Estudo: Proteína HDL pode reduzir o risco de demência

Os fatores de risco para a doença de Alzheimer incluem o alelo ε4 do gene APOE e os níveis mais baixos de proteína no plasma sanguíneo. Cerca de metade do total de APOE em pessoas com níveis lipídicos normais são encontrados na lipoproteína de alta densidade (HDL) ou, como é conhecido popularmente o “bom colesterol”.

As evidências encontradas sugerem que os subcomponentes do HDL estão associados diferencialmente a doenças cardíacas e diabetes, fatores de risco para demência.

Curiosamente, pessoas com uma mutação genética no APOE podem estar em risco aumentado de doença grave por COVID-19. No entanto, os pesquisadores não entendem completamente os mecanismos biológicos subjacentes em relação a diferentes doenças, incluindo a doença de Alzheimer.

Proteína HDL e o risco de demência

Em um estudo de caso-coorte, Manja Koch, PhD, de Harvard T. H. Chan School of Public Health, em Boston, e colegas examinaram as associações entre a presença de APOE em diferentes lipoproteínas com função cognitiva, principalmente quanto ao risco de demência associado ao HDL.

Níveis mais altos de proteína APOE que careciam de apolipoproteína C3 (APOC3) foram relacionados a uma melhor função cognitiva e menor risco de demência em adultos mais velhos, relataram os autores no JAMA Network Open. O APOC3 já havia sido associado ao risco de doença cardíaca, especificamente ao desenvolvimento de aterosclerose.

Como o estudo foi conduzido

Koch e colegas analisaram o APOE no plasma total, no plasma com depleção de HDL, no HDL e no HDL que continham ou não tinham APOC3, usando um procedimento baseado em ensaio imunossorvente ligado a enzima (ELISA) modificado e patenteado.

Eles obtiveram essas amostras de uma sub-coorte aleatória de 995 participantes do estudo Ginkgo Evaluation of Memory (GEM), que incluiu 1.351 pacientes (idade mediana 78, 47,3% mulheres) que estavam livres de demência no início (2000), 521 participantes foram diagnosticados com demência durante um acompanhamento médio de 5,9 anos.

As associações entre os níveis de APOE no plasma total e os níveis de APOE no HDL e na função cognitiva foram avaliadas com a Alzheimer Disease Assessment-Cognitive Subscale (ADAS-Cog) e o Modified Mini-Mental State Examination (3MS) e ajustadas por fatores de estilo de vida e características clínicas, incluindo o genótipo APOE.

Resultados obtidos

Os pesquisadores relataram que níveis mais altos de APOE no plasma total e no HDL estavam associados a uma melhor função cognitiva no ADAS-Cog, mas não à demência ou ao risco de doença de Alzheimer.

Além disso, um nível mais alto de APOE no HDL que não possuía APOC3 correlacionou-se com uma melhor função cognitiva e menor risco de demência .

Conclusão dos autores do estudo

Simplificando, os participantes com maior APOE em HDL sem APOC3 tiveram 14% menos chances de desenvolver demência. Por outro lado, os níveis de APOE no HDL que continham APOC3 não estavam relacionados a nenhum dos resultados acima mencionados.

A análise realizada foi limitada a participantes mais velhos e os resultados podem não se aplicar a populações mais jovens, Koch e colegas admitiram. Os testes cognitivos eram sistemáticos, mas pararam no estudo GEM quando ocorreu demência, constataram. Além disso, comprometimento cognitivo leve não foi um resultado experimental.

_______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network

* “Association of Apolipoprotein E in Lipoprotein Subspecies With Risk of Dementia” – 2020

Autores do estudo: Manja Koch, Steven T. DeKosky, Matthew Goodman, Jiehuan Sun, Jeremy D. Furtado, Annette L. Fitzpatrick, Rachel H. Mackey, Tianxi Cai, Oscar L. Lopez, MD7; Lewis H. Kuller, Kenneth J. Mukamal, Majken K. Jensen – 10.1001/jamanetworkopen.2020.9250

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.