Testada a pele de porco para queimaduras geneticamente modificada!

Os especialistas em queimaduras do Hospital Geral de Massachusetts (MGH), nos EUA, anunciaram que usaram pela primeira vez com sucesso a pele de porco para queimaduras geneticamente modificada. Antes era comum apenas o uso de pele vindo direto do animal.

O uso da pele de porco para queimaduras

Trata-se de uma Pele de células vivas e geneticamente modificadas (xenoenxerto) para o fechamento temporário de uma ferida de queimadura. Através de um estudo clínico liderado pelo Dr Jeremy Goverman, cirurgião do Hospital Geral de Massachusetts, usou pela primeira vez o tecido de porco geneticamente modificado e foi transplantado diretamente em uma ferida humana.

A pele cadavérica humana – ou aloenxertos – obtida de bancos de pele nacionais é um padrão de tratamento para queimaduras profundas de segundo e terceiro graus para fechar temporariamente feridas massivas. A pele cadavérica, como ocorre com outros órgãos, costuma estar sujeita a escassez nacional, cara e requer bancos de tecidos estritamente regulamentados para processamento. A pele cadavérica permite tempo para o paciente estabilizar e proteger a ferida subjacente enquanto aguarda o fechamento permanente com sua própria pele.

Para resolver esses problemas, o MGH colaborou com a XenoTherapeutics, com sede em Boston, que projetou e implementou os protocolos de segurança para o enxerto especial de tecido de porco vivo, conhecido como xenoskin. As modificações genéticas desses suínos em particular – desenvolvidas na década de 90 no MGH – removem um gene específico dos porcos e não está presente nos seres humanos, permitindo que a pele do porco pareça menos estranha ao sistema imunológico humano.

Durante o procedimento, um pedaço de 5 por 5 centímetros de pele de porco para queimaduras geneticamente modificada foi colocado sobre a ferida de um paciente após a remoção do tecido necrótico. O enxerto de pele de porco foi colocado próximo a um pedaço muito maior de pele cadavérica e ambos foram fixados com grampos cirúrgicos e ataduras de gaze.

Cinco dias depois, os cirurgiões removeram a pele cadavérica temporária e o xenoenxerto. Ambos os enxertos de pele eram aderentes ao leito da ferida subjacente e pareciam indistinguíveis um do outro. Nenhum evento adverso foi observado ou relatado e a ferida foi tratada com enxerto de pele colhido na coxa do próprio paciente. A cura progrediu conforme o esperado e o paciente voltará ao trabalho em breve.

Testada a pele de porco para queimaduras geneticamente modificadaAs análises do Comitê de Revisão de Segurança do estudo – um conselho independente exigido pelo Hospital para garantir a segurança do paciente, bem como os resultados gerados por um laboratório independente credenciado e registrado no FDA, não mostram transmissão de retrovírus endógenos porcinos, ou PERVs, que sempre colocaram um obstáculo teórico para o transplante de tecidos ou órgãos de suínos transplantados em receptores humanos.

Este pequeno passo representa um grande número de horas abrangendo décadas de pesquisa em uma infinidade de áreas, incluindo biologia de transplantes, imunologia e engenharia genética.

Além disso, os rápidos avanços na tecnologia de edição de genes abrem uma nova e vasta avenida para porcos geneticamente modificados pele que não é rejeitada, representando o próximo capítulo em padrões de atendimento para pacientes queimados e transplantados.

Os resultados completos estão disponíveis no site do MGH.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.