Medicamento para disfunção erétil oferece menos risco cardiovascular

Homens com doença arterial coronariana que usaram inibidores da fosfodiesterase-5 (PDE-5) para disfunção erétil tiveram menos eventos cardiovasculares adversos do que aqueles que tomaram o medicamento de prostaglandina alprostadil (Edex, Caverject, Muse), mostrou um grande estudo sueco.

Após sobreviver a um infarto do miocárdio (MI) ou revascularização cardíaca, aqueles que receberam um inibidor PDE-5 em vez de alprostadil, tiveram significativamente menos eventos cardiovasculares durante 5 anos após o início da medicação:

  • Mortalidade por todas as causas: 13,7% vs 26,1%
  • MI: 9,4% vs 14,6%
  • Insuficiência cardíaca: 5,5% vs 12,2%
  • Mortalidade cardiovascular: 5,1% vs 10,6%
  • Revascularização: 13,1% vs 20,8%

Pacientes com prescrições de inibidor PDE-5 apresentaram menor risco de mortalidade durante o acompanhamento, de acordo com Martin Holzmann, MD, PhD, do Karolinska University Hospital em Estocolmo, Suécia, e colegas. O relatório observacional, incluindo mais de 18.000 homens, foi publicado online no Journal of the American College of Cardiology.

“Embora a diminuição na mortalidade por todas as causas com inibidores de PDE-5 fosse dependente da dose, os dados não permitem a inferência de causalidade ou quaisquer benefícios clínicos dos inibidores de PDE-5 devido ao desenho do estudo observacional”, alertaram os pesquisadores. Eles também pararam de recomendar que o alprostadil fosse evitado.

“Até onde sabemos, este é o maior estudo que investiga a associação entre o uso de medicamentos para disfunção erétil e os resultados a longo prazo”, observou a equipe. “Além disso, acreditamos que a validade externa de nossas descobertas é alta e pode ser generalizada para outros países e sistemas de saúde semelhantes ao sueco.”

Os inibidores PDE-5 foram desenvolvidos pela primeira vez para aumentar a sinalização dependente do óxido nítrico em doenças cardíacas e hipertensão. A Pfizer voltou suas atenções para o marketing de sildenafil (Viagra) para disfunção erétil após descobrir o efeito inesperado em homens em seus testes cardiovasculares. Outros incluem tadalafil (Cialis) e vardenafil (Levitra).

Uma advertência importante do presente estudo, no entanto, é que os inibidores PDE-5 e alprostadil não são prescritos ou tomados para uso diário para maioria das pessoas, disse Renke Maas, MD, da Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg, Alemanha, e Roman Rodionov, MD, PhD, da Technische Universität Dresden, Alemanha, e da Flinders University em Adelaide, Austrália, em um editorial anexo.

“Portanto, a grande maioria dos homens foi mais provavelmente exposta ao inibidor PDE-5 ou alprostadil por apenas uma fração limitada do tempo total de observação”, escreveram Maas e Rodionov. “Isso torna difícil atribuir qualquer associação forte com mortalidade aos padrões de dosagem típicos de [inibidores de PDE-5] em homens com disfunção erétil.”

O grupo de Holzmann reconheceu não saber a quantidade exata de medicamentos para disfunção erétil que os pacientes tomavam semanalmente.

Além disso, confusão por indicação não pode ser excluída, e os pesquisadores disseram que não tinham informações sobre alguns fatores de risco que estão associados à disfunção erétil e doenças cardiovasculares (por exemplo, índice de massa corporal, tabagismo, atividade física, condicionamento físico). Talvez por essas razões, os autores não sugeriram que o alprostadil representasse um perigo particular.

“A associação observada entre o uso do inibidor PDE-5 e a sobrevida em homens com doença arterial coronariana é intrigante, mas ainda insuficiente para apoiar qualquer mudança na prática clínica”, concluíram Maas e Rodionov.

Características do estudo

O estudo foi baseado em homens suecos que receberam pelo menos um inibidor de PDE-5 ou prescrição de alprostadil após um infarto do miocárdio ou uma revascularização de 2006 a 2013. Informações clínicas e dados socioeconômicos foram coletados de registros nacionais.

A equipe de Holzmann relatou que os usuários do inibidor PDE-5 tiveram diminuições numéricas na doença arterial periférica e acidente vascular cerebral, estes perderam a significância estatística no ajuste multivariável para confundidores potenciais, como estado civil e tempo de escolaridade.

Os pesquisadores observaram que os homens no estudo constituíam uma coorte de alto risco, portanto, os resultados não são generalizáveis ​​para a população em geral.

“Estudos futuros precisam ter como foco diferenciar os efeitos específicos de classe e substância dos inibidores de PDE-5”, destacaram os pesquisadores. “Levando em consideração uma possível utilização para a prevenção cardiovascular, mais esforços são necessários para analisar os efeitos dos inibidores PDE-5 em mulheres, onde a relação entre a função dos tecidos eréteis femininos e eventos cardiovasculares não é tão investigada e compreendida”.

Um ensaio randomizado controlado por placebo desses agentes na prevenção cardiovascular ainda precisa ser feito, o que Maas e Rodionov chamaram de “intrigante”, considerando os amplos dados positivos e as intenções originais de seu uso.

__________________________

O estudo original foi p

ublicado no Journal of the American College of Cardiology

* “Association of Phosphodiesterase-5 Inhibitors Versus Alprostadil With Survival in Men With Coronary Artery Disease” – 2021

Autores do estudo: Daniel P. Andersson, Laura Landucci, Ylva Trolle Lagerros, Alessandra Grotta, Rino Bellocco, Mikael Lehtihet, and Martin J. Holzmann – 10.1016/j.jacc.2021.01.045

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.