de tomar melatonina com segurança, diz Iyer. Mas ele aconselha que os pais ainda devem consultar um especialista em concussão antes de dar melatonina a crianças após uma lesão cerebral.

Os efeitos colaterais mais comuns da melatonina são dor de cabeça, tontura, náusea e sonolência, de acordo com a Clínica Mayo.

“A melatonina é apenas parte da resposta para ajudar crianças com concussão a dormirem potencialmente melhor, mas não é a cura para todos os sintomas de concussão, como problemas de memória, ansiedade e depressão”, conclui Iyer.

_________________________

O estudo original foi publicado no Journal of Neurotrauma

* “Neural Correlates of Sleep Recovery following Melatonin Treatment for Pediatric Concussion: A Randomized Controlled Trial” – 2020

Autores do estudo: Kartik K. Iyer, Andrew Zalesky, Luca Cocchi, Karen M. Barlow – 10.1089/neu.2020.7200

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.